A Sociedade atual e a dimensão da Liberdade

Sociedade Doente

A Sociedade atual tem-se desenvolvido nas últimas décadas como um Paradigma ‘canceroso’ onde a Liberdade dos Cidadãos, em vez de servir constantemente as boas práticas de cidadania, acaba destruindo os Valores Humanos que nos deveriam caracterizar.

O ritmo exacerbado de desenvolvimento, em todos os domí­nios do saber, a que a sociedade tem estado submetida, traduz a ansia de liberdade e conhecimento dos Povos oprimidos nas décadas passadas. As ‘explosões’ de criatividade, investigação, expressão cultural, desenvolvimento tecnológico e inteligência racional, deixaram para segundo plano (e em muitos casos, para terceiro e quarto planos) o desenvolvimento humano, social e emocional das comunidades e da Sociedade.

O desenvolvimento humano tem acrescentado ao Coletivo aspetos muito positivos, mercê sobretudo do desenvolvimento tecnológico, mas as componentes Sociais, Educacionais e de consolidação de Valores Humanos têm perdido rumo e caráter pela velocidade que foi impressa no desenvolvimento desequilibrado.

Os sistemas polí­ticos e financeiros são os grandes responsáveis pela permissividade instituí­da, que invadiu negativamente os sistemas educacionais, judiciais e de valores de uma Sociedade com personalidade e caráter Humanos. Os Cidadãos acabaram sendo ‘arrastados’ para decisões, escolhas ou opções pouco ponderadas e de baixo valor social acrescentado, minando as estruturas do paradigma instalado, tornando-o num paradoxo ‘canceroso’.

Dirão os meus caros Leitores que a Liberdade é um Valor primordial e que compensa todos os riscos no desenvolvimento. Eu direi: convêm esclarecer convenientemente esta matéria de considerar a Liberdade como Valor primordial desenraizada dos outros Valores!

A meu ver a Liberdade como Valor essencial e prioritário só faz sentido se estiver inserida no contexto dos outros Valores Humanos. É por essa razão que se torna primordial. Caso contrário, acabamos assistindo a fenómenos, numa Sociedade que se pretende saudável, de desenvolvimento de núcleos malignos que acabam destruindo TUDO – os Valores Sociais e a LIBERDADE. O mais grave é que a degradação social pode atingir patamares tão baixos que se torna difí­cil recuperar, com saúde, o ‘doente’. Esta acaba sendo o resultado de uma permissividade doentia e carente de Inteligência (racional e emocional). Se adicionarmos a esta permissividade doentia, uma Educação carente em Valores Humanos, então teremos um ‘corpo’ agressivo numa Sociedade em decadência.

Não é de estranhar que tenhamos assistido a um aumento vertiginoso da corrupção, da ganância, da arrogância, da prepotência e de muitas outras caracterí­sticas humanas negativas (Antivalores), que acabam proliferando num ‘terreno’ onde os Valores Humanos estão ausentes.

A Sociedade acaba sofrendo, e muito, com este estado de coisas. Infelizmente os exemplos das consequências são muitos. Senão vejamos, o aumento significativo de casos de:

  • Depressão;
  • Suicí­dio;
  • Doenças do foro emocional;
  • Stress;
  • Consumo de drogas;
  • Agressividade violenta;
  • Bullying;
  • Alheamento social;
  • Inteligência maligna;
  • Desequilí­brios mentais; etc.

Resultado, uma Sociedade doente sem perspetivas de melhoras. O intrincado de casos é tão acentuado e denso que organismos sociais saudáveis não conseguem recuperar o ‘paciente’ sem que o ‘tratamento’ seja completo e sistemático, tí­pico de um paciente com ‘cancro’.

Será necessário uma mudança profunda de paradigma, minimizando os paradoxos, com um aumento significativo das Consciência e Inteligência Coletivas, dos Valores Humanos e uma Educação de qualidade para TODOS os Seres Humanos deste Planeta.

Ser Humano doente

Alfredo Sá Almeida                                                                                 13 de Maio de 2017

Anúncios

O Propósito do Valor Humano

Propósito porta

O meu objetivo está em demonstrar que o Valor Humano é o VALOR supremo e universal que deverá congregar os Seres Humanos e os seus Valores.

