Os erros de percurso de hoje serão os desastres do futuro

Este título é uma evidência preocupante, sobretudo para quem é incapaz de aprender com os erros e de construir melhores soluções para o Futuro da Humanidade.

Nas últimas décadas da sua vida o Homem tem seguido imensos percursos, numa ânsia de encontrar um Futuro que se ajuste à sua espécie. Mas infelizmente está a fazê-lo de modo ‘desnorteado’ e ele próprio acaba não sabendo a que caminhos vai conduzir a Humanidade. Mesmo quando sabe, com um grau elevado de probabilidade a que fim poderá conduzir, prefere ignorar o conhecimento das realidades factuais para se refugiar numa criatividade destruidora.

Estes são erros que o Homem pagará muito caro num Futuro próximo. O Homem encontra-se num percurso em direção ao abismo, mas como tem uma obsessão de realizar ‘skydiving’ ou voar usando um ‘wingsuit‘ não está preocupado com o resultado.

Vamos dedicar-nos, um pouco, às realidades factuais:

RF 1https://hypescience.com/humanos-sao-001-da-vida-no-planeta-mas-ja-destruimos-83-dos-mamiferos-selvagens/

RF 2https://www.weforum.org/agenda/2018/05/depression-prevents-many-of-us-from-leading-healthy-and-productive-lives-being-the-no-1-cause-of-ill-health-and-disability-worldwide/

RF 3https://mood.sapo.pt/adicao-digital-estudo-comprova-ligacao-entre-uso-excessivo-de-dispositivos-digitais-e-depressao/
RF 4http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/ambiente-como-as-alteracoes-climaticas-transformam-a-economia-2-299486

E podíamos continuar com muitas outras tristes realidades factuais. O grande problema destas tristes realidades é que produzem muito desespero, muita depressão, muito medo do Futuro, muito stress, muita ansiedade, que acaba destruindo presentemente e psicologicamente as vidas de muitas Pessoas. Os decisores Humanos, Líderes mundiais, Políticos e Financeiros, de todos os quadrantes, possuem a grande responsabilidade por estes percursos desastrosos. No entanto, demonstram ser incapazes de produzir mudanças de fundo e de Paradigmas, conduzindo muitos de nós para o abismo (mesmo não estando nós preparados para fazer ‘wingsuit flying’).

Em 2014, no meu livro “Despertar para o Futuro”, tive a oportunidade de escrever um texto, intitulado “A Negligência e o Futuro da Humanidade”, de alerta para a mudança de rumo.

Escrevi então: “O Homem começa a ter conhecimento científico comprovado de que determinados eventos, profundamente negativos em certos momentos da sua vida (como o stress, alimentação deficiente, vícios, abusos de vária ordem, etc.), têm influência nos genes que são transmitidos às gerações seguintes. A ponto de os seus filhos e netos virem a sofrer de doenças e dos mesmos sintomas dos seus Pais e Avós, sem terem sido expostos a esses eventos que provocaram essas ‘alterações’ genéticas [estou a falar da EPIGENÉTICA]. “A Epigenética representa a tua vontade consciente de mudar o teu Futuro escrito”. – Carlos Martorell.

Este é o momento para mudar e começar a preparar o nosso Futuro Coletivo, reganharmos Valores Humanos e transformarmo-nos em verdadeiros Seres Humanos.

Não costumo ser alarmista, mas se não mudarmos as nossas atitudes e comportamentos, não auguro nada de bom para a Humanidade e para o nosso Planeta, num Futuro não muito distante.

Homens com espírito bélico, predador, agressivo, prepotente e dominador são comportamentos que deveriam ser banidos dos ‘hábitos’ dos Homens que se dizem Humanos. Se não o fizermos, consciente e corretamente, seremos acusados de negligência grosseira no Futuro. Ou então, teremos de nos conformar com as mudanças que acontecerão fora do nosso controlo, provocadas por esses homens subvertidos.

E não me venham dizer que esses comportamentos desviantes são necessários à sobrevivência!

Poderemos vir a ser processados pelos nossos Filhos e Netos por essa triste negligência.

Se nos apelidamos de Homens inteligentes e racionais temos de ser muito mais conclusivos, conscientes e verdadeiros, dado o conhecimento desta nova realidade alarmante.

