Educar a Vontade e/ou educar a Paciência

Vontade

A nossa vida começa com um grito de Liberdade quando nos retiram da barriga da nossa Mãe.

Todos nós sabemos que desde crianças temos um sentido de posse muito afinado que vai sendo moldado, e bem, pelos Pais para não nos tornarmos possessivos desequilibrados quando adultos. Esses princípios educacionais que nos são dados não representam uma perda de Liberdade em si (a não ser que as imposições sejam desequilibradas), mas sim uma orientação de como devemos conduzir e gerir os nossos desejos para conseguirmos realizar os nossos sonhos ao longo da vida.

Infelizmente muitos Pais não dão aos seus filhos essas orientações preciosas e acabam por ‘mimar’ demasiado, desequilibrando a sua vontade quando adultos. Muitos tornam-se possessivos e irascíveis.

A meu ver o conceito de Liberdade é demasiado amplo para ser abalado por princípios orientadores e condutores ao longo da vida. Normalmente esse conceito/sentimento vem acompanhado de inteligência e determinação assertiva o que nos ajuda a viver bem em sociedade. Liberdade não deve nunca transformar-se em ‘libertinagem’ sob pena de desvirtuarmos um Valor primordial.

É nesta dimensão que a Vontade se encaixa e se pode descontrolar, produzindo sérios estragos de personalidade e caráter. Significa isto que a educação escolar deverá transmitir orientações preciosas aos alunos, sob a forma de Valores, que poderão ficar enraizados positivamente para a vida.

Um desses Valores é o da Ética. Relembro aqui um ensinamento de Mário Sérgio Cortella a este respeito, “Ética é o conjunto de valores e princípios que usamos para responder a três grandes questões da vida:

  • Quero?
  • Devo?
  • Posso?

Nem tudo que eu quero eu posso; nem tudo que eu posso eu devo; e nem tudo que eu devo eu quero. Você tem paz de espírito quando aquilo que você quer é ao mesmo tempo o que você pode e o que você deve.”

Se conseguirmos transmitir aos nossos filhos e aos nossos alunos este nobre princípio estaremos a beneficiar duplamente a nossa Sociedade. Por um lado, produzindo Cidadãos mais equilibrados e por consequência uma Sociedade mais ética e correta.

A paz de espírito que nos fala Cortella é uma realidade que acaba por se refletir na gestão paciente dos acontecimentos. Isto porque toda a vida tem um ritmo e a interação com outros Seres exige uma boa gestão dos ritmos de vida em Sociedade. Daqui resulta um outro Valor fundamental que acaba por traduzir-se em Paciência.

Todos nós sabemos onde a impaciência nos pode conduzir, seja a nível Pessoal ou quando temos uma responsabilidade de gestão empresarial ou pública.

Costumamos dizer, e com razão, ‘saber esperar é uma virtude’. Pois normalmente a paciência é compensadora. Quando bem gerida dá resultados muito animadores.

Paciência

Alfredo Sá Almeida                                                                              30 de Março de 2017

O Paradigma da Sociedade atual é um Paradoxo – Pensamentos

  • Paradigma é um modelo ou padrão a seguir. São as normas orientadoras de um grupo que estabelecem limites e que determinam como um indivíduo deve agir dentro desses limites. (https://www.significados.com.br/paradigma/)
  • Paradoxo é o oposto do que alguém pensa ser a verdade ou o contrário a uma opinião admitida como válida. Um paradoxo consiste em uma ideia incrível, contrária do que se espera. Também pode representar a ausência de nexo ou lógica. É portanto uma ideia lógica que transmite uma mensagem que contradiz a sua estrutura. (https://www.significados.com.br/paradoxo/)
Mudar

Quase todos querem mudar, mas ficam na expectativa que algo mude à sua volta sem fazerem um esforço determinante para uma mudança efetiva. Relegam para segundo plano a construção de um caminho coletivo coerente e de maior Felicidade. Um clima de Paz duradoura contribuiria para um significativo aumento da realização de sonhos Pessoais ou Coletivos e, consequentemente, em mudanças efetivas e não efémeras.