A VIDA nas suas diversificadas formas e dimensões é um BEM que deve ser preservado com equilíbrio dinâmico, onde o Homem tem uma responsabilidade acrescida por ser a única espécie com capacidade de gestão imparcial desse equilíbrio.

O desenvolvimento civilizacional sustentável na nossa Biosfera é o motor que deverá motivar qualquer Ser Humano a agir, cumprindo o Propósito do seu VALOR.

Nesta ‘equação’ da Vida está inerente toda a ação que conduza ao BEM COMUM a todas as espécies.

Este Propósito positivo e Humanista respeita todas as sensibilidades culturais e religiosas com Valor.

O grande problema do Homem estará sempre no modo e na forma de lidar com a influência dos Antivalores Humanos na Vida.

Todos nós temos consciência que a Educação e a Justiça são, por excelência, os sistemas Humanos capazes de resolver com Valor esse grande problema. No entanto, apesar da inteligência do Homem, ele ainda não é capaz de construir coerentemente estes sistemas para que o resultado da sua aplicação respeite integralmente a VIDA, como propósito do Valor Humano.

Significa isto que deveríamos TODOS encontrar o denominador comum que permita unir a nossa espécie em torno de princípios fundamentais não permissivos com os Antivalores, sem que isso constitua uma forma de preponderância inaceitável.

Afinal, o Valor Humano é a transcendência da VIDA.

Alfredo Sá Almeida                                                                                                      3 de Setembro de 2015

Caracterização da Sociedade atual

Trust exemplo

“Caros Leitores será assim tão difícil caracterizar a sociedade atual?

A meu ver não, e vou correr o risco de o fazer. Os meus Leitores dirão se estou desfocado da realidade ou não. Submeto-me ao vosso julgamento e opinião.

Infelizmente nesta Sociedade Global, muito desequilibrada em todos os sentidos, assistimos a muita indignidade para com os Seres Humanos, com muita indiferença e muita arrogância de quem se diz inteligente e evoluído. O esforço de uns (que pretendem resolver o problema) acaba, muitas vezes, anulado por aqueles que atribuem outras prioridades. Uma grande parte da população não se alimenta condignamente e não tem acesso a água potável. Muito menos a uma Educação que lhes permitiria aumentar a sua capacidade de discernimento e de resolução de problemas. Os Valores Humanos são transmitidos de um modo muito deficiente e não estruturado. Mas onde ainda existe muita escravidão Humana (46 milhões de Pessoas em todo o mundo) explícita, e muita ainda encapotada, com Direitos Humanos reduzidos ou ausentes. Onde as Pessoas, para ‘ganharem a vida’, se sentem constrangidas a ceder na sua integridade.

Povos ancestrais, com culturas milenares, que deveriam ser acarinhados à distância e protegidos das práticas agressivas da Sociedade, acabam completamente abandonados e desprotegidos pelos Estados, porque nem sequer têm voz ativa nem peso nas decisões, que muitas das vezes são contrárias ao poder do dinheiro. Entretanto, os Estados fazem tudo para os integrar nesta Sociedade e consideram isso como normal.

Por outro lado, no mundo dito civilizado, comportamo-nos como espectadores ‘serenos’ desta Sociedade de deprimidos e alienados de TUDO o que é representativo do Ser Humano, que consideram chato, careta ou fora de moda. Onde o stress e o preconceito predominam como Valores deturpados de uma atividade, sem consideração pelo ritmo de cada um, por maior valorização da competitividade em detrimento da real capacidade da Pessoa. Porém, valoriza-se mais o culto da personalidade imaginária e vazia de conteúdo que está presente em grande parte das ocasiões da Vida. Onde as Pessoas ricas de dinheiro têm pouco Valor Humano e não possuem empatia por aqueles que possuem menos. Acaba predominando a ganância, arrogância e falta de perspetiva de Futuro condigno para os mais pobres. Onde a Educação tem de ser paga a ‘peso de ouro’ para permitir desenvolver capacidades profissionais que acabam por ser praticadas com pouca ética. Mesmo assim, está desfocada do Futuro da Humanidade, concentrando-se no Futuro dos mercados.

