A Consciência do Valor

Detalhes de pensamento ativo

A Consciência que vos vou falar é mais que o simples estado desperto do nosso dia-a-dia. É ‘matéria’ abordada, debatida e explicada por diferentes disciplinas do saber: Neurociências, Psicologia, Filosofia, Ciências da Vida, etc. É uma multidimensão do Homem na sua interação vital em Sociedade.

Estamos a falar de uma aptidão exclusiva do Ser Humano, na sua dimensão mais nobre e superior, capaz de nos conduzir ao esclarecimento de fenómenos complexos e ao Futuro provável, dada a capacidade de inter-relação disciplinar, multidimensional, de foco e concentração que a nossa mente é capaz.

É a capacidade de construir níveis mais elevados de integração do conhecimento, das crenças, das sensações, das percepções e dos sentimentos na nossa mente, apesar de possuirmos uma dimensão inconsciente. Esta característica plural torna-nos únicos entre biliões de Seres. Por outro lado, esta nossa Consciência além de tornar, cada um de nós, em Seres únicos, transforma-nos em Seres Superiores. Mas saberemos nós usar essa nossa capacidade superior em prol do bem comum?

No entanto, cada EU único tem ainda a capacidade de agregar a dimensão do coletivo e contribuir para uma Consciência Coletiva, igualmente multifacetada.

É aqui, que os Valores intrínsecos do Ser Humano (Valores Humanos) entram para nos ajudar a tornar coerente e digna da nossa espécie, esta nova dimensão do Coletivo.

Apesar desta dimensão da Consciência, o Homem (dadas as circunstâncias que o envolvem) ainda é impelido a fazer, executar, realizar algo diferente que não está inteiramente de acordo com a sua consciência. Ou seja, o ‘ritmo’ da Sociedade tem uma influência mais ou menos nefasta sobre a consciência do indivíduo. O Indivíduo e a Sociedade nem sempre estão em harmonia. A ética ajuda-nos a equilibrar esta nossa multidimensão. Para tal temos de nos ‘desligar’ dos interesses pessoais para nos focarmos nos do bem comum.

“When the wrong man uses the right means, the right means works in the wrong way”“Quando o homem errado usa os meios certos, os meios certos funcionam da maneira errada” – Antigo Provérbio Chinês (mencionado por Alan Watts num vídeo em que nos ‘fala sobre o que está  errado no mundo’https://www.youtube.com/watch?v=ua_GATO13fc).

A Educação, é o universo do saber que nos transforma em Seres capazes e socialmente hábeis em resolver a complexidade do mundo Global.

O Homem, mesmo sabendo que pode dar errado (ou, que tem a probabilidade de dar errado) é capaz de arriscar a vida, a reputação, o Futuro da Sociedade, para executar (muitas vezes ‘sem pestanejar’) algo que está desajustado do bem  comum.

carl_jung_quanto_maior_for_a_carga_da_consciencia_colet_l25rgpw

Quantas e quantas vezes o tempo, o dinheiro, a ignorância, as influências negativas (indiferença, arrogância, etc.), os interesses pessoais e/ou a falta de ética, contribuem para prejudicar decisivamente o funcionamento harmonioso da Sociedade Global.

“Eu não sou o que aconteceu comigo, eu sou o que eu optei por me tornar” – Carl Jung.

Queremos sempre mais e melhor, sobretudo, das ‘substâncias’ mais efémeras, para consolidar um Futuro sem Valor nem dignidade. Desprezamos a inovação no perene e equilibrado para nos deleitarmos com o imediato volátil e o prazer de uma auto-satisfação vazia de sentido de Valor. Quando aprenderemos, que a Humanidade é o Valor maior que deveríamos preservar, acarinhar, valorizar, desenvolver, porque é nela que está o nosso Futuro!

alan_maiccon_cada_pessoa_tem_uma_expressao_consciente_d_lp0vwoq

Quando seremos capazes de dar Valor a um EU que está bem focado e preparado para um NÓS superior e digno de Seres Humanos?

