A Realidade Humana

Realidade 3

A Realidade é um universo com várias dimensões e muitas variáveis. Está dependente de quem a interpreta e do método utilizado na interpretação. Para que essa interpretação seja mais precisa deverá basear-se em recolha de dados e métodos estatísticos, que no final deverão ainda ser compilados e submetidos a outra interpretação. Lembremo-nos, mesmo quando existem diferentes observadores da mesma realidade em simultâneo, o modo como a interpretam pode ser diferente. Por comparação, a Realidade corresponde à recolha de dados em tempo-real nas tecnologias da informação.

Sem dúvida está dependente de atitudes e comportamentos dos Seres Humanos, da sua Educação, da Consciência adquirida e da envolvente Social e Coletiva. A maneira de Ser e de Estar contribuem decisivamente para a Realidade.

“O termo realidade se refere a uma circunstância externa à percepção humana e que é independente dela. A realidade representa todos os fenômenos do universo cujas leis estão fora de alcance da vontade do homem. Assim, compete ao homem conhecer as leis e compreendê-las para ter algum tipo de influência na realidade. Ela existe de alguma maneira determinada e pode ser básica em algum ponto, mas também pode servir de debate na história da filosofia e da ciência. De facto, sempre foi necessário estabelecer um limite entre o real e a percepção dos sentidos para fins da ciência. Desta forma, podemos observar as várias controvérsias do passado.” (https://conceitos.com/realidade/)

Realidade 1

Atualmente somos 7,5 biliões de Seres conscientes e inteligentes, neste Planeta, e muitos biliões mais de outros Seres Vivos na nossa Biosfera. Cada um dos Seres Humanos tem a sua interpretação de uma realidade. Os mais esclarecidos terão na sua mente uma realidade de maior dimensão, dependendo das suas experiências de vida e dos conhecimentos adquiridos. Mas não necessariamente uma interpretação suficientemente abrangente para ser considerada global.

Aliás, o Global vai depender da dimensão que se considerar e do objeto de observação. Assim sendo, deveremos considerar as diferentes parcelas da Realidade e as suas interações. Parece complexo e é complexo. Só um processo de compartimentação e simplificação interpretativa poderá ajudar a esclarecer a Realidade objeto de observação, porque é multidimensional.

Mas a que propósito estou eu a dificultar-lhes a interpretação da Realidade? Porque ela tem de ser objetiva, bem dimensionada e submetida à Razão (raciocínio lógico-dedutivo dos factos). “Razão, no sentido geral, é a faculdade de conhecimento intelectual próprio do ser humano, é um entendimento, em oposição à emoção. É a capacidade do pensamento dedutivo, realizado por meio de argumentos e de abstrações. É a faculdade de raciocinar, de ascender às ideias.” (https://www.significados.com.br/razao/)

Como podem verificar não é um processo fácil. No entanto, há quem o transforme em facilitismo na interpretação, e/ou, deturpe a interpretação dos factos para dar outra sensação de realidade. Este é o estado perigoso em que o Homem transforma a Realidade.

Basta observarmos o dia-a-dia da Comunicação Social e das Redes Sociais, que nos envolvem muito tempo, para nos apercebermos do modo como recebemos uma parcela da realidade. Uma dimensão perversa do que chamamos de Realidade, vem sobre a forma de fake-news (notícias falsas).

Mas o Homem, na sua senda de pesquisa, inovação e criatividade, não se fica por estas dimensões! Desenvolveu mais dimensões de percepção da realidade – Realidade Virtual, Realidade Aumentada, Realidade Mista.

Realidade 6

(Fonte da imagem: https://moreleads.pt/realidade-mista-e-marketing-digital/ )

No Presente e num Futuro Próximo, o Ser Humano tem de estar muito bem preparado, através da Educação e do Ensino (todos os níveis), em matéria de Conhecimento e de capacidade interpretativa para não se deixar envolver racional e emocionalmente pelos caminhos tortuosos da realidade facilitada. Sobretudo preparar bem a sua Consciência Individual e Coletiva para as armadilhas que determinados grupos económicos e financeiros, religiosos e espirituais, políticos e sociais, de índole pouco confiável, nos quererem ‘mentalizar’ para o lado ‘negro’ da Realidade.