Não nos podemos esquecer que nesta Sociedade Global praticamos o culto da violência e da agressividade para manter o poder, seja em jogos, seja nos programas televisivos, na comunicação social, no bulling e na vida do dia-a-dia. Onde a frustração por não TER é maior de que não SER. Desenvolveu-se o consumismo como prática de Valor e o dinheiro como prática de PODER. Onde a grande maioria dos Políticos considera essa prática como normal e desejável, em consonância com Pessoas ricas mas de poucos escrúpulos Sociais.

A Biosfera é encarada como um recurso que pode ser explorado sem limites e não como uma entidade de Vida complexa que deve estar sujeita às leis da sustentabilidade global.

O mais grave de toda esta realidade está na ausência quase total de Valores Humanos (Desvalores), sem que isso seja considerado grave nem objeto de melhorias estruturadas. Considerando até que qualquer intervenção nesta matéria vai contra as Liberdades pessoais, deturpando o conceito de Liberdade. Pois aceita-se como válido uma Liberdade desvalorizada em detrimento de uma Liberdade criativa e efetiva.

A Educação das crianças e jovens é deixada ao sabor dos caprichos desta Sociedade, desfocada do Futuro, e que em vez de ter tendência para melhorar se aperfeiçoa nos Desvalores e na descaracterização Humana, sob uma capa de criatividade funcional.

Esta é a triste realidade Humana Global que muitos, talvez a grande maioria das Pessoas ditas civilizadas, consideram como NORMAL e não fazem qualquer esforço para mudar ou alterar os Padrões desta desumanidade.

NÃO, NÃO, NÃO meus caros Leitores eu não pactuo com esta realidade, nem com o conceito que aquilo que se está a passar é normal e típico da Natureza Humana.

Esta realidade não é digna de Seres Humanos que se dizem inteligentes e na prática só fazem asneiras, desvalorizando o Ser Humano para a condição de adaptável e submisso, no pior sentido da dependência. Não valorizam sequer as mudanças de Paradigma desta Sociedade podre e sem objetivos de um Futuro digno.

Considero que o Valor Humano deve substituir na íntegra o atual valor do dinheiro por razões que considero óbvias. E o meu caro Leitor já pensou nisto, ou considera que não tem nada a ver com esta realidade? Considera que não se deve MUDAR para uma Sociedade com Valores Humanos e onde o Ser Humano adquire uma maior plenitude de SER sustentável? Considera que vivemos em Liberdade e que esta prática é a que melhor defende os interesses do Ser Humano?

É esta ausência de opinião, de empenho na mudança e na construção de um Futuro mais digno para TODOS, que me CHOCA TODOS OS DIAS.

O Estado demite-se das funções de acompanhar e zelar por aquelas Pessoas que têm problemas mentais sérios, ou problemas de doenças especiais que causam dependência total. Demite-se quando não apoia condignamente a condição de idoso dependente, e ‘lava as suas mãos’ dos problemas que daí resultam para a Sociedade. Mais ainda, mantém pessoas com carater e personalidade de psicopata em pontos-chave da administração, porque considera que essa é a característica de um líder.

Mais, o Estado coloca as Pessoas de mais baixos recursos a pagar as crises financeiras provocadas por aqueles que detêm o dinheiro e o utilizaram para práticas pouco dignas (mas infelizmente algumas consideradas legais). O Estado deveria ser considerado, em qualquer circunstância, uma Pessoa de Bem, mas a realidade diz-nos que perde constantemente a Razão no modo pouco Humano como atua, na Educação, na Saúde dos Cidadãos e na Justiça.

Estas são algumas das Razões que me levaram a escrever sobre o Valor Humano e que considero que deve passar a constituir um sistema estruturado que governe a Vida dos Seres Humanos, mudando definitivamente a realidade atual para um Paradigma mais Humanista.

E você, meu caro Leitor, vai continuar a defender o valor do dinheiro, porque considera que ele não contribui para estes problemas da sociedade atual? Considera que é um mal menor? Que se pode sobrepor ao Valor Humano?