Na ausência desse clima, torna-se evidente um sentimento de impotência na transformação para um novo Paradigma. A mente Humana, seja em estado aprisionado ou livre e criativa, tem muita dificuldade em não sentir frustração na mudança. Esta deveria ser um processo pacífico e saudável mas as opiniões contraditórias são jogadas com muita truculência ou agressividade.

A Sociedade atual vive mergulhada num modelo de vida que se tornou um absurdo e que muitos dos seus membros sofrem de depressão pelo ritmo em que se deixaram envolver, por não corresponder ao que desejam para si ou para os seus pares.

Procuram constantemente a Felicidade com uma Liberdade mitigada e deficiente. Aliás, a vivência em ambiente de Valores Humanos seria o condicionalismo mais saudável da Liberdade. A Felicidade, a Liberdade e o Dinheiro possuem uma conjugação de difícil resolução em carência de Valores Humanos.

A interligação formada pelo Homem, a Biosfera e a sustentabilidade da Vida é uma equação de resolução complexa por vontade do Homem.

A carência de Consciência e Inteligência Coletivas é uma das grandes responsáveis pelas orientações erradas no desenvolvimento Humano. O progresso civilizacional está desequilibrado pelas múltiplas opções contraditórias geradas pela desigualdade social e financeira.

O Homem tem dificuldade em admitir os danos irreversíveis que tem causado ao ambiente e à Biosfera, seja por ignorância, vontade descontrolada, ganância ou descoordenação de decisões. O espírito possessivo do Homem transbordou para o universo intangível dos valores.

Humans

O aperfeiçoamento constante do Ser Humano e do seu Valor, as melhorias contínuas da sua qualidade de Vida integrada na Biosfera e os processos inovadores facilitadores de sustentabilidade, correm o risco de se tornarem miragens evolutivas.

O Homem deveria dar prioridade na construção da coerência na sua realidade civilizacional e no relacionamento da Sociedade Global, não se dispersando com ideias megalómanas avulsas de um pseudo desenvolvimento.

O advento da introdução da Inteligência Artificial, sob a forma de robots, na Sociedade de Humanos tem muita probabilidade de se tornar desastrosa pelo acréscimo de contradições e carência de Valores Humanos.

O mesmo se passa com a introdução desenfreada da realidade virtual no mundo conturbado da consciência Humana. A alienação mental é o processo que poderá resultar, degradando ainda mais a convivência em Sociedade.

Uma boa reflexão sobre os pensamentos aqui transmitidos poderá ajudar a uma boa mudança de Paradigma. Este novo Paradigma deveria ser mais coerente que o anterior e, sobretudo, mais consistente com o Valor Humano.

Alfredo Sá Almeida                                                                                      28 de Março de 2017

Os Caminhos que nos conduzem ao Futuro

right-wrong-directon

Uma resposta a uma simples questão: “Are things going in the right direction?”(Fonte: Ipsos Public Affairs) – Finance Watch https://www.facebook.com/financewatch/?fref=nf

Todos nós sabemos que as sondagens de opinião valem o que valem. No entanto, não devemos desprezá-las quando nos dão indicações da vontade dos Cidadãos. Podemos não ter todas as informações, mas sentimos que os caminhos por onde nos estão a conduzir não são os corretos.

Senão, reparem quais são as principais preocupações a nível mundial (p.f. ver próxima imagem), tendo em consideração o referencial de amostragem (amostra representativa de adultos entre os 16 e 64 anos, relativa a Novembro de 2016).

No topo dessas preocupações vemos:

  1. Desemprego;
  2. Pobreza e desigualdade social;
  3. Corrupção financeira e política;
  4. Crime e violência;
  5. Cuidados de saúde;
  6. Educação;
  7. Terrorismo;
  8. Impostos;
  9. Declínio moral;
  10. Controlo de imigração.

world-worries

Destas 10 maiores preocupações, duas delas: a) Pobreza e desigualdade social; b) Corrupção financeira e política; sofreram um aumento relativo à anterior sondagem.

Tenho a sensação que os Líderes mundiais se estão a enganar na direção. Ainda estão focados nos ‘velhos’ paradigmas do passado das ‘crises’. Seja qual for a direção que estejam a pensar, não vai dar bons resultados para onde nos estão a conduzir.