A nossa consciência não terá descanso no Futuro, sabendo o que poderíamos ter evitado às gerações vindouras e nada fizemos, por comodismo, desinteresse, arrogância, prepotência e NEGLIGÊNCIA PURA.

Será que pretendemos desenvolver um Futuro de dependentes de TUDO, viciados em tudo o que não presta para o Homem, mesmo tendo a capacidade (inteligência) de mudar o rumo dos acontecimentos?

Será você também um NEGLIGENTE real ou potencial?

Acredito, pela positiva, que se nos tornarmos mais empáticos, solidários e interventores assertivos na Sociedade, imbuídos de Valores Humanos consolidados, os nossos genes poderão sofrer ‘alterações’ positivas e por consequência, as gerações futuras se beneficiarão dessas boas influências.

O mesmo se passa com as mudanças que temos de produzir no nosso estilo de vida atual, pleno de stress e de ansiedade, onde as Pessoas se sentem pressionadas a toda a hora, por todos os motivos do dia-a-dia.

Todas as melhorias contínuas, de atitudes e comportamentos, que conseguirmos resgatar para o Ser Humano, corrigindo vícios e maus hábitos, terão seguramente boas influências a longo prazo.

Cabe-nos decidir o nosso Futuro individual e coletivo, e, nesta decisão o fator EDUCAÇÃO tem um peso enorme no Futuro. Muitos de nós sabem o que deverá ser realizado para passarmos a ter uma Educação de qualidade para TODOS. Resta sabermos transmitir e sensibilizar a TODOS (incluindo os Governantes) para esta tarefa ciclópica e, em simultâneo, aliciante e motivadora, capaz de mobilizar e transformar uma Sociedade inteira.

Muito se tem falado do Amor ao próximo, por vezes de uma maneira leviana e superficial. Esta é a altura de demonstrarmos o que o verdadeiro AMOR pode fazer pelo resgate do Ser Humano que está ‘adormecido’ dentro de muitos de nós.” – Alfredo Sá Almeida.

Já tivemos tempo para aprender com os nossos erros e de nos colocarmos de acordo com melhores rumos a seguir para o Futuro. Caso não o façamos estamos a ser coniventes com os decisores do rumo ao abismo.

No passado recente surgiu um vídeo produzido por Nick Foster (2016) – líder do departamento Google X – que nos alerta para o facto de as nossas decisões poderem vir a ser ‘manipuladas’, como utilizadores das redes sociais e internet.

RF 5https://tek.sapo.pt/multimedia/artigos/sera-possivel-manipular-as-decisoes-dos-humanos-atraves-da-informacao-e-conduzi-las-para-um-bem-maior#_swa_cname=tek_share&_swa_cmedium=web&_swa_csource=facebook&utm_source=facebook&utm_medium=web&utm_campaign=tek_share

Recomendo a visualização atenta do vídeo (https://www.youtube.com/watch?v=iqUCX5rPQug) mencionado neste artigo. “THE SELFISH LEDGER” ou “A RAZÃO EGOÍSTA” é um documento importante para a nossa Consciência Coletiva. Segundo o autor do artigo em questão “O conceito parece retirado de uma distopia orwelliana, mexendo com as questões da privacidade das pessoas. No entanto, não se trata de nenhum produto, tampouco existem planos para tal tecnologia. Segundo declarações da Google ao Business Insider, o vídeo foi produzido exatamente com o objetivo de ser provocativo, alimentado por uma técnica conhecida como “design especulativo” para explorar ideias menos confortáveis e provocar a discussão e o debate.”

Toda esta realidade é muito preocupante, mesmo sem adicionarmos outros temas como Inteligência Artificial, Robôs Humanoides, Realidade Virtual, Realidade Aumentada, etc. O mal não está nestas tecnologias, mas nos ‘desvios aberrantes’ que o Homem ganancioso e prepotente lhes poderá dar para manter indevidamente um Poder que não merece e que não possui Valor Humano.

Realidade Virtual4

Já nos basta o drama das drogas e dos vícios humanos para destruir a Humanidade. Se acrescentarmos os ‘desvios aberrantes’ da tecnologia, então o Ser Humano será erradicado de vez da face do Planeta.

A meu ver existem razões mais que suficientes para eu continuar a defender o Paradigma do Valor Humano e a difusão generalizada dos Valores Humanos na Educação.