Há Pessoas que me perguntam, – O sistema baseado no Valor Humano é justo para TODOS?

Eu direi que nenhum sistema de governança é justo para TODOS, mas aquele que defendo – VALOR HUMANO GLOBAL – é muito mais justo que o atual pois está focado no Ser Humano por excelência e no desenvolvimento sustentável, respeitando e considerando o Ser Humano, o seu Valor e a Biosfera.

Outra questão que me colocam relaciona-se com, – Será esta nova proposta Socialmente Igualitária, ou Restritiva?

A meu ver, o sistema que defendo DÁ igualdade de oportunidades para TODOS, competindo a CADA UM desenvolver as condições para uma maior Valorização como Pessoa e como Cidadão, de acordo com as suas capacidades. Como TODA a Sociedade estará vocacionada para o desenvolvimento do Valor Humano, NINGUÉM será tratado com indignidade social, mas sobretudo com Solidariedade Social.

Esta minha proposta só será restritiva para quem se comportar predominantemente pelos Antivalores ou por Desvalores Humanos, prejudicando sistematicamente a Sociedade ou as Pessoas em particular. Os psicopatas não terão a vida facilitada nem em liberdade. Aqueles que por desrespeito aos outros ou à Sociedade, preferirem desviar-se do Valor Humano terão que demonstrar frequentemente as suas tendências Humanas e razões da sua conduta, perdendo Valor.

Ao atual Sistema Financeiro Internacional (SFI) não será permitido exercer qualquer atividade, sob pena de perda total de liberdade. Ao sistema Político caberá controlar essas tendências e as atividades desviantes do Ser Humano e da Biosfera.

Os Políticos, como representantes do Povo, deverão ter uma conduta exemplar em matéria de Valor Humano. Existirá um Conselho de Ética Política que verificará constantemente a conformidade da atividade dos Políticos.

A tendência será no sentido de um Futuro com maior Valor Humano que o atual, maior sustentabilidade económica e para com a Biosfera. O sistema a desenvolver será dinâmico e progressivo.

A Biosfera será considerada como Entidade de Direito Próprio e será defendida internacionalmente de todos os desvios à sua sustentabilidade e preservação ambiental.

Ao Homem caberá a exigente tarefa de se transformar em Ser Humano imbuído de Valores Humanos, personalidade e caráter Humanos. ELE será o centro de toda a atenção e o seu VALOR determinará a Vida em Sociedade.”

Alfredo Sá Almeida                                                                                                      10 de Abril de 2015

Características do Valor Humano comparadas com o valor do dinheiro

Futuro Coletivo versus Panico

 

“Esta é uma tarefa difícil de realizar por serem dois referenciais muito distintos. No entanto, uma vez que decidi desenvolver o tema do Valor Humano, que exclui o valor do dinheiro, vou construir esta comparação do modo mais leal e justo possível, dadas as diferenças de conceito e implicações na estrutura social.

Assim, convém relembrar as principais características de cada um:

Valor Humano

Valor do dinheiro

1.      Não pode ser emprestado; 1.      Pode ser emprestado;
2.      Não pode ser dado; 2.      Pode ser dado, com condições;
3.      Não vence juros; 3.      Vence juros consoante as condições;
4.      Não é possível obter crédito de Valor; 4.      É possível obter crédito para várias condições;
5.      Apenas pode ser trocado por produtos, serviços ou formação extra; 5.      Pode ser trocado por tudo o que se possa comprar;
6.      Pode ser utilizado em actos futuros de renovação de infraestruturas e de desenvolvimento humano; 6.      Pode ser utilizado em actos futuros de renovação de infraestruturas, mas sem valorização devida do desenvolvimento humano;
7.      É possível utilizar Valor excedentário da própria Pessoa, em investimentos criativos (arte, cultura), produtivos (fábricas, oficinas, etc.) e empresariais (agrícolas, serviços, formação, saúde, justiça, segurança, etc.) ou, em desenvolvimento humano e ambiental, projetos que sejam potenciadores de Valor para o próprio, ou, outras Pessoas que adiram. 7.      É possível utilizar Valor excedentário da própria Pessoa, em tudo o que se possa imaginar, incluindo gerar mais dinheiro para o próprio sem acrescentar mais valor social.O desenvolvimento humano e ambiental é encarado como um negócio que deve dar lucro e manter as desigualdades entre ricos e pobres.

