A Felicidade é um estado de espírito perigoso

A Felicidade

Vou transformar esta minha afirmação num texto satírico porque considero que é a melhor forma dos meus Leitores se aperceberem da importância da verdadeira Felicidade.

É natural e muito saudável que a mente e o corpo de qualquer Cidadão possa ser ‘inundada’ de Felicidade e alegria de viver. Mas temos de concordar que a nossa Sociedade não nos dá muitos incentivos nem razões para sermos Felizes, cada um à sua maneira.

Em Fevereiro do ano passado escrevi um texto: “Comprar Felicidade?” (https://saalmeida.wordpress.com/2018/02/17/comprar-felicidade/), por ter surgido um estudo ‘científico’ que afirmava – “Há uma quantia exata para a Felicidade, sugerem cientistas” (http://ptjornal.com/ha-uma-quantia-exata-que-traz-felicidade-sugerem-cientistas-240167).

Pois, já sabemos que a Felicidade se transformou numa ‘mercadoria’, tem um valor monetário e está disponível no ‘mercado’ para quem quiser comprar a dose que necessita. Para tal não temos de nos preocupar muito, nem possuir Valores Humanos, porque está ao alcance de uns ‘cobres’, na loja da esquina.

Não tem problema, afirmam as Pessoas, porque cada um tem a liberdade para interiorizar esta questão como quiser. A Felicidade é um preconceito, dizem uns, pois você pode adquiri-la como quiser e desfrutá-la a seu belo prazer, independentemente de quem estiver à sua volta.

‘Mas não será perigoso?’ Questionam alguns! A expressão dessa Felicidade pode trazer problemas! Não! Afirmam os ‘sabedores’ não tem problema nenhum, ‘quem estiver mal que se mude!’.

Bom, não será tanto assim, afinal pode produzir reflexos perigosos nos outros. Recentemente, surgiu um acontecimento grave, que transformaram em notícia, dando conta do seguinte: “Crime choca Itália: “Matei-o porque parecia feliz e não suporto a felicidade” (https://expresso.pt/internacional/2019-04-02-Crime-choca-Italia-Matei-o-porque-parecia-feliz-e-nao-suporto-a-felicidade#gs.4f1mem).

Perguntam os meus Leitores, ‘mas como é possível um maluco destes andar à solta?’. O problema (se é que algumas pessoas interiorizam este facto como um problema!) é que a Felicidade, sendo transformada em ‘coisa’, pode ser roubada por quem estiver afim disso. E haverá sempre uma justiça tolerante e de compaixão para o ‘infrator’. Vai ser julgado e terá direito a defesa paga pelo Estado. Certinho e limpinho. Está resolvida a questão.

Dirão alguns, ‘Valores Humanos na Educação/Ensino formal nem pensar que eu não quero o meu filho catequizado!’. ‘Eu é que educo o meu filho, a Escola só deverá ensinar as matérias necessárias para que ele possa trabalhar e ganhar dinheiro!’.

Pois é, enquanto pensarmos assim, não haverá Felicidade que nos valha. Esta foi a Felicidade que nos foi vendida por especialistas em marketing e vendas (do mais elevado gabarito). Não devemos admirar-nos, pois o mais provável é surgirem no Futuro casos semelhantes. NINGUÉM TEM O CUIDADO DE IMBUIR OS CIDADÃOS EM VALORES HUMANOS. Logo, cada um tem a Liberdade distorcida que quiser para agir a seu ‘belo’ prazer.

Eu estou muito triste com tudo isto, e, cada dia que passa observo, verifico, constato mais e mais casos GRAVÍSSIMOS de falta de Valores Humanos na grande maioria da Sociedade.

Tenho desenvolvido este tema do Valor Humano, de um modo sério, Humanista e com consciência crítica, há mais de cinco anos, para ser confrontado com esta triste realidade constantemente.

Eu continuo a ter o sonho de ver o tema dos Valores Humanos devidamente incluído no Ensino e Educação de TODAS as crianças e jovens por esse mundo fora, sem que esse facto provoque exaltações despropositadas e egoístas nas Pessoas.

O Futuro é uma ‘amálgama’, na mente de quem o ‘sente’, de Conhecimento, Ideal, Sonho e projeção temporal com o objetivo de tornar intrinsecamente melhor a Vida das Pessoas e sobretudo que possam ser mais Felizes e mais Conscientes que no presente.