A mente Humana, por ser ‘moldável’ e ‘volúvel’, deverá possuir as características e Valores Humanos, da nossa espécie melhorada, para não perdermos definitivamente a nossa dignidade e condição Humanista.

Infelizmente, o Homem é ‘bombardeado’ constantemente com informação de todo o tipo. É uma ‘guerra’ continuada com tendências de guerra-fria, onde impera a hipocrisia, na qual deve sobressair o Ser Humano de Valor.

A este propósito gostaria de vos transcrever um comentário que a minha querida companheira Angela Figueiredo Alem fez sobre o meu texto “À Descoberta do Planeta Terra”  (https://valorhumano.me/2019/05/05/a-descoberta-do-planeta-terra/), que a meu ver traduz bem o modo como encaramos a Realidade:

“E quanto mais nos conhecemos como Humanidade, mais percebemos quanto somos absurdamente ignorantes, quando formulamos raciocínios falsos a fim de ‘massagear nosso ego’, tirando conclusões que não condizem com as atitudes que apresentamos no nosso cotidiano!

Basta observar, o que fazemos com os nossos semelhantes e o nosso Planeta! Sem contar com o que fazemos até a nós mesmos!

A grande maioria de nós, nasce perfeita… sim!

Entretanto, perfeitos apenas o suficiente para começarmos a nos destruir ao adquirirmos um pouco de autonomia para destruirmos:

  • O nosso Planeta, o nosso corpo e o nosso cérebro;
  • O nosso presente e o nosso futuro (individual e coletivo), através de comportamentos destrutivos e até suicidas [como: vícios que matam tão lentamente que os viciados não acreditam, nem percebem… aliás, só perceberiam se realmente fossem inteligentes. E que vícios são estes que matam nos ‘quatro cantos’ deste planeta? 1) Cigarros de todo o tipo; 2) Bebidas alcoólicas de todo o tipo; 3) Drogas de todo o tipo e espécie, já criadas e utilizadas em todo o Planeta].”Angela Alem 

O Homem tem um prazer mórbido e uma obsessão pelo ‘abismo’ julgando que poderá sempre voltar para trás e recuperar outro caminho melhor. Mas não é verdade. Muitas Pessoas escolhem caminhos de vida destruidores de inteligência julgando que podem inverter o sentido. Esquecem-se que existem caminhos que uma vez trilhados não têm retorno, pois os elementos existentes nesse caminho se encarregam de os ‘puxar’ para a sua autodestruição. Infelizmente muitos de nós não possuem a Consciência desta triste realidade e julgam-se Super Homens. Quem consegue superar dessas trágicas vicissitudes, não só demonstra coragem como se transforma num vencedor que pode ajudar outros na mesma condição.

Pelo que me é dado observar, o Homem possui um poder destruidor bem mais potente que o poder de construir sustentadamente caminhos de Vida. Basta verificarmos o modo como as alterações climáticas e o aquecimento global estão a ser combatidas, para constatarmos que a este ritmo morreremos todos ‘fritos’.

Vejamos a realidade dos resíduos de plástico e constataremos que será preferível construir um continente flutuante do que limpar o lixo que é depositado nos oceanos. A questão que se pode colocar é de natureza ética. A biosfera marinha pertence a seres que o Homem está a envenenar e a destruir, para além da destruição dos bancos de pesca que o Homem usa para seu belo prazer.

Portanto, meus caros Leitores, a Realidade somos NÓS que a construímos todos os dias, a todas as horas, com as nossas atitudes e comportamentos. Quanto mais estivermos imbuídos de Valores Humanos e Consciência Individual e Coletiva, melhor preparados estaremos para construir o nosso Futuro Sustentável neste Planeta único do nosso Universo. Mesmo que não seja único temos o DEVER de respeitar o equilibro da nossa Biosfera, que se tornou a nossa casa.