Por estas características principais podemos ver a grande diferença de estrutura e de Valor concreto.

Mas as diferenças ainda se acentuam mais quando verificamos os efeitos do valor do dinheiro sobre os Valores Humanos e respetivos Antivalores. Estamos perante um sistema cujo propósito não é o desenvolvimento implícito de Valores Humanos, mas sim de valores negociais geradores de lucro para quem investe, relegando o Valor Humano para um plano inferior.

A finalidade principal do dinheiro é a de gerar lucro que não representa Valor Humano. O Valor Humano NÃO É DINHEIRO, É VALOR CONCRETO. O valor do dinheiro tem uma componente virtual muito grande.

Valores Humanos

Antivalores

Efeitos verificados pelo valor do dinheiro:

Amor

Ódio

Convenhamos que o dinheiro pela sua natureza tem probabilidade de gerar mais ódio do que amor.

Altruísmo

Egoísmo

Neste caso, verificamos que o dinheiro gera sobretudo mais egoísmo.

Amizade

Discórdia

Apesar de poder gerar mais amizade, se utilizado com valor humano, de outro modo causará discórdia pela natureza das condições que lhe estão associadas.

Empatia

Frieza

A empatia gerada pelo dinheiro é praticamente nula.

Bem Comum

Indiferença

Apesar de poder ser utilizado para o bem comum, grande parte das vezes é usado com muita indiferença, pois é encarado como um negócio que deve gerar lucro.

Cidadania

Exclusão social

Todos nós sabemos que pela sua natureza o dinheiro gera muita exclusão social dadas as condições em que é atribuído.

Civilização

Subdesenvolvimento

A nossa civilização foi fundada pelo poder do dinheiro. Por aqui podemos ver com clareza o grau de subdesenvolvimento que gerou ao longo de séculos de utilização.

Civismo

Desrespeito

Apesar de ser um sistema que requer muito civismo, verificamos que em muitas situações (mais do que desejadas) gera desrespeito pela atitude arrogante, por vezes gananciosa, com que é utilizado.

Comunidade

Isolamento

Este é um caso paradoxal, pois pode gerar espírito de comunidade, desde que todos (ou uma grande maioria) estejam em sintonia com o valor do dinheiro e utilizem as mesmas práticas. Caso contrário, provocará o isolamento daquela parcela de comunidade que não comungue desse valor.

Consciência

Inconsciência

Impossível comparar a consciência do dinheiro com a consciência do Valor Humano.

Cultura

Ignorância

A cultura baseada no dinheiro utiliza, em determinadas situações, um segredo como ‘alma’ do negócio que não abona muito a favor de abertura cultural, mas mais de ignorância para os que estiverem fora do negócio.

Dignidade

Indignidade

A meu ver o dinheiro, tal como está instituído atualmente em sociedade, tem muito pouco de digno e é causador de muita indignidade.

Educação

Grosseria

Esta é uma característica em que o valor do dinheiro, mais do que o desejado, gera muita grosseria pelo facto de ser utilizado por Pessoas pouco educadas. Por outro lado, podemos constatar que a própria educação é encarada como um negócio, como tal não se destina a todos, mas apenas aos que podem pagar por ela.

 

Valores Humanos

Antivalores

Efeitos verificados pelo valor do dinheiro:

Esperança

Desilusão

Apesar de inicialmente, o dinheiro ser causa de muita esperança projetada, acaba por causar muita desilusão pelas condições, grande parte das vezes draconianas, dos juros dos empréstimos e pela rigidez processual dos contratos, não tendo em linha de conta situações de imprevisibilidade.

Ética

Corrupção

Convenhamos, pela prática a que se chegou na atual crise financeira, que o dinheiro de ético tem muito pouco. Nos círculos financeiros fechados nada transpira em abono da ética.