Alfredo Sá Almeida                                                                                 23 de Maio de 2018

Anúncios

A distorção de Valores Humanos

Valores errados

Muitos de nós nos admiramos do atual estado de relacionamento em sociedade. Sobretudo aqueles, como eu, que possuem Valores Humanos e os praticam com a naturalidade de um Ser Humano.

Não é só a ausência de Valores, ou a adesão a antivalores que conduzem a sociedade a uma desumanização. A Humanidade está doente porque são poucos a transmitir estruturadamente os Valores Humanos aos demais. Sobretudo na fase inicial da vida das crianças e dos jovens e na sua integração em sociedade.

A desumanização também é consequência de uma distorção dos Valores Humanos por ignorância, indiferença, negligência ou propósito desviante, daqueles que tudo fazem para atingir determinados objetivos sem olhar a meios.

O preconceito, a inveja, a arrogância, a ignorância e outras tantas características negativas da personalidade e do caráter das Pessoas conduzem normalmente a distorções nefastas para o bem-estar da sociedade.

Por outro lado, muitos detêm um poder que não se coaduna com o baixo Valor que possuem. Quando esse poder desproporcionado lhes ‘sobe à cabeça’ acaba distorcendo o sentido da vida da Humanidade, com atitudes e comportamentos típicos de uma falta de educação e de Valores Humanos.

Outros consideram que distorcer os Valores da Humanidade é uma atitude criativa, como se essa criatividade estivesse imbuída de Valor Coletivo.

Enfim, a permissividade excessiva também é resultado de uma tolerância elevada. Na vida do Homem não vale tudo. A Humanidade tem Valores que devem ser compreendidos, considerados e respeitados sob pena de nos perdermos como Seres Humanos.

Alfredo Sá Almeida 17 de Maio de 2018

A importância da Cidadania Global

 

De acordo com o relatório da ONU-Habitat (https://news.un.org/pt/story/2016/05/1551541-dois-tercos-da-populacao-mundial-devem-viver-em-cidades-ate-2030) em 2030 dois terços da população mundial viverá em Cidades e Megacidades.

Se tivermos em linha de conta que em 2050 haverá cerca de 10 biliões de habitantes, neste nosso planeta, em que mais de 70% viverão em Cidades e Megacidades (https://www.unric.org/pt/actualidade/31537-relatorio-da-onu-mostra-populacao-mundial-cada-vez-mais-urbanizada-mais-de-metade-vive-em-zonas-urbanizadas-ao-que-se-podem-juntar-25-mil-milhoes-em-2050), facilmente compreenderão a necessidade imperiosa de uma Educação em Valores Humanos e em Cidadania Global.

A questão fulcral, segundo os especialistas, prende-se com o facto de “a urbanização fornecer a maior oportunidade para alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável” (https://news.un.org/pt/story/2016/05/1551541-dois-tercos-da-populacao-mundial-devem-viver-em-cidades-ate-2030).

Assim sendo, os Valores Humanos – Cidadania, Solidariedade, Empatia, Altruísmo, Civismo, Educação Humanista, Ética, etc. – são e serão fundamentais para um bom relacionamento em Sociedade.

Por outro lado, como os problemas de vivência e gestão nas Cidades e Megacidades, ao redor do mundo, serão muito semelhantes (independentemente da raça, cultura, religião, condição económica, etc. dos seus habitantes), cada vez fará mais sentido que os Cidadãos possuam uma formação em Cidadania Global para facilmente identificarem e encontrarem soluções para os problemas emergentes.

Em 2030, segundo as Nações Unidas (United Nations’ World Urbanization Prospects – 2014), este será o top 10 das Megacidades (284,4 milhões de habitantes = 3,3% da População Mundial [8,6 Biliões de Pessoas]) (https://www.weforum.org/agenda/2017/06/these-will-be-the-worlds-10-biggest-cities-in-2030) e (http://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2017-06/onu-diz-que-populacao-mundial-chegara-86-bilhoes-de-pessoas-em-2030):

• 10. Mexico City, Mexico: 23,9 milhões de pessoas
• 9. Lagos, Nigeria: 24,2 milhões de pessoas
• 8. Cairo, Egypt: 24,5 milhões de pessoas
• 7. Karachi, Pakistan: 24,8 milhões de pessoas
• 6. Dhaka, Bangladesh: 27,4 milhões de pessoas
• 5. Beijing, China: 27,7 milhões de pessoas
• 4. Mumbai, India: 27,8 milhões de pessoas
• 3. Shanghai, China: 30,8 milhões de pessoas
• 2. Delhi, India: 36,1 milhões de pessoas
• 1. Tokyo, Japan: 37,2 milhões de pessoas

