Por onde seguir? Futuro possível ou Futuro desejável?

encruzilhada

Esta é uma matéria sobre a qual deveria haver maiores consensos e maior empenho nas decisões que nos conduzem ao Futuro.

São duas atitudes distintas de liderança que exigem esforços diferentes. O grande problema está na forma como encaramos o Futuro e como nos conduzimos até ele. Depende muito da vontade e determinação de evitar o plausível e atingir o desejável com a maior adesão dos que nos acompanham na ‘caminhada’.

A meu ver, a maioria das lideranças de gestão contentam-se com o possível por falta de equipas capazes de construir um Futuro desejável para a Empresa. O mesmo se passa na Política dos Países. Quando as equipas governativas são coesas, competentes e bem focadas no cumprimento dos programas (e estes são ambiciosos), normalmente é atingido o desejável e a População sente-se satisfeita com os resultados. O mérito estará sempre na audácia que congrega adesão e dimensão realizável.

É evidente que a atitude desejável requer uma visão estratégica e um plano de execução que não se desfoque do essencial, sem perder a maleabilidade e a atenção para lá chegar.

A Humanidade está muito carente de um Futuro desejável, mas a indiferença, o egocentrismo e a distração é tanta que as Pessoas se perdem com facilidade, por falta de lideranças conhecedoras e competentes para não se desfocarem do essencial para chegar ao destino.

A Inteligência e Consciência Coletivas são boas conselheiras mas não suficientes. O domínio da Liderança é fundamental e a persuasão bem articulada uma necessidade.

Mais uma vez relembro que se torna essencial o Valor Humano, para cumprir com ética todos os propósitos do desejável.

Abandonemos o conformismo e o plausível e sejamos capazes de dar os saltos quânticos suficientes para chegarmos bem ao desejável, mas em Paz.

Alfredo Sá Almeida                                                                                       31 de Julho de 2018

Anúncios

Se não podes derrotá-los, …

beat-join

Segundo consta, esta frase – “Se não podes derrotá-los, junta-te a eles” – corresponde a um provérbio Americano.

Quantas vezes nós iniciamos batalhas que se transformam em guerras e finalmente numa obsessão da qual não sabemos sair. No momento presente, essas batalhas são essencialmente argumentativas, mas nem por isso deixam de se transformar em guerras obsessivas.

Houve até um autor Português – Filipe Homem Fonseca – que escreveu um livro intitulado “Se não podes juntar-te a eles, vence-os” (2013).

(https://www.wook.pt/livro/se-nao-podes-juntar-te-a-eles-vence-os-filipe-homem-fonseca/15081083)

Ou seja, não tem como escapar da obsessão. Faz-me lembrar as táticas utilizadas na guerra de Troia, com o célebre cavalo.

Vem isto a propósito da GUERRA comercial global que se avizinha dos USA com a China, com a União Europeia, com o Canada, com o México, etc. Era inevitável as respetivas retaliações dos Países e Organizações visadas.

Significa que o Homem é exímio na arte da guerra mas muito fraco e pouco inteligente na ARTE da Paz e da concórdia. Provavelmente, estará nos nossos genes essa característica dada a influência das sucessivas guerras em que o Homem se envolveu, sobretudo no último século.

Mas se observarmos com atenção e detalhe, essa anunciada guerra comercial global prende-se essencialmente com DINHEIRO. Pensando bem, até estou de acordo com as declarações de Christine Lagarde (Diretora-geral do FMI) quando afirma “Guerras comerciais são impossíveis de vencer”.

(http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/lagarde-guerras-comerciais-sao-impossiveis-de-vencer-281562)

Torna-se evidente que para evitar essa guerra os Líderes Globais deveriam trabalhar de forma construtiva para resolver os conflitos comerciais.

Por outro lado, ‘serão as Pessoas mais pobres que vão sofrer as consequências da guerra comercial global’ – Christine Lagarde.