Felicidade

Tristeza

Apesar de haver estudos recentes cujos resultados mostram que o dinheiro desencadeia maior felicidade pessoal, verificamos pela prática comum que provoca muita tristeza àqueles que o não têm (e que são a grande maioria) ou que possuem pouco, na vida do dia-a-dia.

Humanização

Desumanização

Nesta característica, estou em crer que pela Humanização constatada, o dinheiro não foi o principal ator. A desumanização crescente que temos assistido na sociedade atual tem mais que ver com a diferença entre ricos e pobres, do que uma diferença entre uma pessoa com mais valor humano que outra.

Idealismo

Materialismo

No caso do dinheiro impera o materialismo, apesar de em situações em que exista em abundância, possam surgir situações de um idealismo condicionado na sua aplicação.

Igualdade

Desigualdade

Todos nós sabemos que o dinheiro é causador de muita desigualdade na sociedade atual, dadas as condições em que é aplicado.

Justiça

Injustiça

Apesar do dinheiro estar baseado num sistema de justiça próprio, sabemos que é causador de muitas injustiças (vejamos o exemplo das falências dos bancos).

Liberdade

Escravidão

Deixo esta característica ao juízo dos leitores, para avaliarem se o dinheiro, no global, é gerador de liberdade ou escravidão. Relembro que todo o complexo sistema de escravidão humana (96 milhões de seres humanos envolvidos) é essencialmente causada pelo dinheiro.

Solidariedade

Aversão, hostilidade

O dinheiro também é utilizado para a prática solidária, mas verificamos que, na realidade, é causador de muita hostilidade. Relembro que todas as guerras são financiadas a ‘peso de ouro’, dados os interesses envolvidos (seja em recursos naturais ou de condições de influência de mercado).

O sistema baseado no Valor Humano é por natureza gerador e potenciador de Valores Humanos, em toda a Sociedade Global, com preocupações, dedicação e empenho na sustentabilidade da Biosfera e Ambiental.

O objetivo primordial é o de gerar entendimento fraterno entre as Pessoas focado no seu Valor real, sem necessitar de outros ‘apêndices’ virtuais que apenas geram ‘ruído’ no relacionamento Humano.

Assim sendo, pretende-se minimizar os Antivalores de modo sustentado e regularmente, conduzindo a uma Sociedade com maior harmonia, mais justa e com maior consciência social.

A meu ver, os objetivos intrínsecos do sistema baseado no Valor Humano não são compatíveis com o sistema baseado no valor do dinheiro. Para tal, basta verificar o estado atual do planeta e do relacionamento entre os Povos, os Países, as Regiões e as Comunidades, para constatarmos que o dinheiro só atrapalha e é causador de desigualdades chocantes e impróprias de Seres Humanos.

São as tristes realidades atuais, que se passam diariamente na vida das Pessoa e que se prolongam sistematicamente de geração em geração, em ciclos não virtuosos, que agravam invariavelmente toda a condição Humana.

O Planeta é de TODOS os Seres que o habitam, bem como os recursos da Biosfera. Como tal devem ser geridos em condições de igualdade, com características de sustentabilidade global rigorosa e sistemática.

Esta condição não deve ser alienada para qualquer outro Valor que não seja o do Valor Humano. Só o Valor Humano pode dar maior estabilidade dinâmica à Sociedade Global.”

Alfredo Sá Almeida                                                                                                      3 de Abril de 2015

Os Valores Humanos, os Antivalores e os Desvalores

Arquitetura Humana

“O Valor Humano é essencialmente um Valor intrínseco ao Homem na sua relação consigo e com os que o rodeiam. Resultará da integração dos vários Valores Humanos, em diferentes graus de inclusão, em cada Ser Humano. De certo modo, é um Valor Social pois o Homem é um Ser que vive em Sociedade e para quem a Vida solitária não está de acordo com a sua génese.

Como eu defino Valor Humano: “- Expressão, com resultado Humano positivo, do mundo interior do Homem sobre o mundo exterior.”; ou; “- Partilha de positivismo Humanista entre Seres Humanos”.

Para maior compreensão do texto que vou desenvolver, vou explicitar o que são Valores Humanos, Antivalores e Desvalores. Assim:

  • Valores Humanos – são o conjunto de características de uma determinada Pessoa ou Organização, que determina a forma como a Pessoa ou Organização se comportam e interagem com outros indivíduos e com o meio ambiente.