O Mundo requer Pessoas conscientes, individual e coletivamente, capazes de contribuir para um melhor relacionamento em Sociedade, mas também para uma Cidadania ativa e positiva. A Inteligência Coletiva tornar-se-á essencial para construir um Futuro Coletivo e a Sustentabilidade da Biosfera (https://saalmeida.wordpress.com/2017/11/16/inteligencia-e-consciencia-de-futuro-coletivo/). A compreensão e resolução dos problemas globais e da sustentabilidade da Biosfera estão dependentes da Cidadania Global e de uma criatividade social sustentável.

Penso que estas previsões realistas que transmiti, sendo factos, dão corpo aos argumentos que defendo, onde a “Educação deverá ser obrigatória para todas as crianças e jovens até aos 20 anos de idade, onde a sua formação deverá estar alicerçada nos Valores Humanos e em conhecimentos nucleares fundamentais sobre o Homem, a Sociedade e a Biosfera. Todas as matérias de conhecimento serão transmitidas de forma a mostrar aos aprendizes que tudo nesta vida está interligado, integrado, onde o Homem tem a responsabilidade de promover e praticar uma sustentabilidade de Vida em equilíbrio com a Biosfera.” (https://saalmeida.wordpress.com/2015/04/16/caracteristicas-de-uma-sociedade-baseada-no-valor-humano/)

Alfredo Sá Almeida                                                                                        9 de Maio de 2018

Direitos e Deveres – Rights and Duties

direitos-deveres-cidadao

“Entre os Direitos e os Deveres de qualquer um de nós Cidadãos, estão os Valores Humanos que permitem cumprir os Deveres com naturalidade dando sentido e dimensão aos Direitos concedidos.”

“Among the Rights and Duties of any of us Citizens, are the Human Values that allow us to fulfil naturally the Duties giving meaning and dimension to the granted Rights.”

Alfredo Sá Almeida                                                                                      1 de Maio de 2018

Estará a Humanidade perdida?

Humanity

Penso que todos estaremos de acordo se dissermos que o Homem se encontra na fase de infância, considerando a sua evolução, desde há cerca de 200.000 anos, neste nosso Planeta que nasceu vai para 4,5 bilhões de anos.

Considerando que o planeta Terra ainda terá cerca de 4 a 5 bilhões de anos de vida (onde as condições de habitabilidade da Terra estão garantidas por mais cerca de 1,75 bilhão de anos), para depois ser consumido pelo sol em ‘agonia’, significa que o Homem terá tempo mais que suficiente para se transformar em Ser Humano e desenvolver a Educação da Humanidade.

Como toda e qualquer criança que acaba de nascer, uma boa alimentação, amor e carinho q.b., muitos cuidados e atenção, seguidos de uma Educação de qualidade para um bom desenvolvimento, são os pontos-chave para se transformar num adulto com Inteligência, Consciência, Personalidade e Caráter de um Ser Humano, dando assim continuidade à Humanidade.

Perante este cenário, sei que não tem sido isto que o Homem tem realizado até ao presente!

O historiador, cientista político e pensador Achille-Mbembé afirma, com segurança, que “A era do humanismo está terminando” (https://www.revistaprosaversoearte.com/achille-mbembe-era-do-humanismo-esta-terminando/). “Outro longo e mortal jogo começou. O principal choque da primeira metade do século XXI não será entre religiões ou civilizações. Será entre a democracia liberal e o capitalismo neoliberal, entre o governo das finanças e o governo do povo, entre o humanismo e o niilismo”, escreve Achille Mbembe. E faz um alerta: “A crescente bifurcação entre a democracia e o capital é a nova ameaça para a civilização”.

Mas, infelizmente, não ficamos por aqui! O neurocientista António Damásio advertiu que é necessário “educar massivamente as pessoas para que aceitem os outros”, porque “se não houver educação massiva, os seres humanos vão matar-se uns aos outros” (https://www.revistaprosaversoearte.com/sem-educacao-os-homens-vao-matar-se-uns-aos-outros-diz-neurocientista-antonio-damasio/).

