A necessidade urgente de Valores Humanos neste Pandemonium (+) global

pandemonium-1919-george-grosz“Pandemonium”, 1919 – George Grosz (http://esperandoleitor.blogspot.pt/2010/07/pandemonium-1919-george-grosz.html)

Penso que os meus Leitores concordarão comigo quando afirmo que o mundo atual se assemelha a um Pandemonium global. Como exemplo, sugiro a visualização deste vídeo de Steve Cutts.

(http://www.bing.com/videos/search?q=moby+are+you+lost+in+the+world+like+me&&view=detail&mid=6778A5CA883A697C33956778A5CA883A697C3395&FORM=VRDGAR).

Passo a explicar o porquê desta afirmativa.

Algumas tristes realidades:

  1. Aumento significativo das desigualdades (económicas, de oportunidades, etc.) entre Seres Humanos;
  2. Desfasamento educacional e de conhecimento nos diferentes Países do mundo (*);
  3. Aumento da intolerância pela diversidade cultural, étnica, religiosa, etc.;
  4. Incompreensão de fenómenos naturais por ignorância ‘militante’;
  5. Fraca tendência no estabelecimento de pontes culturais sólidas por falta de empatia e compaixão;
  6. Comportamentos insustentáveis do ponto de vista Humano na relação com a Biosfera;
  7. Aceitação da agressividade pessoal como reação aos desentendimentos;

A existência destes factos seria menos preocupante se entre os Líderes mundiais e os fenómenos globalizantes existisse uma sintonia de consciência, com atuações concertadas para uma resolução significativa destes pontos problemáticos.

A meu ver, não são os pontos discordantes que produzem o Pandemonium, mas a carência gritante de Valores Humanos entre as classes dominantes (Políticas; Financeiras; Científicas; Religiosas) de muitos Países do mundo, que acaba por se repercutir nos respetivos Povos. Acrescente-se a esta realidade, uma outra carência gritante em Educação de excelência e temos a ‘caldeira em ebulição desgovernada’ (aumento da entropia do sistema) e o Pandemonium em crescendo.

Mas existe uma realidade muito pouco desenvolvida em Nós – o nosso INTERSER. Para o efeito recomendo uma leitura atenta deste texto, da minha querida companheira Angela Alem, “Interser” (https://angelaalem.wordpress.com/2017/01/28/interser/). “Podemos dizer que cada um de nós não é simplesmente “Um SER”, e sim um “INTERSER”. INTERSER porque cada um de nós É, como SER ÚNICO. E ao SERMOS, o TODO está contido no UM. E o UM está contido no TODO!

Assim…, Eu Sou; e Você É.

Você É; portanto, Eu Sou.” – Angela Alem

Os fenómenos são conhecidos, assim como algumas das ‘fórmulas’ de estabilização dinâmica das Sociedades, mas o GRANDE PROBLEMA está na FALTA DE VONTADE para as implementar. Essa falta de vontade está ancorada nas elites dos Países e nos interesses económico-financeiros que representam, culminando no medo pela perda do PODER. Ou seja, é um círculo vicioso! Deste ponto, à ‘construção’ de uma guerra vai um intervalo muito curto, apenas requerendo uma faísca emocional propagada à velocidade da internet.

As Revoluções continuam a fazer sentido, porque nelas existe uma vontade contrária, com estratégia e conhecimento dos factos a eliminar, mas se o resultado for a perpetuação do status quo deste mundo globalizado não servem para nada e acabam por se diluir nesta ‘sopa’ mundial. Ou seja, estamos desfocados da verdadeira necessidade de globalização.

A guerrilha e o terrorismo é que não fazem sentido nenhum, nem conduzem a nada de bom. Apenas servem bem o Pandemonium e não ajudam a construir o Humanismo nem a consolidar os Valores Humanos. Isto porque as Sociedades não aprenderam a desconstruir o terrorismo nem a guerrilha. Pelo contrário têm tendência para as aumentar. O ódio, o radicalismo, a intolerância, a ignorância e os desequilíbrios emocionais só podem ser desconstruídos pela Educação de excelência e pela aplicação permanente de Valores Humanos em Sociedade. “Enquanto praticamente todos os adultos na Europa (98%) e língua inglesa da América do Norte (99%) têm pelo menos alguma educação, quatro-em-dez no Oriente Médio e norte da África (41%) e na África subsaariana (41%) não completaram nem um ano de escola primária” – David Masci (http://www.pewresearch.org/fact-tank/2017/01/11/about-one-fifth-of-adults-globally-have-no-formal-schooling/) (*). Ah! Mas isso custa muito dinheiro para compor! Então introduzem-se simulacros destes dois grandes pilares Educacionais (Educação de excelência + Valores Humanos em Sociedade), para calar algumas vozes dissonantes, para que pensem que resolveram O PROBLEMA. Apenas adiaram uma parte do problema, provavelmente, criando outras componentes ainda maiores e mais complexas desse problema.

E o mundo anda assim! Desgovernado em direção ao Pandemonium global!

Os Políticos e Financeiros vão reagindo aos impulsos e vão construindo ‘mantas de retalhos’ julgando que são soluções para os problemas, mas não são mais do que ilusões paradigmáticas e não O PARADIGMA SOLUÇÃO. Vão tapando os vários buracos com uma argamassa qualquer e o resultado é uma ‘estrada’ muito desconfortável para se viajar para o Futuro da Humanidade.