Esta será uma altura excelente para mudar de Paradigma e dar uma oportunidade a TODOS de seguirem na direção correta do desenvolvimento sustentado em equilíbrio com a Biosfera, onde o PODER do dinheiro se subalternize à vontade dos Cidadãos e ao Valor Humano.

Sobre esta matéria, alerto os meus Leitores para matéria produzida pelo World Economic Forum sobre as previsões para o Mundo em 2030 (https://www.weforum.org/agenda/2016/11/8-predictions-for-the-world-in-2030/?utm_content=bufferdda7f&utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=buffer).

Nelas podemos verificar as grandes contradições dos Líderes que ‘produzem’ o Futuro. A falta de consideração e respeito pelo Ser Humano.

No final dessa página é apresentado um vídeo resumo sobre as “8 previsões para o mundo em 2030”. A certa altura do vídeo (https://www.facebook.com/worldeconomicforum/videos/10154159674886479/) é transmitida a previsão de que um bilião de Pessoas estarão deslocadas devido às alterações climáticas.

Esta triste realidade comparada com todas as outras deveria produzir, por si só, mudanças sensíveis para corrigir a situação e provocar alterações significativas em todas as previsões.

Se nos deixarmos adormecer acordaremos no caos da extinção.

Nós podemos alterar este Futuro!

Alfredo Sá Almeida                                                                                10 de Fevereiro de 2017

Aprender e Ensinar Valores Humanos pelo Exemplo

Os Valores Humanos são matéria demasiado importante e essencial em Educação, que devem merecer uma atenção especial nas metodologias de transmissão dos seus conceitos, para crianças, jovens e adultos.

De entre todas as metodologias a utilizar nessa transmissão, o EXEMPLO é aquela que melhores resultados produz. Definição de Exemplo: ‘Tudo o que pode ou deve servir para modelo ou para ser reproduzido’.

“Faz sentido ensinar de maneira que corresponda ao modo como o nosso cérebro aprende melhor.” – Mind Shift (https://ww2.kqed.org/mindshift/).

como-o-cerebro-aprende

Fig. 1. -Como o Cérebro aprende – Mind Shift https://www.facebook.com/MindShift.KQED/posts/1209124415790142:0

“Não há modo de mandar, ou ensinar mais forte, e suave, do que o exemplo: persuade sem retórica, impele sem violência, reduz sem porfia, convence sem debate, todas as dúvidas desata, e corta caladamente todas as desculpas. Pelo contrário, fazer uma coisa, e mandar, ou aconselhar outra, é querer endireitar a sombra da vara torcida.” – Manuel Bernardes (Padre e Escritor do Séc. XVII), in ‘Luz e Calor’.

Como querem que as crianças e jovens aprendam pelo exemplo se não respeitarem o seu ritmo? A vida atual é tão agitada que os Pais nem tempo têm para ter um ritmo adequado aos seus filhos! No entanto, o exemplo dos Pais, durante todo o tempo de convívio, é fundamental para uma boa aprendizagem de Valores Humanos. Na ausência dos Pais, deve sempre ser considerada uma alternativa viável para essa transmissão. Seja uma família de acolhimento ou a Escola, qualquer delas deveria estar habilitada para esta transmissão de testemunho, em moldes pedagogicamente adequados.

Existem Organizações sem fins lucrativos, como a Human Values Foundation (http://www.humanvaluesfoundation.com/) que possuem material pedagógico para a Educação em Valores Humanos adequado às várias faixas etárias de crianças e jovens.

hvf-educacao-em-valores-humanos

O mesmo acontece com a Escola de Cidadania (http://www.escoladecidadania.org/) que no seu site internet possui no menu Valores Básicos (http://www.escoladecidadania.org/valores-basicos/amor/) e menu Downloads (http://www.escoladecidadania.org/downloads/), material adequado para esta importante tarefa.

escola-de-cidadania

As metodologias aqui apresentadas são produzidas por profissionais competentes e experientes em matéria de Valores Humanos. Constituem bons exemplos a serem seguidos na transmissão desta importante e essencial missão.