Mas os Homens já se estão a matar uns aos outros há muitos séculos! Presentemente, as atitudes Humanas refinaram e matamo-nos indiretamente com o desleixo de atitudes e comportamentos. David Attenborough lembra-nos que é chegado o tempo de “It’s time we humans came to our senses” (https://www.newscientist.com/article/2165330-david-attenborough-its-time-we-humans-came-to-our-senses/).

Mas, será que vamos assumir uma postura de maior responsabilidade, com uma Consciência Coletiva que nos ajude a superar tantos erros?

Com os atuais líderes políticos e financeiros mundiais afigura-se uma tarefa bem difícil de superar!

A meu ver uma Cidadania Global imbuída de Valores Humanos ajudará na árdua missão de não permitirmos que o Humanismo morra, de nenhuma forma. A Cidadania Global tem a ver com Valores e Responsabilidades partilhadas.

Recomendo aos meus Leitores um estudo sobre este tema, pois revela-se da maior importância para a Humanidade. Há imensos artigos e textos sobre este assunto na internet. Recomendo para iniciar, estes dois:

  • “What is global citizenship?”
(https://www.weforum.org/agenda/2017/11/what-is-global-citizenship/)

“Por que a cidadania global importa?

Os cidadãos globais não nascem; Eles são criados. As crianças não têm uma compreensão inata da sua partilha humanidade; aprendem isto ao longo do tempo. A importância da educação e a habilitação das perspetivas globais não suavizadas.

Historicamente, a cidadania global estava enraizada em um desejo comum de evitar a guerra. Raciocínio comum foi que quanto mais sabíamos um do outro, mais provável seria garantir a paz, o progresso e a prosperidade. Mais recentemente, o projeto genoma humano nos mostrou — pela primeira vez na história humana — que cientificamente, Somos todos um.” (https://www.weforum.org/agenda/2017/11/what-is-global-citizenship/)

Human technology

(https://www.weforum.org/agenda/2018/01/it-s-time-to-bring-our-planet-back-from-the-brink-together-now/)

Se realmente nos importarmos uns pelos outros como Cidadãos Globais, partilhando os nossos Valores e contribuindo decisivamente para o desenvolvimento Humano, a era do Humanismo renascerá com mais força e o Homem transformar-se-á em Ser Humano.

Alfredo Sá Almeida                                                                                 25 de Abril de 2018

A ambição pode destruir o Valor Humano

frases-devido-a-sua-ambicao-e-egoismo-o-homem-faz-da-su-textos-budistas-8344

“A Ambição parece sempre começar onde devia acabar” Emanuel Wertheimer

“Ser ambicioso nada mais é que um desejo forte de conquistar algo, seja financeiramente, politicamente, uma posição melhor no trabalho ou um estilo de vida de acordo com seus ideais.”Renato Mesquita (https://saiadolugar.com.br/ser-ambicioso-e-bom-ou-ruim/)

A meu ver, não é bem assim que encaro a Ambição. Para mim é um sentimento de duas faces. Contém uma dimensão de Valor e outra de Antivalor. Só a própria Pessoa poderá ter consciência da verdadeira dimensão da sua ambição. Mas se os objetivos forem explícitos e positivos tornar-se-á mais fácil uma adesão coletiva a esses propósitos.

Vejamos as faces da Ambição:

  • “Há riqueza bastante no mundo para as necessidades do Homem, mas não para a sua Ambição”Mahatma Gandhi
  • “A Ambição é uma paixão tão imperiosa no coração Humano, que, mesmo que galguemos as mais elevadas posições, nunca nos sentiremos satisfeitos”Nicolau Maquiavel

Outro problema com a Ambição Humana prende-se com a irreversibilidade de atitudes e comportamentos:

  • “Passamos muitas vezes do Amor à Ambição, mas nunca regressamos da Ambição ao Amor”François de La Rochefoucauld

Mas o Valor Humano tem como propósito o Bem-comum. Essa é a dimensão coletiva e positiva da Ambição.

“Qualquer ambição individual ganha força quando alinhada a outras por meio de um propósito comum, tornando-se uma ambição coletiva para alcançar e sustentar uma visão que beneficiará todos. A união entre diferentes atores em prol de um objetivo comum não é um conceito novo.”Bruno Schwartz [‘A força da Ambição Coletiva’] (https://pt.linkedin.com/pulse/for%C3%A7a-da-ambi%C3%A7%C3%A3o-coletiva-bruno-schwartz)

O Homem perde com muita frequência o seu sentido coletivo e positivo do Bem-comum para se deixar envolver em ambições individuais, muitas vezes de dimensão megalómana, que acabam prejudicando tudo e todos. A Consciência Coletiva faz parte do Valor Humano e ajuda-nos a construir o Bem-comum.