Alfredo Sá Almeida.                                                                              15 de Maio de 2020

Caminho longo e difícil!

Quem o pretende percorrer?

duplo-caminho

Hoje, numa noite de pandemia, dei comigo a refletir sobre as utopias(?) que escrevo relacionadas com o Valor Humano, uma mudança sustentada do Paradigma da Sociedade Global, a transformação do Homem em Ser Humano, a difusão generalizada/globalizada do Humanismo e dos Valores Humanos.

Ah! Como eu gostaria que o Mundo pudesse abandonar a violência e relegá-la para o esquecimento! E, se a Paz fosse uma constante dinâmica da Vida, como seria o Futuro da Humanidade?

Ah! Mas será possível, algum dia, o Homem conseguir reduzir os seus vícios a uma ínfima expressão? Ah! Como eu gostaria de viver 300 anos de uma vida plena a desbravar o conhecimento, a consciência e o Valor Humano! Mas eu acabei de renascer para a Filosofia, ‘só sei que nada sei’! Como poderei percorrer um caminho tão longo e difícil? Só se for pela aprendizagem constante ao longo da Vida!

Ah! E o dinheiro? Esse elemento vil da Sociedade que escraviza todo o mundo! Será alguma vez possível substituí-lo pelo Valor Humano? Mas então, não serão as atitudes e comportamentos Humanos, desviantes e tóxicos, os destruidores da Consciência Coletiva e do Bem Comum da Sociedade Global?

Não, não me esqueci da Educação! Gostaria que a prática fosse bem distinta da atual! Toda Pública e de muita qualidade para TODOS, onde a Vida, o Valor, a Biodiversidade, a sustentabilidade da Biosfera fosse bem integrada na consciência Humana e o relacionamento em Sociedade fosse saudável e construtivo. Onde a Liberdade contribuísse para a construção do Bem Comum.

E, o Poder? Ah! Esse deverá ser democrático, sempre! O mais possível participativo e com consciência de Cidadãos do Mundo. E, conseguir persuadir as Pessoas por este caminho?

Pois bem, eu gostaria de conseguir transformar o Mundo de modo a TUDO isto poder acontecer, e, ser possível vivermos condignamente nesta dimensão dinâmica e vasta como o Universo.

Caminho difícil este, que escolhi por sentimento e vontade! E longo, também!

Mas enquanto a minha mente o conseguir percorrer eu vou percorrê-lo! Poderei, eventualmente, tropeçar nalguma ‘pedra’, mas espero não me ‘aleijar’ na queda. Quero percorrê-lo porque vale a pena! Porque o resultado seria um Mundo MELHOR para TODOS. Será que terei quem me queira acompanhar? Não importa a quantidade, mas a Qualidade de quem me acompanha. Uma Qualidade capaz de congregar outras mentes num Futuro Coletivo digno da nossa espécie.

Como conseguir integrar na mente do Homem um ‘gene’, um conectoma, uma ‘alma’ sonhadora com um Futuro de uma prosperidade que satisfaça toda a Biodiversidade? Onde cada EU acredita nas suas capacidades para construir um Valor que estará bem integrado na Sociedade Global.

Nos dias que correm, quase ninguém quer percorrer caminhos difíceis, preferem caminhos ‘limpos’, bem traçados, matematicamente delineados, virtuais se possível. Na atual realidade, a normalidade tem muitos adeptos, tem muitos seguidores, querem todos um AGORA expressivo e lucrativo. No pós-pandemia, todo o mundo quer recuperar o contacto Humano, mas não para mudar o sistema, o paradigma que escraviza o Homem à condição de ‘robot’ de uma Sociedade vazia de Futuro. O contacto Humano é apenas considerado um ‘escape’ temporário da condição de ‘robot’. O Amor é banalizado e não pleno, nem incondicional. ENFIM UM MUNDO CHATO E TRISTE! Onde todo o mundo reclama, se deprime e se ‘funde’ numa amálgama estéril!