Devem ainda ser considerados como exemplos os filmes, que pela sua qualidade interpretativa, argumento e mensagem, podem ser usados por Professores e Pedagogos para transmitir os conceitos dos Valores, muitas vezes difíceis de transmitir por palavras. Assim, apresento uma relação de links internet que mencionam tais filmes (com exemplos excelentes de atitudes e comportamentos, para debate):

  1. http://delas.ig.com.br/comportamento/2013-01-11/filmes-com-licoes-de-vida.html
  2. http://moralidadevalores.blogspot.pt/p/sugestoes-de-filmes.html
  3. http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1490-8.pdf
  4. http://armazemdetexto.blogspot.pt/2015/04/15-filmes-sinopse-e-atividades-para.html#!
  5. http://www.1mais1.com/post/os-50-melhores-filmes-infantis-89

Eu tenho vindo a alertar, através dos meus textos neste Blog “Valor Humano” e dos meus Livros, para a necessidade urgente e imperiosa de se realizar, a nível global, uma Educação formal em Valores Humanos para Professores, Crianças, Jovens e Pais, de modo a proporcionarmos a TODOS neste mundo um melhor convívio em Cidadania e uma maior Humanidade entre TODOS os extratos da População.

Mãos-à-obra meus caros Leitores! Esta é uma missão de TODOS NÓS. O Futuro está nas nossas mãos, para que os nossos filhos o possam perpetuar em melhores condições de Humanidade.

Alfredo Sá Almeida                                                                          4 de Fevereiro de 2017

Comunicação Social sem Responsabilidade Social

meios-de-comunicacao-social

(http://blog.opovo.com.br/portugalsempassaporte/forum/comunicacao-social-2/)

Quando as crianças e adolescentes estão em fase educativa, todos os Pedagogos e Psicólogos recomendam que, para bem deles, não se lhes deve satisfazer todas as vontades pedidas (com maior ou menor birra), sob pena delas se tornarem adultos egoístas, frustrados e socialmente irresponsáveis. Antes, devem ser orientados e explicar-lhes por meios adequados, com exemplos, os ‘quês’ e ‘porquês’ da não satisfação desses pedidos.

Infelizmente muita dessa Educação cuidada e de qualidade perdeu-se com o crescendo da sociedade de consumo. Também, pelo facto de os Pais terem (ambos) uma vida profissional muito agitada e stressante, sem tempo para dedicarem aos seus filhos. Por outro lado, a Escola, que poderia suprir essas lacunas, resolve não fazê-lo porque não se encontra preparada, ou não quer, participar numa Educação Integral e de Valor. Há ainda a considerar a falta de vontade do Estado para integrar esta dimensão dos Valores Humanos e da Cidadania nas Escolas Públicas.

Perante esta triste realidade, continuam a formar-se muito poucos Cidadãos em boas-práticas de Cidadania e deixados à mercê de uma Sociedade muito mal preparada para dar exemplos vivos de Valores Humanos. Aqui, a Comunicação Social poderia ter um papel pedagógico interessante e importante, mas demite-se desse papel por estar mais focada nas guerras de audiências e vendas de publicidade.

Durante décadas TODA a Comunicação Social (Jornais, Revistas, Rádio, TV, Internet) tem praticado um modelo comunicacional baseado na satisfação dos desejos primários dos seus Leitores, Ouvintes, Telespectadores e Internautas, do que mais gostariam de ler, ouvir e ver comunicado. Tudo para venderem muita publicidade. Precisamente durante essas décadas de informação orientada para o ‘consumidor’, a Escola passou a ser menos exigente com a Cidadania e os Valores Humanos. O resultado desta conjunção de realidades verifica-se todos os dias em Sociedade. Tem sido uma deseducação continuada a coberto de uma Liberdade de comunicação e expressão. Mas a LIBERDADE é um Valor demasiado importante para produzir tão maus resultados! A meu ver, é uma interpretação errónea da Liberdade de expressão, pois era suposto produzir efeitos sociais benéficos.