Alfredo Sá Almeida                                                                                     14 de Abril de 2018

A dimensão social do mundo está em fase de transição

Dimensão social

Como os meus Leitores sabem, tenho vindo a defender uma mudança de paradigma do mundo globalizado. Considero que o Valor Humano é a melhor opção para estruturar e construir esse novo Paradigma de Sociedade. Neste meu blog tenho defendido, com diversos argumentos, que o Ser Humano estaria melhor representado se a mudança for no sentido de valorizar a Pessoa Social e desconstruir o poder do dinheiro. Os Valores Humanos possuem um papel preponderante em toda a nova ‘equação’ de Vida em Sociedade.

Vem isto a propósito de uma notícia recente sobre afirmações previsionais da Diretora-geral do FMI.

“Daqui a 30 anos mais de metade dos portugueses estarão inativos” (https://www.dinheirovivo.pt/economia/fmi-daqui-a-30-anos-mais-de-metade-dos-portugueses-estarao-inativos/) – Esta poderá ser uma triste realidade ou uma oportunidade para mudar de Paradigma da Sociedade, sem violência e com Consciência Coletiva.

Christine Lagarde tece os seus argumentos baseada no atual paradigma económico-financeiro, que representa mais dos mesmos problemas que têm assombrado os Países da Europa e do mundo.

O grande problema é que os resultados da aplicação dos ‘algoritmos’ do FMI normalmente têm efeitos devastadores sobre as Pessoas e a Sociedade. Quando se afirma que em 2050 mais de metade das Pessoas, em muitos Países Europeus (Portugal, Bélgica, França, Itália e Espanha) terão o mesmo problema – estarão inativas – significa que está mais do que na hora de mudar profundamente a estrutura do paradigma que conduziu a esta situação. “De acordo com um dos capítulos de análise do novo Panorama Económico Mundial (World Economic Outlook), edição da primavera, a simulação feita “sugere que, caso não haja qualquer nova política para impulsionar a participação [o conjunto das pessoas que trabalham e os desempregados ativamente à procura de emprego, isto é, a população ativa], a taxa de participação mediana tendencial irá cair 5,5 pontos percentuais ao longo dos próximos 30 anos”.”

Por outro lado, todos nós sabemos que a Globalização veio para ficar, mas que se encontra dominada pelo mundo financeiro e pelo sistema bancário (que continuam caducos).

Menciono aqui uma afirmação do Secretário-geral da ONU, António Guterres, na abertura do fórum Boao (conhecido como ‘Davos Asiático’) – “Estou profundamente convencido de que a globalização é universal e que trouxe vários benefícios, como a integração económica e o comércio”, mas também “lembrou que a globalização ajudou a reduzir a pobreza, mas que muitas pessoas foram deixadas para trás.” (http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/antonio-guterres-globalizacao-trouxe-varios-beneficios-291376).

Pois bem, seria uma grande prova de inteligência reconhecer que o sistema falhou e começar a propor grandes alterações e mudanças estruturais (abandonando o paradigma que nos trouxe a esta triste situação), onde as Pessoas, os Valores Humanos e a Sustentabilidade da Biosfera sejam o centro das atenções e os pilares da construção do novo Paradigma, que tenho vindo a defender desde há mais de três anos.

Todos estes problemas mencionados significam que a dimensão Social dos Países e das respetivas Sociedades devem contribuir para reestruturação da economia e do relacionamento das Pessoas.

A meu ver, quanto mais os problemas do mundo avançam, a um ritmo assustador, mais sentido faz a proposta que tenho vindo a defender. Seria BOM que não deixássemos chegar ao ponto referido com veemência pelo Neurocientista António Damásio“Sem educação, os homens ‘vão matar-se uns aos outros’”. (https://www.publico.pt/2017/10/31/ciencia/noticia/sem-educacao-os-homens-vao-matarse-uns-aos-outros-diz-antonio-damasio-1791034)

Alfredo Sá Almeida                                                                               10 de Abril de 2018