Quero ser um Explicador de Valores Humanos e da Filosofia Humanista projetada no Futuro da Humanidade.

Quero viver muito e bem, com muito Amor, onde as Pessoas sejam dignas da sua condição de Ser Humano.

antoine_de_saint_sao_os_caminhos_invisiveis_do_amor_que_lkr8r3n

Quero poder dizer, como John Forbes Nash Jr. (Prémio Nobel de Ciências Económicas de 1994) no discurso ao aceitar o seu Prémio Nobel – “É somente nas misteriosas equações do amor que qualquer lógica ou razão pode ser encontrada”, dirigindo o olhar a sua mulher Alicia“Você é a razão de eu estar aqui hoje, você é a razão de eu existir, você é todas as minhas razões.” (*)

Alfredo Sá Almeida                                                                                9 de Maio de 2020

(*) Observação: Dedico este texto à minha querida Companheira de percurso vital, Angela Maria Figueiredo Alem.

Vírus vs Liberdade

Um vírus que nos está a obrigar a refletir sobre o conceito de Liberdade.

Esta pandemia de covid-19 desencadeou um conjunto de ações de saúde pública que nos obrigou a ‘confinar’ (encerrar ou encerrar-se dentro de certos limites) o atual conceito Liberdade.

O confinamento em casa provocou alterações significativas na vida das Pessoas. Acabaram (temporariamente): os cumprimentos físicos (aperto de mão; beijo; abraço; etc.), os convívios com muitas Pessoas, os espetáculos artísticos e desportivos, as visitas a familiares e muitas outras exaltações sociais, típicas de um são convívio em Sociedade. Obriga-nos a usar mais uma peça de vestuário – a máscara (1). Por outro lado, permitiu que os transportes públicos não transportem Passageiros como ‘sardinhas em lata’, o que evita muito stress. Enfim, um conjunto de situações que limitam a nossa Liberdade diária de ‘movimentos’ de cariz social. Uma nova EVIDÊNCIA SOCIAL.

Muitos questionam se deveríamos ceder em tantas limitações à Liberdade, por uma questão de saúde pública? A resposta parece-me EVIDENTESem Vida saudável não existe a Liberdade que gostamos de ter!

A Liberdade e a Vida estão indissociavelmente ligadas!

Por esse facto aceitamos tranquila, racional e temporariamente as referidas limitações. Mas é neste intervalo temporal que o conceito de Liberdade, tão fundamental para todos Nós, deverá ser objecto de uma boa reflexão.

Vejamos, uma vantagem importante que este fenómeno pandémico tem, está relacionado com um aumento do dever de Consciência Coletiva Global. Compreendemos bem que este esforço nos ajudará a TODOS a sobreviver saudavelmente e a reganhar a nossa Liberdade. Mas existe outra vantagem, o provável aumento de Valores Humanos importantes à Vida em Sociedade: a Empatia, a Solidariedade, a Compaixão, o Altruísmo, etc. Exemplos da prática destes Valores Humanos sobressaem naturalmente desta crise pandémica, por TODO O MUNDO. Estamos a revelar-nos como Seres Humanos de Valor a nível Global.

Este facto pode parecer pouco importante para algumas Pessoas, mas revelar-se-á fundamental no Futuro na Sociedade Global. Infelizmente ainda existem muitas que não querem saber destes ‘pormaiores’  para nada. Pretendem apenas voltar à normalidade anterior e a poderem usufruir da sua Liberdade sem limites.

Mas será que existe Liberdade sem limites? Será que cada um de Nós pode fazer o que quiser sem uma preocupação com o Outro? A Vida saudável em Sociedade diz-nos que NÃO!