Programas como Reality Shows, Novelas, Filmes violentos, Notícias ‘Cor-de-rosa’ escabrosas, Notícias ‘bombásticas’, Jogos violentos, etc., têm sido os ‘Reis’ das audiências para TODAS as idades indiscriminadamente. Todos estes programas vendem muita publicidade mas produzem muita (mas muita mesmo) deseducação instantânea, e tornam ainda mais difícil uma Educação correta em Valores Humanos.

Esta realidade leva-me a questionar, com veemência, a responsabilidade do Estado e das Empresas de Comunicação Social, mesmo sabendo que quem se encontra por detrás delas são grandes Corporações Multinacionais e interesses ‘obscuros’ camuflados de Informativos e Comunicativos.

Porque as Empresas de Comunicação Social não são certificadas pela Responsabilidade Social das Empresas? (http://www.sairdacasca.com/wp-content/uploads/2012/10/PDF3_EstudosobreaPercepcaodaResponsabilidadeSocialemPortugal.pdf)

Todos nós nos apercebemos que uma Empresa de Comunicação Social tem um grande impacto na Sociedade. E também sabemos a influência política que possui em momentos eleitorais (e não só). Muitas vezes contribuindo para ‘factos’ políticos de duvidosa qualidade, com resultados ainda mais duvidosos e com repercussão económica notória. A coberto de uma verdade tecem-se enredos envolvendo alguns factos, que acabam por os ofuscar.

media-tv

http://geracaoplastificada.blogspot.pt/2011/05/charges.html

Também nos apercebemos que os meios de comunicação audiovisual são os que contribuem para um maior impacto na Sociedade. Por esse facto poderiam orientar-se, com muita pedagogia, para funcionarem como exemplos de ética e Valores Humanos, para uma Sociedade crescentemente carente desses Valores. Ou seja, passariam a ter uma conduta e uma contribuição positiva, com orientação para uma maior Responsabilidade Social.

O problema está na natureza do negócio de Comunicação dita Social – vender publicidade, ajudar a desenvolver negócios, construir notícias, captar o interesse crescente dos consumidores, etc. De Social só tem o nome e não a função integral.

Reconheço que estes órgãos de comunicação seriam uns aliados ‘de peso’ nas batalhas que se têm de desenvolver em prol dos Valores Humanos, mas infelizmente produzem, nesta dimensão, mais efeitos negativos que positivos.

NÓS Leitores, Ouvintes e Telespectadores poderíamos ter um papel mais ativo nesta matéria, mas acomodamo-nos com muita facilidade e deixamos que nos conduzam as opiniões em muitos domínios – o que vem totalmente contra os nossos desejos de Liberdade (uma das muitas incoerências do Ser Humano).

Alfredo Sá Almeida                                                                    2 de Fevereiro de 2017

O Dinheiro ou a Vida.

carater-perdido

Esta é uma frase típica de um assalto. Infelizmente muitas Pessoas são assaltadas todos os dias, do qual resulta algum dano ou perda para o assaltado. Normalmente causa revolta e raiva porque a vida ficou em risco e o dinheiro custa muito a ganhar.

Mas se a interrogativa indireta colocada passar a ser uma interrogativa direta?

O Dinheiro ou a Vida? A Pessoa não deixa de ter de tomar uma decisão importante. Só que nesta situação poderá existir mais tempo para ponderar as alternativas, refletir e escolher o caminho de vida que quer seguir.

Pode até acontecer que num futuro, não muito longínquo, a questão colocada seja ainda mais grave: A Água ou a Vida? Neste caso estamos perante uma situação extrema porque não existe Vida sem Água. E, a resposta só pode ser uma.

No dia-a-dia desta nossa vida, pessoal ou profissional, quantas vezes somos colocados perante questões que não têm alternativa. Somos conduzidos por Pessoas (?) a tomar decisões, mais ou menos rápidas, que nos afetam a vida e, muitas vezes, o futuro e os sonhos de uma vida.

Os meus Leitores dirão: mas isso não deveria ser permitido! Pois é, mas acontece com mais frequência que o desejado. A liberdade passa a estar condicionada e com ela a Vida e a sua condução para o futuro.