(https://observador.pt/2018/05/31/serao-os-pobres-quem-mais-sofrera-com-uma-guerra-comercial-diz-fmi/)

Voltando à frase de entrada, “junta-te a eles …”, só pode querer dizer que tudo deve ser feito para construir uma Consciência Coletiva para evitar uma guerra. Mas é aqui que os Líderes Globais falham em toda a linha, talvez porque acabam reduzindo toda e qualquer negociação ao DINHEIRO. Aí, as conversações tornam-se tão virtuais e voláteis que perdem o foco principal que evita qualquer Guerra – a Paz e o bem-estar de todas as Populações de todos os Países.

A uma escala bem mais pequena, mas não menos importante, a guerra entre os Professores Portugueses e o Ministério da Educação de Portugal, enferma do mesmo problema – ‘nem os Dirigentes Sindicais nem o Governo’ estão focados em resolver os problemas sérios que a Educação em Portugal tem. Acabam reduzindo TUDO A DINHEIRO. Assim não se resolve nada.

Aliás, se forem satisfeitas todas as reivindicações dos Sindicatos (10 plataformas Sindicais para representar uma Profissão?) os problemas da Educação em Portugal não ficarão resolvidos, nem sequer a satisfação dos Professores e o seu bem-estar.

Imaginem agora o que aconteceria com as outras profissões, os Juízes, os Médicos, os Enfermeiros, etc. Ou seja, seria a insatisfação geral.

A meu ver, a Política está demasiado comprometida com o DINHEIRO e os Cidadãos acabam por ficar viciados nele. Senão vejamos, perguntem a um Professor do quadro: ‘se ganhasse o dobro estaria satisfeito e seria mais produtivo no seu trabalho?’. Penso que adivinharei a resposta – NÃO.

Enfim, o Homem continua obcecado com questões que não conduzem a nada de bom e desfocado dos verdadeiros problemas da Sociedade. Construir uma Consciência Coletiva torna-se fácil se for para perguntar: “Exigem ou não a recuperação de todo o tempo de serviço congelado?” (http://expresso.sapo.pt/revista-de-imprensa/2018-06-29-Sindicatos-lancam-referendo-aos-professores-exigem-ou-nao-a-recuperacao-de-todo-o-tempo-de-servico-congelado-#gs.Q5_NcaA). Quero ver construir uma Consciência Coletiva bem mais vasta e mais abrangente que entre, apenas, os elementos de uma Profissão. Gostaria de ver uma verdadeira convergência entre Professores, Pais dos Alunos, Alunos e Governantes por uma Educação com Futuro em Portugal. Essa sim seria a Consciência Coletiva digna de Seres inteligentes.

Não brinquem com a Inteligência dos Cidadãos! Todos nós sabemos que ‘Casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão’. Às Profissões superiores de um País (Professores, Juízes, Médicos, Enfermeiros, etc.) exige-se que tenham um maior contributo para a Cidadania, com maior Inteligência e Consciência Coletivas, caso contrário a Profissão perde Valor. Imaginem um Juiz a reivindicar aumento de salário e com atitudes e comportamentos de ‘Estivador’. Como querem que os Cidadãos mantenham o respeito que a Profissão merece? Como querem construir Consciência Coletiva ampla se não se derem ao respeito como Cidadãos?

Neste caso, os Dirigentes Sindicais são os maiores culpados de muitos processos reivindicativos. Não basta serem obsessivos com os desejos dos seus associados. Têm sobretudo de ser construtivos e responsáveis pela Consciência Coletiva da Profissão, que representam, integrada na Sociedade que a deve respeitar SEMPRE. Se a Sociedade perder o respeito pela Profissão em causa, o responsável é o Dirigente Sindical.

Pois bem, meus caros Leitores, eu preferiria que a frase de entrada fosse outra:

“Se não conseguires construir uma Consciência Coletiva, com os teus recursos, junta-te àqueles que tiverem melhores condições para o fazer”.

Alfredo Sá Almeida                                                                                       7 de Julho de 2018