A população mundial cresce exponencialmente e com ela aumenta a presença de sociopatas e psicopatas. Estas duas aberrações humanistas funcionam como ‘buracos negros’ das Sociedades, destruindo TUDO em ritmo exponencial. Por outro lado, os recursos escasseiam, os bens de primeira necessidade não são suficientes, e os ‘famintos’ de tudo aumentam exponencialmente. Resultado final – ESTÁ O PANDEMONIUM GLOBAL INSTALADO.

Resta-nos a ESPERANÇA e uma RESILIÊNCIA HUMANISTA focada em Valores Humanos e na proliferação do Valor Humano. Sem estes grandes Cavaleiros do Futuro estaremos sempre em domínios do Pandemonium.

Que contribuição, o meu caro Leitor está disposto a dar? Para que dimensão pretende ir?

A sua reflexão seguida de uma ação concertada de Valor Humano são a solução para TODOS OS NOSSOS PROBLEMAS. Só assim nos afastamos significativamente do Pandemonium!

Alfredo Sá Almeida                                                                                   31 de Janeiro de 2017

Nota (+): Significado de Pandemonium – Capital imaginária dos Infernos. / Reunião de indivíduos para a prática do mal ou promoção de desordens. / Fig. Assembleia tumultuosa. / Lugar onde reina a confusão e onde ninguém se entende; balbúrdia.

Pandemonium tem origem inglesa, através do radical grego pan, que significa “todo”, + o termo grego daímon, que significa “demónio”, que é um neologismo criado pelo poeta inglês Mílton (1608-1674), no seu “O Paraíso Perdido” (Shangri-lá), para designar o palácio de Satã. É também o designativo para a capital imaginária do Inferno. O mesmo que tumulto, balbúrdia, confusão. (http://www.dicionarioinformal.com.br/pandem%C3%B4nio/)

Reconhecimento do Valor é essencial no Valor Humano

somos-todos-professores

(http://pt.slideshare.net/lauraneumann942/somos-todos-professores)

Reconhecer o Valor de alguém pelos seus actos e realizações tem um contributo muito positivo para a vida da Pessoa reconhecida, mas também para todos aqueles que gostam de aprender pelo exemplo.

A atitude de reconhecimento genuíno do Valor de um Ser Humano constitui um sentimento positivo que acrescenta estímulo, motivação, valorização e desenvolvimento pessoal.

O Valor Humano engrandece com todos os sentimentos positivos das Pessoas que rodeiam um nosso semelhante.

Não tenho elementos que me permitam concluir, na Sociedade atual, se o número dos reconhecimentos do Valor de Pessoas em vida é superior aos mesmos em morte. A meu ver, os reconhecimentos em vida possuem uma dinâmica mais positiva pois geram, seguramente, maiores repercussões sociais.

Considero que o reconhecimento do Valor de alguém após a sua perda para os demais constitui uma ‘distração’ de Valor.

Na Sociedade atual, elogios verbais na vida profissional, sem a respetiva contrapartida monetária justa, não constituem reconhecimento do Valor. Do mesmo modo, numa Sociedade de Valor Humano o reconhecimento não se ‘alimenta’ de dinheiro, mas sim de acréscimo Valor (substituto do dinheiro) *, assim como, de consideração e respeito entre Seres Humanos. Muitos de nós sabemos, que um bónus financeiro acrescenta muito menos Valor a quem os recebe, que o reconhecimento genuíno de alguém, por aqueles que acompanham de perto a vida dessa Pessoa.                                                                                             (http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/o-valor-do-reconhecimento-nas-empresas/74698/)

Na minha vida pessoal e profissional sempre valorizei mais a dedicação e empenho em causas que considerei importantes, e que me valorizariam como Pessoa, do que aquelas que apenas acrescentavam dinheiro sem o valor que eu admitia que elas não acrescentavam.

O dinheiro não é, nem nunca será, um bom indicador para valorização de quem quer que seja. É a própria Pessoa a chave determinante do Valor que dá e que recebe. É esta dinâmica interativa de dar e receber genuínos que vai condicionar o desenvolvimento Pessoal e a criação do Valor de cada um.

O reconhecimento não deve ser considerado como um instrumento de valorização Pessoal. Se o considerarem como um instrumento ele perde muito do sentimento que deve ter para influenciar positivamente toda a dimensão que envolve a Pessoa valorizada. O Homem tem uma tendência nefasta para instrumentalizar atitudes e comportamentos, que acabam gerando invejas e arrogâncias. Estes dois sentimentos, que deveriam ser tendencialmente banidos do Ser Humano, acabam assim por se tornar endémicos com toda a instrumentalização que o Homem coloca em muito do que empreende.

Eu tenho a Felicidade de estar, constantemente, em estado de reconhecimento do Valor, em relação às Pessoas que me rodeiam, ou que eu tenho a sorte de estar no seu círculo de influência. Esta interação de relacionamentos positivos é muito benéfica na dimensão humana, quando genuína. O Valor intrínseco dos nossos actos e realizações é independente do reconhecimento que os demais possam dar instantaneamente. É importante que tenhamos consciência do Valor Humano daquilo que nos propomos fazer e que se pode tornar explícito para os demais.

Reconhecer e ser reconhecido pelo Valor intrínseco e explícito é um acto da maior importância para a Valorização do Ser Humano. Deve ser praticado com verdade, justiça, razão, sentimento e equilíbrio emocional, sempre que contribua para um acréscimo do Valor Humano.

dont-be-impressed

Alfredo Sá Almeida                                                                                      14 de Janeiro de 2017

Nota *: Por favor ler os textos iniciais para compreender esta afirmativa.