Um ‘Déjà-vu’ sem Valor Humano

Deja vu1

Já avançámos o suficiente na História e na evolução da condição da espécie Humana, para verificarmos que, com a atual ‘fórmula’ de Governança económica-financeira-social do mundo globalizado, nos conduzirá invariavelmente (apesar das multivariáveis) a resultados catastroficamente semelhantes.

O mais grave de toda esta realidade é o facto dos atuais dirigentes, líderes, governantes, etc., saberem que esta afirmação é verdadeira mas continuarem a insistir nela, admitindo que os resultados sociais serão apenas diferentes o suficiente para manter o status quo, que lhes permitirá continuar a liderar, governar, dirigir por questões de manutenção de PODER.

Verifico, com muita tristeza, que lhes falta muito Valor Humano e muita visão Humanista de Futuro para delinearem melhores estratégias para as questões Sociais e de Desenvolvimento Humano.

Estamos numa rotina de ‘déjà vu’ que não trará bons resultados à História futura do Homem.

A mente Humana não é perfeita na sua sabedoria, nem na aplicação prática do seu discernimento, todos nós sabemos isso. Mas, sabendo isso, é estranho que o Homem não se previna e não se rodeie dos seus semelhantes e dos processos mentais mais corretos, que desfaçam rotinas geradoras de involução!

Caso enveredássemos declaradamente por um processo dinâmico de desenvolvimento Humano sustentado, rodeado de uma condição educativa de Valor Humano, com respeito, consideração, dignidade e liberdade pela expansão e expressão da mente, estaríamos seguramente num melhor caminho de Futuro.

Quando observamos o desenvolvimento da mente humana imbuída de Valores Humanos, verificamos que os resultados sociais são significativamente melhores.

Saber isto e não fazer nada é ser declaradamente negligente com o Futuro do Homem.

O conhecimento Humano, os processos científicos desenvolvidos, as tecnologias já construídas e em construção, o desenvolvimento social já conseguido em situações experimentais, permitem-nos dizer que o Homem, na sua globalidade planetária, merece mais e melhor, com menos efeitos nocivos para as diferentes Sociedades.

Tirem TODAS as armas (e sistemas bélicos) ao Homem e permitam-lhe criar Valor, em vez de Poder, com a liberdade de aplicar esse Valor à Sociedade, com sabedoria, e a motivação e criatividade surgirão bem enquadradas no Desenvolvimento. Estruture-se um acompanhamento Tutor (sabedor e orientador), para apoiar essas Pessoas no seu percurso de Valor e veremos ‘florescer’ a condição Humana de Valor.

Considera que o sistema financeiro internacional fará melhor desenvolvimento humano para o futuro do Homem? Talvez prefira ter um ‘déjà vu’ da História do Homem em vez de caminhar para o Futuro!

Alfredo Sá Almeida                                                                                                      26 de Outubro de 2015

A Hipocrisia não entra no Valor Humano!

Lobo com pele de cordeiro C

Vivemos tempos difíceis em variadas dimensões Humanas: Social, Intelectual, Política, Económica, Educacional, etc.

O Homem conseguiu complicar cada uma destas dimensões a um nível tal que não se torna possível explicar apenas pela ausência de Valores. Um dos elementos deturpadores e demolidores do bom desenvolvimento destes referenciais chama-se HIPOCRISIA.

Este comportamento e atitude, de muitos membros da Sociedade atual, é usado e abusado despudoradamente de um modo maquiavélico tal, que contribui para abafar o Valor Humano. Esta conduta não encontrando obstáculo, acaba por proliferar devido à nossa indiferença e passividade.

Infelizmente, tornou-se uma característica aperfeiçoada e refinada com o contributo dos meios de comunicação social, das tecnologias da comunicação e da informação, da publicidade e do marketing.

Para o analista social Noam Chomsky, a hipocrisia, é definida como a recusa de “… aplicar a nós mesmos os mesmos valores que se aplicam a outros”. Os hipócritas são especialistas em denunciar e humilhar alguém por determinados comportamentos e atitudes em que eles próprios se aperfeiçoaram. Na grande maioria das vezes vem disfarçada de crítica moral.