Quando e como é que nos deixámos envolver, ludibriar, enganar, etc. até ao ponto de perdermos a Liberdade, a Dignidade e a Autoestima? Vou arriscar uma resposta polémica! A partir do momento em que nos deixámos dominar pelo Dinheiro!

Tantas vezes fomos roubados e enganados, que deixámos de acreditar no caráter das Pessoas.

Por maior Valor Humano que alguém possua, estas situações não deixarão de o afetar. Então é chegado o momento de tomarmos opções de Vida que nos permitam manter o Valor sem afetar o caráter.

Esta é a reflexão que deixo aos meus caros Leitores: O Dinheiro ou a Vida? Qual a sua escolha para o Futuro?

Atenção, tem de optar por uma das vias (e só por uma). Pois a via que hoje vivemos é uma mistura destas duas vertentes com um claro desequilíbrio a favor do dinheiro e em detrimento da Vida.

Alfredo Sá Almeida                                                                              1 de Fevereiro de 2017

A necessidade urgente de Valores Humanos neste Pandemonium (+) global

pandemonium-1919-george-grosz“Pandemonium”, 1919 – George Grosz (http://esperandoleitor.blogspot.pt/2010/07/pandemonium-1919-george-grosz.html)

Penso que os meus Leitores concordarão comigo quando afirmo que o mundo atual se assemelha a um Pandemonium global. Como exemplo, sugiro a visualização deste vídeo de Steve Cutts.

(http://www.bing.com/videos/search?q=moby+are+you+lost+in+the+world+like+me&&view=detail&mid=6778A5CA883A697C33956778A5CA883A697C3395&FORM=VRDGAR).

Passo a explicar o porquê desta afirmativa.

Algumas tristes realidades:

  1. Aumento significativo das desigualdades (económicas, de oportunidades, etc.) entre Seres Humanos;
  2. Desfasamento educacional e de conhecimento nos diferentes Países do mundo (*);
  3. Aumento da intolerância pela diversidade cultural, étnica, religiosa, etc.;
  4. Incompreensão de fenómenos naturais por ignorância ‘militante’;
  5. Fraca tendência no estabelecimento de pontes culturais sólidas por falta de empatia e compaixão;
  6. Comportamentos insustentáveis do ponto de vista Humano na relação com a Biosfera;
  7. Aceitação da agressividade pessoal como reação aos desentendimentos;

A existência destes factos seria menos preocupante se entre os Líderes mundiais e os fenómenos globalizantes existisse uma sintonia de consciência, com atuações concertadas para uma resolução significativa destes pontos problemáticos.

A meu ver, não são os pontos discordantes que produzem o Pandemonium, mas a carência gritante de Valores Humanos entre as classes dominantes (Políticas; Financeiras; Científicas; Religiosas) de muitos Países do mundo, que acaba por se repercutir nos respetivos Povos. Acrescente-se a esta realidade, uma outra carência gritante em Educação de excelência e temos a ‘caldeira em ebulição desgovernada’ (aumento da entropia do sistema) e o Pandemonium em crescendo.

Mas existe uma realidade muito pouco desenvolvida em Nós – o nosso INTERSER. Para o efeito recomendo uma leitura atenta deste texto, da minha querida companheira Angela Alem, “Interser” (https://angelaalem.wordpress.com/2017/01/28/interser/). “Podemos dizer que cada um de nós não é simplesmente “Um SER”, e sim um “INTERSER”. INTERSER porque cada um de nós É, como SER ÚNICO. E ao SERMOS, o TODO está contido no UM. E o UM está contido no TODO!

Assim…, Eu Sou; e Você É.

Você É; portanto, Eu Sou.” – Angela Alem

Os fenómenos são conhecidos, assim como algumas das ‘fórmulas’ de estabilização dinâmica das Sociedades, mas o GRANDE PROBLEMA está na FALTA DE VONTADE para as implementar. Essa falta de vontade está ancorada nas elites dos Países e nos interesses económico-financeiros que representam, culminando no medo pela perda do PODER. Ou seja, é um círculo vicioso! Deste ponto, à ‘construção’ de uma guerra vai um intervalo muito curto, apenas requerendo uma faísca emocional propagada à velocidade da internet.

