Não há progresso sem Valor Humano!

Progresso Barack Obama

O Progresso é o resultado da dinâmica do Homem em relação a tudo o que o rodeia. No entanto, para que se efetive tem de resultar de uma concertação coletiva. Este é um exemplo prático de Consciência e Inteligência Coletivas que resulta em Desenvolvimento.

Nas últimas décadas o Homem assistiu, muitas vezes estupefacto, a um progresso tecnológico sem paralelo na sua história. A capacidade criativa, a imaginação, o desenvolvimento do conhecimento e a inteligência tecnológica do Homem entraram num crescendo de tal modo encadeado, que chegámos à segunda década do século XXI com um nível de Progresso ‘inimaginável’ para muitas Pessoas que se mantêm alheadas da ciência e da tecnologia.

Sem dúvida louvável esta capacidade progressista. Se pensarmos na quantidade de investimento financeiro efetuado, para que esta realidade tomasse forma, ficamos seguramente pensativos porque não se produziu Progresso semelhante no Desenvolvimento Humano.

Chegámos a um ponto tal que se tornou necessário, indispensável e inviável viver sem esta Tecnologia, seja nos domínios da informática, das comunicações, das metodologias organizacionais, da medicina, da energia, do aeroespacial, e em tantos outros ‘mundos’ do conhecimento.

Este Progresso Tecnológico representa, sem sombra de dúvida, Valor Humano de muitos Seres que nos rodeiam. Construíram-no com tal precisão, motivação e empenho que quase se esqueceram do Ser Humano e do seu Desenvolvimento.

A desigualdade tecnológica que se criou só tem paralelo na desigualdade económica e financeira a que as Pessoas ficaram expostas, sem possibilidade de um Desenvolvimento Humano equilibrado.

Aliás, recordo-me das palavras de Alvin Toffler na sua afirmação verdadeira “Os analfabetos do século XXI não são aqueles que não sabem ler ou escrever, mas aqueles que se recusam a aprender, reaprender e voltar a aprender”in “The Third Wave” (A Terceira Onda) – 1980. Lembro-me igualmente de alguns esforços, a nível de formação realizados nas Empresas para que, sobretudo, muitos trabalhadores se adaptassem às novas tecnologias informáticas que despontaram na década de 1980.

Esta adaptação, infelizmente, só resultou em maior escala com a informática de grande consumo.

Será que com as outras vertentes de progresso tecnológico se terá de passar pela fase de ‘consumo’ para que o Homem se adapte?

Bom, estou a verificar que a resposta a esta pergunta é SIM. Senão, vejamos o que se está a passar com a chamada Realidade Virtual (RV). Estão a desenvolver-se vários sistemas de RV para o grande consumo que vão conduzir o Homem a uma grande imersão existencial virtual, e, provavelmente (dada a impreparação de muitos) a um maior alheamento da Realidade Real do Homem.

Este, para mim é um ponto crucial do Desenvolvimento do Ser Humano, que tudo indica está a ser desvirtuado propositadamente para tornar as Pessoas ainda mais dependentes da tecnologia, do consumo, do dinheiro, e menos do Desenvolvimento do Valor Humano principal, aquele que nos conduz à aceitação natural de uma aprendizagem, reaprendizagem para voltar a aprender.

O que foi feito, nos últimos 40 anos, em matéria educativa e escolar para que tenhamos esta capacidade fulcral (aceitar aprender, reaprender para tornar a aprender)?

A meu ver não estamos a caminhar no sentido de um Valor Humano natural e voluntário, mas sim para um valor humano dependente de muitas outras ‘coisas’ que não Seres Humanos. Se é que não estamos a considerar as Pessoas como ‘coisas’!

O Valor Humano que defendo não transforma Seres Humanos em dependentes, mas dá-lhes a liberdade e a dignidade para se desenvolverem naturalmente e com o seu próprio ritmo, para o melhor resultado.

Quero terminar este texto com uma palavra de ESPERANÇA. Recordo aqui as palavras de Mia Couto, que nos devem levar a refletir muito sobre qual o Futuro que o Homem quer trilhar.

Progresso Mia Couto

Alfredo Sá Almeida                                                                                        15 de Janeiro de 2016