François de La Rochefoucauld utilizou a sua mordacidade para colocar a nu a essência do comportamento hipócrita: “A hipocrisia é a homenagem que o vício presta à virtude”.

Eu tenho vindo a defender e a dar corpo ao tema do Valor Humano de um modo sincero e honesto, realçando os atributos que deveriam ser desenvolvidos pelo sistema educacional e anulando aqueles que estão, nitidamente a prejudicar a criação desse Valor. Muitas vezes dou comigo a meditar sobre o modo como os meus Leitores ‘sentem’ a leitura que fazem, do que escrevo. Fico com algum receio que o ‘complicómetro’ da hipocrisia retire Valor àquilo que escrevo.

O facto de ser espontâneo e sincero acaba por me expor à crítica maliciosa de quem quer ‘ver’ em mim um ‘moralista mal acabado’. E, como não sou um especialista em hipocrisia não me dá destreza de disfarçar o que sinto e o que penso.

Ultimamente temos assistido a momentos de pura hipocrisia política, económica e social, devido ao fenómeno dos migrantes da Síria e de outros Países da Ásia e da África.

Meus caros Leitores, se quiserem condenar algum migrante sejam JUSTOS e não HIPÓCRITAS! Utilizem os referenciais de Valor Humano que utilizam convosco!

Pensem nos migrantes, que por todo o mundo, colocam a sua vida em risco e a dos seus entes mais queridos, para conseguirem uma vida mais digna e melhor, atravessando fronteiras, mares, montanhas, desertos e gelo, para chegarem a um destino que lhes permitirá obter maior dignidade como Seres Humanos. Imaginem as mudanças e a motivação que são necessárias para realizar essa epopeia e a capacidade de acolhimento que os que os recebem têm que ter para que exista fraternidade.

Sobretudo, pensem nesses migrantes como se fossem VOCÊS!

Esses migrantes FOGEM de tudo o que não presta em Sociedade. Fogem da guerra, da escravidão, da estagnação de uma Vida sem qualidade, fogem da falta de oportunidades, fogem de doenças que ninguém controla, para eles e para os seus filhos, fogem de uma Sociedade que não lhes oferece Educação, em suma, fogem de uma Sociedade doente e sem perspetivas de cura, que muitos de nós ocidentais (ditos povos civilizados) ‘alimentamos’ com os nossos maus hábitos e vícios de Vida.

Que será melhor para eles, ficar e confrontar os políticos e militares locais para melhorarem as condições de Vida, ou, deixar tudo para trás e procurar outro local onde possam ser mais felizes? Quem os pode ajudar?

Quando é para promover a guerra, os Países Ocidentais estão na linha da frente junto desses Países do Médio Oriente e Ásia, fornecendo-lhes armas e enviando soldados. Mas depois que as realidades e o choque cultural se complicam e as Pessoas têm de fugir da guerra e das atrocidades, colocam-se na retaguarda e esperam que outros resolvam o que eles ajudaram a criar.

Entretanto, existem políticos no ocidente que classificam os migrantes como ‘praga’, nem lhes dão uma condição Humana, construindo ‘muros’ para os impedir de passar.

Os Europeus enchem-se de preconceitos e outras atitudes e comportamentos hipócritas contra os migrantes, mas já não se lembram do que aconteceu com os seus antepassados, e durante as Primeira e Segunda grandes Guerras Mundiais, com migrações maciças para todo o continente Americano (Norte, Centro e Sul). Afinal, os nossos antepassados ainda acabaram por prejudicar as culturas e os Povos Índios dos Países para onde migraram. Esses Povos são na realidade os verdadeiros donos do Brasil e de todos os outros territórios Americanos. Por todo o lado, os ocidentais migrantes (na grande maioria Católicos) portaram-se como infiéis. Ocuparam as terras, expulsaram e maltrataram quem lá vivia. E, ainda hoje, se acham no direito de continuar a fazer o que há muito a consciência global condena. E ainda são capazes de se insurgir contra os terroristas do Estado Islâmico por aquilo que estão a fazer no médio oriente (que é humana e culturalmente condenável)! Mas que falta de coerência, hipocrisia e falta de Valores Humanos!