Realidade 9

Alfredo Sá Almeida                                                                                   19 de Maio de 2019

Anúncios

Inteligência e Consciência de Futuro Coletivo

– Este texto resultou de uma conversa muito interessante com a minha querida companheira Angela Alem (https://angelaalem.wordpress.com/). As suas preocupações fundamentadas com a Educação, bem como a suas ideias e soluções para uma Educação de qualidade estão expressas no seu Blog. –

Existem dois “consensos” de definição de inteligência (fonte de informação Wikipédia – https://pt.wikipedia.org/wiki/Intelig%C3%AAncia). O primeiro, de ‘Intelligence: Knowns and Unknowns’, um relatório de uma equipe congregada pela Associação Americana de Psicologia, em 1995:

“Os indivíduos diferem na habilidade de entender ideias complexas, de se adaptarem com eficácia ao ambiente, de aprenderem com a experiência, de se engajarem nas várias formas de raciocínio, de superarem obstáculos mediante o pensamento. Embora tais diferenças individuais possam ser substanciais, nunca são completamente consistentes: o desempenho intelectual de uma dada pessoa vai variar em ocasiões distintas, em domínios distintos, a se julgar por critérios distintos. Os conceitos de ‘inteligência’ são tentativas de aclarar e organizar esse conjunto complexo de fenómenos.”

Uma segunda definição de inteligência vem de ‘Mainstream Science on Intelligence’, que foi assinada por cinquenta e dois pesquisadores em inteligência, em 1994:

“Uma capacidade mental bastante geral que, entre outras coisas, envolve a habilidade de raciocinar, planejar, resolver problemas, pensar de forma abstrata, compreender ideias complexas, aprender rápido e aprender com a experiência. Não é uma mera aprendizagem literária, uma habilidade estritamente acadêmica ou um talento para sair-se bem em provas. Ao contrário disso, o conceito refere-se a uma capacidade mais ampla e mais profunda de compreensão do mundo à sua volta – ‘pegar no ar’, ‘pegar’ o sentido das coisas ou ‘perceber’ uma coisa.”

Todos nós possuímos uma inteligência individual, assim como possuímos uma consciência do mundo que nos rodeia. Infelizmente nem todos desenvolvem estas capacidades. Muitos não tiveram a oportunidade de desbravar as suas capacidades através de uma Educação bem orientada para a sua individualidade, nem foram estimulados a aumentar estas competências, ou os seus conhecimentos, devido às características e ao modo de organização da Sociedade passada e atual.

Provavelmente, se todos nós tivéssemos as mesmas boas oportunidades de Educação de qualidade e acesso ao conhecimento, quer a inteligência quer a consciência individuais seriam de natureza distinta e de maior dimensão.

Mas nada nos impede de adquirirmos ao longo da vida uma inteligência e consciência coletivas. Nestes casos estamos perante uma dimensão “mais ampla e mais profunda de compreensão do mundo à nossa volta”. Ou seja, para além de sermos capazes de ‘dominar’ as capacidades individuais, temos os conhecimentos mais globais do mundo e das Pessoas que nos rodeiam, o que nos permite uma compreensão ampla no sentido coletivo e de grupo de Seres Humanos, pela nossa vivência em Sociedade e de habitarmos a mesma Biosfera.

A Inteligência e a Consciência Coletivas inserem-nos numa comunidade regional e numa comunidade de Nações, permitindo-nos compreender as diferenças e as ‘nuances’ da Sociedade e sermos capazes de nos comprometer com ideias e conceitos comuns a muitos dos nossos pares.

“A Inteligência Coletiva é um conceito de um tipo de inteligência compartilhada que surge da colaboração de muitos indivíduos em suas diversidades. É uma inteligência distribuída por toda parte, na qual todo o saber está na humanidade, já que ninguém sabe tudo, porém todos sabem alguma coisa.” https://pt.wikipedia.org/wiki/Intelig%C3%AAncia_coletiva.

A Consciência coletiva, de acordo com o sociólogo francês Émile Durkheim, é um conjunto cultural de ideias morais e normativas, a crença em que o mundo social existe até certo ponto à parte e externo à vida psicológica do indivíduo.