Muitas Felicidades para TODOS os meus Leitores. Um grande abraço amigo, para TODOS.

Alfredo Sá Almeida                                                                               5 de Março de 2019

Anúncios

Roubar e mentir, as aberrações do SER

Roubar e mentir Conj

Roubar e mentir sempre foram antivalores da Sociedade, ao longo dos séculos. Infelizmente a Educação e a ação policial não têm conseguido eliminar estas duas aberrações. Muito provavelmente por culpa da Educação, que não evoluiu o suficiente para as conter.

Por um lado, a Educação nunca esteve orientada para a formação de Cidadãos de caráter focados no bem comum. Por outro, a ação policial sempre deixou muito a desejar com os métodos utilizados na repressão, sobretudo por falta de pedagogia e contributo para uma melhoria contínua do comportamento dos cidadãos desviantes.

Talvez por isso, temos assistido a uma banalização destas aberrações como comportamentos ‘aceitáveis’, resultantes de um expediente da dinâmica da Sociedade. Sinto que a Sociedade está conformada com estes antivalores. A indiferença latente em muitos aspetos da vivência dos Cidadãos choca com os verdadeiros danos, que minam as estruturas da Sociedade.

É inaceitável, e não deve ser considerado doutro modo. Tudo deve ser feito para corrigir estas aberrações. A Sociedade deve ganhar um novo foco explícito e consistente no BEM COMUM. A Educação formal na Escola Pública deverá assumir uma boa parte da responsabilidade de formar Cidadãos com Valores Humanos e com um caráter global de civismo.

Todos nós sabemos que a Verdade, muitas das vezes, possui uma dimensão não totalmente apreendida pelas Pessoas, mas que isso não deve servir de desculpa para transmitir meias verdades.

Está a fazer muita falta uma idoneidade e uma confiança mútua baseadas num relacionamento saudável em Sociedade. Esta é uma necessidade emergente que deve ter uma repercussão concreta nos programas escolares, sob a forma de Educação em Valores Humanos.

A Human Values Foundation é uma Instituição vocacionada e estruturada para a difusão dos Valores Humanos no mundo. Recentemente, Rosemary Dewan a CEO da Fundação publicou um memorável artigo no seu site, “How does Values Literacy Enhance Young People’s Life Proficiency?” (“Como a alfabetização em valores aumenta a proficiência da vida dos jovens?”) para o qual recomendo a vossa atenção e uma leitura atenta.

Tomo a liberdade de citar Rosemary Dewan num excerto desse artigo:
(https://www.worldvaluesday.com/values-literacy-enhance-young-peoples-life-proficiency-rosemary-dewan/?utm_content=buffer3ed30&utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=buffer)

Como uma fluência nos valores afeta a proficiência da vida.
Há uma necessidade constante de avançar a qualidade e eficácia da educação para que todos os alunos possam dominar as habilidades cognitivas, juntamente com as habilidades não-cognitivas e emocionais sociais que lhes permitam florescer plenamente, fazer boas escolhas, alcançar o melhor de suas habilidades e desenvolver-se como indivíduos felizes e satisfeitos, capazes de fazer contribuições positivas para a sociedade.
A instrução regular e estruturada dos valores, incorporada nos curricula e em todos os níveis escolares, com o tempo, nutre nos alunos uma fluência de empoderamento nos valores. Como os participantes aprendem a usar valores positivos para orientar seu pensamento, tomada de decisão e comportamento em todos os contextos de suas vidas cotidianas, o repertório de habilidades adquiridas pode melhorar o seu bem-estar e aprofundar o espectro completo de sua aprendizagem.”

Rosemary-Values-Literacy-3

“Esta transformação de atitudes e competências significa que não só as crianças, mas os professores também podem gerir melhor a sua saúde física e mental, construir e manter as relações gratificantes e aproveitar as oportunidades para o desenvolvimento pessoal e crescimento, de modo a otimizar o seu desempenho, arriscando sair de suas zonas de conforto e serem bem-sucedidos à medida que suas carreiras se desenvolvem.”Rosemary Dewan.

A Sociedade e o mundo global não se podem ‘dar ao luxo’ de desperdiçar oportunidades de transformar o Ensino em Educação e contribuir significativamente para uma difusão dos Valores Humanos, em todos os níveis Escolares.

Alfredo Sá Almeida                                                                                10 de Outubro de 2017