O mesmo se passa, nos dias de hoje, com as realidades da Desigualdade e do Desenvolvimento Humano que estão envoltas em muita hipocrisia e muita ausência de Valor Humano.

Continuamos a não valorizar a IGUALDADE de oportunidades e a não dar as mesmas condições de vida e educação, a crianças e jovens, quer tenham pouco ou muito do ponto de vista económico.

Separamos e classificamos as Pessoas pelo valor monetário e não as apreciamos pelo seu Valor Humano. Deste modo, será muito difícil obtermos uma Cultura de Valor aplicada ao mundo global.

Deixemos de nos especializar em hipocrisia e especializemo-nos em Valor Humano, tornando assim mais fácil e saudável todo o relacionamento entre Seres Humanos.

Sejamos Pessoas de verdade e não ‘atores’ pretensiosos e fingidos, que colocam o ‘negócio’ no centro do relacionamento Humano!

Será que consideramos que a nossa segurança e o nosso bem-estar são mais importantes e mais valiosos que a segurança e bem-estar dos outros? Afinal, somos Seres empáticos ou apáticos?

Alfredo Sá Almeida                                                                                       12 de Setembro de 2015

Os 3V’s que prejudicam o Valor Humano

Seguramente que estão curiosos para saber que V’s são estes! Não vou prolongar mais a vossa legítima curiosidade.

Os 3V’s aos quais me refiro são os do Vício, da Vaidade e da Vulgaridade.

São características de Seres Humanos que os diminuem e lhes retiram Valor. Vamos falar de cada um destes V’s e refletir sobre os prejuízos que causam à nossa espécie e à estrutura de qualquer Sociedade.

George Bernard Shaw dizia e bem que “Vícios são desperdícios de vida”. E não podia estar mais certo no que afirmava.

Quando pensamos na dimensão das dependências às quais o Ser Humano da atualidade se entregou, ficaremos abismados e preocupados, não só pela complexidade que estes provocam no relacionamento em Sociedade, mas também pela degradação que provocam na sua genuína estrutura.

Dada a quantidade de Vícios que existem na Sociedade atual, tenho alguma dificuldade em afirmar se serão mais que as Virtudes. Não vou mencioná-los todos para não ser cansativo e porque me poderia esquecer de algum.

Mas uma coisa é certa, todos temos consciência de que a Sociedade tem vindo a desenvolver-se de um modo descontrolado, não pelo excesso de Liberdade, mas pela falta de uma Educação dedicada a Seres Humanos racionais, com sentimentos e espiritualidade. A ausência da transmissão de Valores Humanos, de geração em geração, de forma coerente e consistente tem conduzido a um aumento desta característica catastrófica de Vícios do Homem.

Quando penso que seria bem mais fácil e proveitoso para o Homem e a Sociedade desenvolverem as Virtudes do Ser Humano, fico arrepiado só pelo vislumbre do que estamos a fazer a nós próprios. Com tantas outras catástrofes anunciadas para todo o nosso Planeta, desde o aquecimento global, às carências de água potável, às pandemias e à fome, certamente não necessitávamos dos Vícios Humanos para prejudicar ainda mais o nosso Valor.

Na realidade, Nós Seres Humanos cuidamos muito mal da VIDA.

Vicios cartoon

Há uma outra matéria que me leva a questionar, vezes e vezes sem conta, as capacidades do Homem, e está relacionada com a Vaidade.

Mas afinal de contas como pode um Ser Humano ser Vaidoso com tanto prejuízo que causa a si mesmo e à Sociedade? Só mesmo por pura inconsciência e falta de estrutura mental (caráter e personalidade) é que alguém, nos dias de hoje, numa Sociedade em crescimento e processo de globalização (comunicacional, procedimentos e normativas, conhecimentos), poderá ser Vaidoso.

A meu ver, isto vem demonstrar que o caminho que o Desenvolvimento Humano tem seguido nas últimas décadas está profundamente ERRADO e carece de uma intervenção global e muito mais inteligente, digna de Seres Humanos sábios.