“Os Valores Humanos [Amor, Altruísmo, Amizade, Bem Comum, Cidadania, Civilização, Civismo, Comunidade, Consciência, Cultura, Dignidade, Educação, Esperança, Ética, Felicidade, Humanização, Idealismo, Igualdade, Justiça, Liberdade, Solidariedade] – (http://www.escoladecidadania.org/) O caráter universal e global destes são fundamentais para todas as mudanças de paradigmas civilizacionais no Futuro. Sem eles o VALOR do Homem ficará amputado e desviado do verdadeiro sentido da sua VIDA.” – Alfredo Sá Almeida

  • Antivalores – Os antivalores são contrários à dignidade da natureza humana. Uma pessoa que age sob o efeito dos antivalores, por muitas vezes, é uma pessoa fria e sem escrúpulos que não mede as consequências de seus atos. Os antivalores causam rejeição e são motivo de evasão nas pessoas. A lista que apresento abaixo não deve ser considerada exaustiva, apenas como significativa e representativa de Valores Humanos e Antivalores.

Valores Humanos

Antivalores

Amor

Ódio

Altruísmo

Egoísmo

Amizade

Discórdia

Empatia

Frieza

Bem Comum

Indiferença

Cidadania

Exclusão social

Civilização

Subdesenvolvimento

Civismo

Desrespeito

Comunidade

Isolamento

Consciência

Inconsciência

Cultura

Ignorância

Dignidade

Indignidade

Educação

Grosseria

Esperança

Desilusão

Ética

Corrupção

Felicidade

Tristeza

Humanização

Desumanização

Idealismo

Materialismo

Igualdade

Desigualdade

Justiça

Injustiça

Liberdade

Escravidão

Solidariedade

Aversão, hostilidade

  • Desvalores – Falta de Valor; perda de estima. Ausência de determinados Valores Humanos. Ou seja, Valores Humanos que não têm expressão numa determinada Pessoa.

Um Ser Humano, durante a sua vida e vivência em Sociedade, poderá integrar em si Valores Humanos, Antivalores e Desvalores, com diferentes graus de inclusão na sua personalidade e no seu caráter. O resultado dessa integração constituirá o seu Valor Humano que se repercutirá na interação em Sociedade, nas mais diversas situações.

Só poderemos considerar que uma Pessoa possui Valor Humano quando esse grau de integração for de natureza global positiva. Todas aquelas Pessoas que apenas integrarem Valores Humanos, sem Antivalores, terão um maior grau de Valor Humano, do que aquelas que integrarem predominantemente Antivalores.

Torna-se evidente que a ausência de determinados Valores Humanos, facto que por si só não constituirá Antivalor, não contribuirá para salientar o caráter francamente positivo do Valor Humano.

Devemos ter em linha de conta que a relação entre Valores Humanos, Antivalores e Desvalores, num Ser Humano, tem um caráter dinâmico e de certo modo evolutivo. Ao longo de uma vida e de uma vivência todas estas características vão tomando forma e ‘moldando’ a Pessoa, os seus comportamentos e as suas atitudes. O seu equilíbrio emocional, ou inteligência emocional, darão um contributo mais ou menos positivo para este processo de integração de Valores e/ou Antivalores ou ausência deles.

Assim sendo, cada um de nós será um resultado original deste processo de constituição de Valor Humano.

O mesmo se passa com as diferentes inteligências (racional, emocional e espiritual) que se exprimem em nós.

No entanto, mais inteligência por si só não representará mais Valor Humano, pois poderá estar completamente ‘desviada’ para os Antivalores.

Se pudéssemos estabelecer uma quantificação do Valor Humano para uma População Humana de um País, um Continente ou do Planeta, seguramente encontraríamos uma distribuição Gaussiana, também chamada de distribuição Normal, por estar relacionada com os fenómenos da Vida.

