A dimensão social do mundo está em fase de transição

Dimensão social

Como os meus Leitores sabem, tenho vindo a defender uma mudança de paradigma do mundo globalizado. Considero que o Valor Humano é a melhor opção para estruturar e construir esse novo Paradigma de Sociedade. Neste meu blog tenho defendido, com diversos argumentos, que o Ser Humano estaria melhor representado se a mudança for no sentido de valorizar a Pessoa Social e desconstruir o poder do dinheiro. Os Valores Humanos possuem um papel preponderante em toda a nova ‘equação’ de Vida em Sociedade.

Vem isto a propósito de uma notícia recente sobre afirmações previsionais da Diretora-geral do FMI.

“Daqui a 30 anos mais de metade dos portugueses estarão inativos” (https://www.dinheirovivo.pt/economia/fmi-daqui-a-30-anos-mais-de-metade-dos-portugueses-estarao-inativos/) – Esta poderá ser uma triste realidade ou uma oportunidade para mudar de Paradigma da Sociedade, sem violência e com Consciência Coletiva.

Christine Lagarde tece os seus argumentos baseada no atual paradigma económico-financeiro, que representa mais dos mesmos problemas que têm assombrado os Países da Europa e do mundo.

O grande problema é que os resultados da aplicação dos ‘algoritmos’ do FMI normalmente têm efeitos devastadores sobre as Pessoas e a Sociedade. Quando se afirma que em 2050 mais de metade das Pessoas, em muitos Países Europeus (Portugal, Bélgica, França, Itália e Espanha) terão o mesmo problema – estarão inativas – significa que está mais do que na hora de mudar profundamente a estrutura do paradigma que conduziu a esta situação. “De acordo com um dos capítulos de análise do novo Panorama Económico Mundial (World Economic Outlook), edição da primavera, a simulação feita “sugere que, caso não haja qualquer nova política para impulsionar a participação [o conjunto das pessoas que trabalham e os desempregados ativamente à procura de emprego, isto é, a população ativa], a taxa de participação mediana tendencial irá cair 5,5 pontos percentuais ao longo dos próximos 30 anos”.”

Por outro lado, todos nós sabemos que a Globalização veio para ficar, mas que se encontra dominada pelo mundo financeiro e pelo sistema bancário (que continuam caducos).

Menciono aqui uma afirmação do Secretário-geral da ONU, António Guterres, na abertura do fórum Boao (conhecido como ‘Davos Asiático’) – “Estou profundamente convencido de que a globalização é universal e que trouxe vários benefícios, como a integração económica e o comércio”, mas também “lembrou que a globalização ajudou a reduzir a pobreza, mas que muitas pessoas foram deixadas para trás.” (http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/antonio-guterres-globalizacao-trouxe-varios-beneficios-291376).

Pois bem, seria uma grande prova de inteligência reconhecer que o sistema falhou e começar a propor grandes alterações e mudanças estruturais (abandonando o paradigma que nos trouxe a esta triste situação), onde as Pessoas, os Valores Humanos e a Sustentabilidade da Biosfera sejam o centro das atenções e os pilares da construção do novo Paradigma, que tenho vindo a defender desde há mais de três anos.

Todos estes problemas mencionados significam que a dimensão Social dos Países e das respetivas Sociedades devem contribuir para reestruturação da economia e do relacionamento das Pessoas.

A meu ver, quanto mais os problemas do mundo avançam, a um ritmo assustador, mais sentido faz a proposta que tenho vindo a defender. Seria BOM que não deixássemos chegar ao ponto referido com veemência pelo Neurocientista António Damásio“Sem educação, os homens ‘vão matar-se uns aos outros’”. (https://www.publico.pt/2017/10/31/ciencia/noticia/sem-educacao-os-homens-vao-matarse-uns-aos-outros-diz-antonio-damasio-1791034)

Alfredo Sá Almeida                                                                               10 de Abril de 2018