Pensem bem, meus caros Leitores, sobre as frivolidades que vemos todos os dias na rua, nos meios de comunicação social (jornais, revistas, televisão, redes sociais, internet, etc.), sobre a razão de SER destas atitudes e comportamentos de Vaidade Humana. Estamos a tornar-nos numa Sociedade volátil e virtual sem sentido e sem estrutura de dignidade Humanas.

Onde está a aprendizagem e a cultura de Humildade entre Seres Humanos? Seguramente pelas ruas da amargura!

Está preocupado? É bom que esteja porque por este caminho não vamos a lado nenhum que possa ser digno do Homem.

Já não bastava o que mencionei anteriormente e ainda temos que lidar com a Vulgaridade de comportamentos e atitudes.

Dá a sensação que todos os avanços científicos, tecnológicos, sociais, civilizacionais e psicológicos que a Humanidade sofreu nos últimos 100 anos não serviram a espécie Humana, nem aumentaram a sua Inteligência Holística. Tenho até dúvidas que tenham desenvolvido a empatia em Sociedade!

Quando assistimos, impávidos e serenos, à degradação generalizada da Educação, com tanta mente esclarecida e válida na nossa Sociedade, fico apreensivo sobre se não será propositado!

Atualmente podemos verificar sem dificuldade que favorecemos, potenciamos, defendemos e cultivamos uma mediocridade e uma vulgaridade entre os Humanos. Basta olhar para o que se passa nas redes sociais para ficarmos com uma excelente amostra do que estou a falar.

Vulgar - Fernando Pessoa

De vez em quando, verificamos um despontar da cultura de Excelência, em vários domínios da Sociedade, como se fossem ilhas num mar alteroso e não desbravado de Vulgaridade e mediocridade.

Moral da história, não temos andado por bons caminhos (muitos nem sequer poderão ser considerados caminhos), mas estamos a tempo de melhorarmos como Homens, sobretudos como Seres Humanos com VALOR, e desenvolvermos de modo sistemático, coerente e consistente uma Cultura Globalizada de Valor Humano, com inteligência multifocal que permita um desenvolvimento sustentado e sustentável da espécie Humana.

Está TUDO por fazer nos domínios da Educação Global do Ser Humano. Já era tempo do Homem saber, e se por de acordo, com o que verdadeiramente quer de BOM para si e para a Sociedade, para poder transmitir às novas gerações todas as Virtudes que a Humanidade deveria cultivar espontânea e coerentemente.

O que eu desejo, sinceramente, é que cada um de Nós se torne conscientemente (consciência coletiva) mais ativo na defesa, construção e desenvolvimento de uma cultura Humana e Global, sem nos esquecermos das particularidades e especificidades de cada cultura regional, para nos tornarmos numa Sociedade plural e planetária.

Sobretudo que tenhamos a Inteligência de o fazer sem guerras e sem os interesses habituais, que mais parecem Vícios de uma Sociedade doente.

Alfredo Sá Almeida                                                                                       13 de Agosto de 2015

Os Valores Humanos, os Antivalores e os Desvalores

Arquitetura Humana

“O Valor Humano é essencialmente um Valor intrínseco ao Homem na sua relação consigo e com os que o rodeiam. Resultará da integração dos vários Valores Humanos, em diferentes graus de inclusão, em cada Ser Humano. De certo modo, é um Valor Social pois o Homem é um Ser que vive em Sociedade e para quem a Vida solitária não está de acordo com a sua génese.

Como eu defino Valor Humano: “- Expressão, com resultado Humano positivo, do mundo interior do Homem sobre o mundo exterior.”; ou; “- Partilha de positivismo Humanista entre Seres Humanos”.

Para maior compreensão do texto que vou desenvolver, vou explicitar o que são Valores Humanos, Antivalores e Desvalores. Assim:

  • Valores Humanos – são o conjunto de características de uma determinada Pessoa ou Organização, que determina a forma como a Pessoa ou Organização se comportam e interagem com outros indivíduos e com o meio ambiente.

