Está instituída a política do Medo!

Medo

Nos dias de hoje basta estarmos com atenção às notícias (vindas de todo o mundo), para nos apercebermos que o Medo é sistematicamente induzido nos Cidadãos.

Mas as notícias e o modo como são transmitidas é apenas uma parte do problema que, a meu ver, faz parte de uma estratégia política, que consciente ou inconscientemente está instituída para nos manter constantemente alerta, ou, com pavor de uma ameaça, de algo, de alguém, etc.

No caso das notícias, declarações, comunicações que envolvem acontecimentos indutores de medo, elas são transmitidas a cru, sem o respetivo complemento estatístico do conhecimento que já se possui de situações semelhantes. O fator dramático é acrescentado para dar mais enfase à problemática. O ouvinte, o leitor ou o telespectador têm de ficar devidamente ‘agarrados’ à notícia, porque a seguir vêm a publicidade.

Não admira que uma boa parcela da População tenha as suas atitudes e comportamentos condicionados pela instituição desta política. Vivemos numa realidade em que as pessoas estão constantemente amedrontadas.

Alguns exemplos de notícias, sobre:

  1. Actos terroristas;
  2. Violência doméstica;
  3. Casos de tráfico de drogas;
  4. Desaparecimentos misteriosos;
  5. Acidentes de todo o tipo;
  6. Casos de epidemias;
  7. Violência com armas praticadas por cidadãos tresloucados;
  8. Guerra entre Povos ou fações políticas;
  9. Teste com armas de destruição maciça;
  10. Alterações climáticas;
  11. Declarações políticas importantes;
  12. Discursos de muitos Políticos e Líderes mundiais;
  13. Etc.

Para complicar ainda mais este mega cenário, de todo o tipo de catástrofes, o Homem ainda ‘completa’ este conjunto com outros apêndices:

  1. Filmes de terror e violentos;
  2. Jogos violentos e viciantes;
  3. Atitudes e comportamentos de risco.

Imaginem todos estes acontecimentos a ‘despertarem’ a mente de uma criança ou um jovem, sem o devido acompanhamento educacional!

O grande problema é que tudo isto nos condiciona mentalmente e corrompe o modo de raciocinar sereno e clarificador em relação ao presente e ao futuro.

Sobre o medo

“O medo é uma sensação de alerta de extrema importância para a sobrevivência das espécies, principalmente para o ser humano.
Inconscientemente, as características físicas reproduzidas pelo sentimento de medo preparam o corpo para duas prováveis reações naturais: o confronto ou a fuga.” (https://www.significados.com.br/medo/)

“É também uma reação obtida a partir do contato com algum estímulo físico ou mental (interpretação, imaginação, crença) que gera uma resposta de alerta no organismo. Esta reação inicial dispara uma resposta fisiológica.

A resposta anterior ao medo é conhecida por ansiedade. Na ansiedade o indivíduo teme antecipadamente o encontro com a situação ou objeto que lhe possa causar algum mal. Sendo assim, é possível estabelecer uma escala de graus de medo, no qual, o máximo seria o pavor e, o mínimo, uma leve ansiedade.” Wikipédia.

Consequências do medo

Se o Medo em si é uma sensação desagradável, devemos ter em linha de conta as consequências de sistematicamente vivenciarmos situações que induzem medo.

Relembro aqui algumas frases ‘famosas’ relacionadas com as consequências do medo (https://www.pensador.com):

  • “Arrependimento é mais o medo das consequências do que remorso pelo que nós fizemos.” François La Rochefoucauld
  • “Não tenha medo de errar; e se errar, não tenha medo de enfrentar as consequências.” Hewil Llaugh
  • “O maior pecado é rejeitar algo por medo de sofrer. Consequências colhemos ao fazermos escolhas!” Samuel Ranner
  • “O meu maior medo é das consequências dos meus atos quando não mais existir medo em mim.” Harrison N. Brown
  • “A ausência do medo pode trazer consequências trágicas, ao passo que se bem empregada também pode levar a grandes vitórias.” Jorge Tolim

Bertrand Russell demonstrou maestria ao falar sobre a Tirania do Medo, in ‘A Última Oportunidade do Homem’ (http://www.citador.pt)

“O nosso mundo vive demasiado sob a tirania do medo e insistir em mostrar-lhe os perigos que o ameaçam só pode conduzi-lo à apatia da desesperança. O contrário é que é preciso: criar motivos racionais de esperança, razões positivas de viver. Precisamos mais de sentimentos afirmativos do que de negativos. Se os afirmativos tomarem toda a amplitude que justifique um exame estritamente objetivo da nossa situação, os negativos desagregar-se-ão, perdendo a sua razão de ser. Mas se insistirmos em demasia nos negativos, nunca sairemos do desespero.”

Este é um ponto fulcral das consequências, pois vivemos permanentemente na presença do medo e ignoramos o impacto que tem na saúde – O Impacto do Medo e Ansiedade No Corpo Humano“Viver sob ameaça constante enfraquece nosso sistema imunológico e pode causar danos cardiovasculares, problemas gastrointestinais, como úlceras e mais!” (https://www.indicedesaude.com/artigos_ver.php?id=4493)

Meus caros Leitores, se esta situação, por si só, não justificar mudanças significativas nos Paradigmas da nossa Sociedade, só mesmo situações catastróficas provocadas pela irracionalidade humana o conseguirão provocar! Será que as conseguiremos evitar?

Alfredo Sá Almeida                                                                                 11 de Março de 2018

 

Anúncios

One thought on “Está instituída a política do Medo!

  1. Pingback: Títulos dos textos publicados no Blog – ‘saalmeida’ – sobre Valor Humano – Valor Humano

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s