“Conjunto das crenças e dos sentimentos comuns à média dos membros de uma mesma sociedade que forma um sistema determinado com vida própria”

Toda a teoria sociológica de Durkheim pretende demonstrar que os fatos sociais têm existência própria e independente daquilo que pensa e faz cada indivíduo em particular. Embora todos possuam sua “consciência individual”, seu modo próprio de se comportar e interpretar a vida, podem-se notar, no interior de qualquer grupo ou sociedade, formas padronizadas de conduta e pensamento. Essa constatação está na base da que Durkheim chamou de consciência coletiva.”

Aconselho os meus Leitores a consultarem as notícias vindas a público, nestes últimos dias, para se inteirarem de alguns dos grandes problemas que estamos a enfrentar e que nos deverão levar a mudar o rumo da Sociedade Global.

•  http://observador.pt/2017/11/13/15-mil-cientistas-avisam-a-humanidade-em-breve-sera-demasiado-tarde/
•  https://www.dn.pt/sociedade/interior/mais-de-15000-cientistas-renovam-aviso-sobre-riscos-ambientais-da-acao-do-homem-8913838.html
•  https://g1.globo.com/natureza/noticia/ameacas-ao-planeta-sao-muito-piores-do-que-ha-25-anos-diz-carta-assinada-por-15-mil-cientistas.ghtml
•  https://www.rtp.pt/noticias/economia/cientista-stephen-hawking-otimista-mas-lanca-avisos-sobre-inteligencia-artificial_n1038623
•  http://www.tvi24.iol.pt/tecnologia/08-11-2017/stephen-hawking-diz-que-a-terra-vai-virar-uma-bola-de-fogo-gigante-em-2600
•  http://br.blastingnews.com/ciencia-saude/2017/11/humanos-terao-que-fugir-da-terra-em-busca-de-novo-lar-alerta-stephen-hawking-002159861.html
•  http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/2017-05-03/stephen-hawking.html

Perante os problemas do mundo atual, em grande medida (senão na totalidade) causados por nós, pela nossa maneira de lidar com o mundo, com a Sociedade e com o que nos rodeia, deveríamos ser capazes de compreender mais profundamente e nos comprometermos com ideias e conceitos científicos comprovados globalmente, abandonando as más práticas que nos fazem estar a destruir o Planeta e por consequência, a nós próprios.

Mas não, a inteligência das Pessoas do mundo atual está a demonstrar que não serve para mudar o mundo nem mesmo elas próprias.

A evolução do Homem nos últimos séculos não favoreceu o desenvolvimento da nossa Inteligência Coletiva. Apenas a inteligência individual se desenvolveu a um ritmo bastante superior. A Inteligência Coletiva ajuda-nos a correlacionar, a inter-relacionar, a compreender melhor o mundo que nos rodeia e as outras Pessoas.

Afinal para que serve a inteligência das Pessoas?

• Para ganhar dinheiro?
• Para resolver grandes problemas?
• Para destruir o sistema instituído?
• Para construir o bem-comum?
• Para mudar o mundo para melhor?
• Para construir a nossa felicidade coletiva?
• Para construir um Futuro Coletivo digno de Seres Humanos na nossa Biosfera?

São tantas as perguntas que ainda não têm resposta que se torna legítimo duvidarmos se teremos Inteligência e Consciência Coletivas para conseguirmos ultrapassar os grandes problemas que causámos à Sociedade Global e á Biosfera.

Serão, na realidade, os Seres Humanos os Seres mais inteligentes do Planeta?

Alfredo Sá Almeida                                                                              16 de Novembro de 2017

 

A crise da Consciência

Crise de Consciencia

Esta é uma crise na consciência individual e coletiva.
A construção de um novo paradigma para a Sociedade do Futuro vai depender da coesão de uma nova consciência coletiva, que vai ganhando coerência à medida que o caminho vai sendo construído.
Saibamos honrar a inteligência de Seres Humanos com Valores na construção do Futuro da Humanidade.

Alfredo Sá Almeida                                                                                                              15 de Julho de 2015