As Revoluções continuam a fazer sentido, porque nelas existe uma vontade contrária, com estratégia e conhecimento dos factos a eliminar, mas se o resultado for a perpetuação do status quo deste mundo globalizado não servem para nada e acabam por se diluir nesta ‘sopa’ mundial. Ou seja, estamos desfocados da verdadeira necessidade de globalização.

A guerrilha e o terrorismo é que não fazem sentido nenhum, nem conduzem a nada de bom. Apenas servem bem o Pandemonium e não ajudam a construir o Humanismo nem a consolidar os Valores Humanos. Isto porque as Sociedades não aprenderam a desconstruir o terrorismo nem a guerrilha. Pelo contrário têm tendência para as aumentar. O ódio, o radicalismo, a intolerância, a ignorância e os desequilíbrios emocionais só podem ser desconstruídos pela Educação de excelência e pela aplicação permanente de Valores Humanos em Sociedade. “Enquanto praticamente todos os adultos na Europa (98%) e língua inglesa da América do Norte (99%) têm pelo menos alguma educação, quatro-em-dez no Oriente Médio e norte da África (41%) e na África subsaariana (41%) não completaram nem um ano de escola primária” – David Masci (http://www.pewresearch.org/fact-tank/2017/01/11/about-one-fifth-of-adults-globally-have-no-formal-schooling/) (*). Ah! Mas isso custa muito dinheiro para compor! Então introduzem-se simulacros destes dois grandes pilares Educacionais (Educação de excelência + Valores Humanos em Sociedade), para calar algumas vozes dissonantes, para que pensem que resolveram O PROBLEMA. Apenas adiaram uma parte do problema, provavelmente, criando outras componentes ainda maiores e mais complexas desse problema.

E o mundo anda assim! Desgovernado em direção ao Pandemonium global!

Os Políticos e Financeiros vão reagindo aos impulsos e vão construindo ‘mantas de retalhos’ julgando que são soluções para os problemas, mas não são mais do que ilusões paradigmáticas e não O PARADIGMA SOLUÇÃO. Vão tapando os vários buracos com uma argamassa qualquer e o resultado é uma ‘estrada’ muito desconfortável para se viajar para o Futuro da Humanidade.

A população mundial cresce exponencialmente e com ela aumenta a presença de sociopatas e psicopatas. Estas duas aberrações humanistas funcionam como ‘buracos negros’ das Sociedades, destruindo TUDO em ritmo exponencial. Por outro lado, os recursos escasseiam, os bens de primeira necessidade não são suficientes, e os ‘famintos’ de tudo aumentam exponencialmente. Resultado final – ESTÁ O PANDEMONIUM GLOBAL INSTALADO.

Resta-nos a ESPERANÇA e uma RESILIÊNCIA HUMANISTA focada em Valores Humanos e na proliferação do Valor Humano. Sem estes grandes Cavaleiros do Futuro estaremos sempre em domínios do Pandemonium.

Que contribuição, o meu caro Leitor está disposto a dar? Para que dimensão pretende ir?

A sua reflexão seguida de uma ação concertada de Valor Humano são a solução para TODOS OS NOSSOS PROBLEMAS. Só assim nos afastamos significativamente do Pandemonium!

Alfredo Sá Almeida                                                                                   31 de Janeiro de 2017

Nota (+): Significado de Pandemonium – Capital imaginária dos Infernos. / Reunião de indivíduos para a prática do mal ou promoção de desordens. / Fig. Assembleia tumultuosa. / Lugar onde reina a confusão e onde ninguém se entende; balbúrdia.

Pandemonium tem origem inglesa, através do radical grego pan, que significa “todo”, + o termo grego daímon, que significa “demónio”, que é um neologismo criado pelo poeta inglês Mílton (1608-1674), no seu “O Paraíso Perdido” (Shangri-lá), para designar o palácio de Satã. É também o designativo para a capital imaginária do Inferno. O mesmo que tumulto, balbúrdia, confusão. (http://www.dicionarioinformal.com.br/pandem%C3%B4nio/)