É neste momento que o conceito de Liberdade, que se encontra em vigor pelas várias Sociedades isoladamente, deve começar a ser ajustado à realidade do Futuro da Sociedade a nível Global.

Quanta iniquidade entre Países, Pessoas, Instituições, conceitos Educacionais e Vivências! Por quê e para quê? O que nos conduz a ‘produzir’ tanta pobreza, tristeza, escravidão, violência, etc. por esse Mundo afora? Chamamos a isto LIBERDADE?

O que para nós é mais importante? Uma Liberdade para aumentarmos os nossos conhecimentos, as nossas convivências saudáveis, a nossa vida desejada em Sociedade? Ou, possuirmos uma Vida desregrada que nos faz mal à saúde física e mental?

Queremos dominar TUDO e TODOS pelo nosso conceito de Liberdade? Queremos convencer quem? Queremos que o nosso conceito de Liberdade seja tão amplo que possa albergar instantaneamente a iniquidade existente? Nem uma ganância, arrogância e prepotência desmedidas conseguem explicar tanta enormidade. Lembrem-se que a Liberdade e a Vida estão indissociavelmente ligadas.

Continuamos a não desenvolver globalmente uma Educação em Valores Humanos, que nos ajudaria significativamente a integrar o conceito Liberdade nos outros Valores, que tanto necessitamos como espécie inteligente com tendências Globais e a um Futuro Coletivo digno de Seres Humanos.

Vamos querer voltar à NORMALIDADE?

Alfredo Sá Almeida                                                                                4 de Maio de 2020

Nota (1): ‘A máscara’ – Os meus caros Leitores estão seguramente lembrados dos tempos em que na Europa Ocidental e outros Países por esse mundo fora, proibiram o uso de burka e véu Islâmico por questões muito preconceituosas. Pois bem, agora que têm (por obrigação) usar o rosto tapado com uma máscara cirúrgica, espero que não se sintam frustrados por eventualmente terem ‘embarcado’, com a vossa Liberdade, nos argumentos preconceituosos do passado. 

O Valor Humano não é um Valor abstrato!

A Economia atual transforma-o em abstrato!

WorldPopulationDay2018

Muitos conceitos científicos evoluem com o tempo e o desenvolvimento Humano. Esta pandemia está a demonstrar-nos que chegou a altura dos conceitos, que suportam a Economia atual, evoluírem para a inclusão da vida do Ser Humano neste Planeta.

O facto de alguns autores considerarem os Valores Humanos como abstratos e os objetos, uma instituição, uma empresa, uma nação, um clube, etc. como concretos, não nos deveria levar a menosprezar os Valores intrínsecos do Homem.

A Economia como ciência que estuda e valoriza os produtos, os processos de produção, distribuição, acumulação, consumo de bens materiais e dos respetivos mercados tornou-se obsoleta pela exclusão da Vida, da sua sustentabilidade, da relação com as questões ecológicas e ambientais e pela exclusão do bem supremo, o bem comum à Vida em sociedade.

A Vida Humana com Valor deveria ser a dimensão científica em consideração para transformar TODA a prática da Economia em conciliação com a existência do Ser Humano na nossa Biosfera. Assim sendo, a filosofia Humanista seria o fundamento básico que daria ‘corpo’ ao Ser Humano, à Vida e ao Valor.

Avaliar o Valor Humano deveria constituir uma prática saudável e ética para transformar a Economia numa ‘ferramenta’ ao serviço da Humanidade. O desenvolvimento Humano sustentável seria o objetivo primordial, onde uma Educação Pública de qualidade contribuiria para a construção do nosso Ser. A Nós caberia a nobre tarefa de desenvolver, constantemente, o maior Valor possível com os elementos base ministrados e o ‘engenho’ da nossa mente, para dar Valor ao Futuro do Homem.

Haja coragem, inteligência e consciência coletivas e motivação para construir os alicerces deste novo conceito.

Alfredo Sá Almeida.                                                                                         1 de Maio de 2020