“Os Valores Humanos [Amor, Altruísmo, Amizade, Bem Comum, Cidadania, Civilização, Civismo, Comunidade, Consciência, Cultura, Dignidade, Educação, Esperança, Ética, Felicidade, Humanização, Idealismo, Igualdade, Justiça, Liberdade, Solidariedade] – (http://www.escoladecidadania.org/) O caráter universal e global destes são fundamentais para todas as mudanças de paradigmas civilizacionais no Futuro. Sem eles o VALOR do Homem ficará amputado e desviado do verdadeiro sentido da sua VIDA.” – Alfredo Sá Almeida

  • Antivalores – Os antivalores são contrários à dignidade da natureza humana. Uma pessoa que age sob o efeito dos antivalores, por muitas vezes, é uma pessoa fria e sem escrúpulos que não mede as consequências de seus atos. Os antivalores causam rejeição e são motivo de evasão nas pessoas. A lista que apresento abaixo não deve ser considerada exaustiva, apenas como significativa e representativa de Valores Humanos e Antivalores.

Valores Humanos

Antivalores

Amor

Ódio

Altruísmo

Egoísmo

Amizade

Discórdia

Empatia

Frieza

Bem Comum

Indiferença

Cidadania

Exclusão social

Civilização

Subdesenvolvimento

Civismo

Desrespeito

Comunidade

Isolamento

Consciência

Inconsciência

Cultura

Ignorância

Dignidade

Indignidade

Educação

Grosseria

Esperança

Desilusão

Ética

Corrupção

Felicidade

Tristeza

Humanização

Desumanização

Idealismo

Materialismo

Igualdade

Desigualdade

Justiça

Injustiça

Liberdade

Escravidão

Solidariedade

Aversão, hostilidade

  • Desvalores – Falta de Valor; perda de estima. Ausência de determinados Valores Humanos. Ou seja, Valores Humanos que não têm expressão numa determinada Pessoa.

Um Ser Humano, durante a sua vida e vivência em Sociedade, poderá integrar em si Valores Humanos, Antivalores e Desvalores, com diferentes graus de inclusão na sua personalidade e no seu caráter. O resultado dessa integração constituirá o seu Valor Humano que se repercutirá na interação em Sociedade, nas mais diversas situações.

Só poderemos considerar que uma Pessoa possui Valor Humano quando esse grau de integração for de natureza global positiva. Todas aquelas Pessoas que apenas integrarem Valores Humanos, sem Antivalores, terão um maior grau de Valor Humano, do que aquelas que integrarem predominantemente Antivalores.

Torna-se evidente que a ausência de determinados Valores Humanos, facto que por si só não constituirá Antivalor, não contribuirá para salientar o caráter francamente positivo do Valor Humano.

Devemos ter em linha de conta que a relação entre Valores Humanos, Antivalores e Desvalores, num Ser Humano, tem um caráter dinâmico e de certo modo evolutivo. Ao longo de uma vida e de uma vivência todas estas características vão tomando forma e ‘moldando’ a Pessoa, os seus comportamentos e as suas atitudes. O seu equilíbrio emocional, ou inteligência emocional, darão um contributo mais ou menos positivo para este processo de integração de Valores e/ou Antivalores ou ausência deles.

Assim sendo, cada um de nós será um resultado original deste processo de constituição de Valor Humano.

O mesmo se passa com as diferentes inteligências (racional, emocional e espiritual) que se exprimem em nós.

No entanto, mais inteligência por si só não representará mais Valor Humano, pois poderá estar completamente ‘desviada’ para os Antivalores.

Se pudéssemos estabelecer uma quantificação do Valor Humano para uma População Humana de um País, um Continente ou do Planeta, seguramente encontraríamos uma distribuição Gaussiana, também chamada de distribuição Normal, por estar relacionada com os fenómenos da Vida.

Distribuição Gaussiana

Esta distribuição de ocorrências representa a probabilidade de encontrar um determinado Valor numa determinada faixa desta curva. Assim, encontraremos (da esquerda para a direita da curva) respetivamente, uma quantidade de Pessoas com pouco ou nenhum Valor Humano (do lado esquerdo da curva) e uma certa quantidade de outras Pessoas com muito Valor Humano (lado direito da curva).