Distribuição Gaussiana

Esta distribuição de ocorrências representa a probabilidade de encontrar um determinado Valor numa determinada faixa desta curva. Assim, encontraremos (da esquerda para a direita da curva) respetivamente, uma quantidade de Pessoas com pouco ou nenhum Valor Humano (do lado esquerdo da curva) e uma certa quantidade de outras Pessoas com muito Valor Humano (lado direito da curva).

Na zona central desta curva, situar-se-ão as Pessoas comuns que caracterizarão um determinado padrão de Valor Humano, nessa População estudada.

Outro aspeto a ter em linha de conta sobre o Valor Humano é que está independente da religiosidade assumida pela Pessoa. Os princípios do Valor Humano são comuns a todas a Religiões, não podendo, portanto, confundir-se com estas. Por outro lado, a fé num Deus não acrescenta nem retira Valor Humano a uma Pessoa. São as atitudes e comportamentos em Sociedade, bem como o estatuto de coerência com a Pessoa em questão, imbuída de determinados Valores, que determina o Valor Humano em causa.

O mesmo se passa com as nuances culturais, em determinadas regiões do globo. Os Valores Humanos nessas Regiões estarão em consonância com a Cultura dessa Região.

As eventuais incapacidades físicas que uma Pessoa possa ter, com ou sem diversas dependências sociais, não deverão constituir fator de exclusão de grau de valorização em Valores Humanos. Apenas em situações em que existam incapacidades mentais, essas Pessoas estarão dispensadas dessa valorização.

Significa isto que os Valores Humanos, os Antivalores e os Desvalores, são comuns a toda a espécie Humana, e, como tal, devem ser entendidos com as suas especificidades. É a Educação que influencia toda a cadeia de Valor da Humanidade.

Todos os processos que a Humanidade desenvolver para melhorar o Valor Humano, seja pelos processos educativos, formativos ou de melhoria das condições de vida das Pessoas, tenderão a deslocar e curva para o lado direito, no sentido do maior Valor Humano.

Distribuição Gaussiana evolutiva

O Desenvolvimento Humano está dependente deste processo evolutivo. Poderemos dizer que quanto maior for o Valor Humano de uma Sociedade, maior será o seu grau de desenvolvimento. E, se esse desenvolvimento for Sustentável (em consonância com a Biosfera), maior Valor global terá no contexto das Nações.

Poderemos igualmente afirmar, que todas as medidas tomadas pela Governação de um País ou de uma região do mundo que contribuam para um aumento da Valorização Humana da sua População, terão efeitos significativos no Desenvolvimento Humano desse País ou região.

Mas não deveremos confundir Valorização com Desenvolvimento, porque este último está dependente do Valor Humano.

Imaginem que se constrói uma cidade de raiz, moderna e evoluída tecnologicamente, e, que essa cidade passa a ser habitada por ladrões, traficantes, corruptos, assassinos, etc. Seguramente que essa cidade não terá Valor Humano digno de nota. São as Pessoas que habitam uma cidade que conferem maior ou menor Valor à cidade.

Neste contexto, convém lembrar que a Natureza Humana é determinada quer pelo Valor Humano quer pelo Desenvolvimento, pois “é a parte do comportamento humano que se acredita que seja normal e/ou invariável através de longos períodos de tempo e de contextos culturais dos mais variados”.

Todos estes conceitos são evolutivos. Rapidamente chegamos à conclusão que se o Valor Humano for elevado, caracterizará a Natureza e o Desenvolvimento Humanos de uma forma dinâmica e positiva a caminho de um Futuro com prosperidade.

Como poderão facilmente compreender, todos estes processos evolutivos estão dependentes da existência de um clima de Paz global. Pois a Guerra ou a Guerrilha ‘institucionalizada’ prejudicam TUDO, o Valor, a Natureza e o Desenvolvimento Humanos. Ao contrário do que se possa pensar, só em clima de Paz, Segurança, Fraternidade e Respeito mútuo é que é possível desenvolver o Valor Humano de forma sustentada, se os processos educativos forem orientados nesse sentido.

A meu ver, só assim se poderá falar em Futuro próspero.”

Alfredo Sá Almeida                                                                                       28 de Março de 2015

Nota – Adotei da língua Espanhola a palavra ‘Antivalor’, por representar melhor o conceito que pretendo transmitir.