Na zona central desta curva, situar-se-ão as Pessoas comuns que caracterizarão um determinado padrão de Valor Humano, nessa População estudada.

Outro aspeto a ter em linha de conta sobre o Valor Humano é que está independente da religiosidade assumida pela Pessoa. Os princípios do Valor Humano são comuns a todas a Religiões, não podendo, portanto, confundir-se com estas. Por outro lado, a fé num Deus não acrescenta nem retira Valor Humano a uma Pessoa. São as atitudes e comportamentos em Sociedade, bem como o estatuto de coerência com a Pessoa em questão, imbuída de determinados Valores, que determina o Valor Humano em causa.

O mesmo se passa com as nuances culturais, em determinadas regiões do globo. Os Valores Humanos nessas Regiões estarão em consonância com a Cultura dessa Região.

As eventuais incapacidades físicas que uma Pessoa possa ter, com ou sem diversas dependências sociais, não deverão constituir fator de exclusão de grau de valorização em Valores Humanos. Apenas em situações em que existam incapacidades mentais, essas Pessoas estarão dispensadas dessa valorização.

Significa isto que os Valores Humanos, os Antivalores e os Desvalores, são comuns a toda a espécie Humana, e, como tal, devem ser entendidos com as suas especificidades. É a Educação que influencia toda a cadeia de Valor da Humanidade.

Todos os processos que a Humanidade desenvolver para melhorar o Valor Humano, seja pelos processos educativos, formativos ou de melhoria das condições de vida das Pessoas, tenderão a deslocar e curva para o lado direito, no sentido do maior Valor Humano.

Distribuição Gaussiana evolutiva

O Desenvolvimento Humano está dependente deste processo evolutivo. Poderemos dizer que quanto maior for o Valor Humano de uma Sociedade, maior será o seu grau de desenvolvimento. E, se esse desenvolvimento for Sustentável (em consonância com a Biosfera), maior Valor global terá no contexto das Nações.

Poderemos igualmente afirmar, que todas as medidas tomadas pela Governação de um País ou de uma região do mundo que contribuam para um aumento da Valorização Humana da sua População, terão efeitos significativos no Desenvolvimento Humano desse País ou região.

Mas não deveremos confundir Valorização com Desenvolvimento, porque este último está dependente do Valor Humano.

Imaginem que se constrói uma cidade de raiz, moderna e evoluída tecnologicamente, e, que essa cidade passa a ser habitada por ladrões, traficantes, corruptos, assassinos, etc. Seguramente que essa cidade não terá Valor Humano digno de nota. São as Pessoas que habitam uma cidade que conferem maior ou menor Valor à cidade.

Neste contexto, convém lembrar que a Natureza Humana é determinada quer pelo Valor Humano quer pelo Desenvolvimento, pois “é a parte do comportamento humano que se acredita que seja normal e/ou invariável através de longos períodos de tempo e de contextos culturais dos mais variados”.

Todos estes conceitos são evolutivos. Rapidamente chegamos à conclusão que se o Valor Humano for elevado, caracterizará a Natureza e o Desenvolvimento Humanos de uma forma dinâmica e positiva a caminho de um Futuro com prosperidade.

Como poderão facilmente compreender, todos estes processos evolutivos estão dependentes da existência de um clima de Paz global. Pois a Guerra ou a Guerrilha ‘institucionalizada’ prejudicam TUDO, o Valor, a Natureza e o Desenvolvimento Humanos. Ao contrário do que se possa pensar, só em clima de Paz, Segurança, Fraternidade e Respeito mútuo é que é possível desenvolver o Valor Humano de forma sustentada, se os processos educativos forem orientados nesse sentido.

A meu ver, só assim se poderá falar em Futuro próspero.”

Alfredo Sá Almeida                                                                                       28 de Março de 2015

Nota – Adotei da língua Espanhola a palavra ‘Antivalor’, por representar melhor o conceito que pretendo transmitir.