O Valor Humano requer uma Educação Holística

holosgenesis

A palavra Holístico (a partir do termo holos, que em grego significa “todo” ou “inteiro”) foi criada por Jan Christiaan Smuts, primeiro-ministro da África do Sul (de 1919 a 1924 e de 1939 a 1948), no seu livro de 1926, “Holism and Evolution”, que a definiu assim: “A tendência da Natureza, através de evolução criativa, é a de formar qualquer “todo” como sendo maior do que a soma de suas partes”.

Este é um conceito, que mesmo não sendo usado como o princípio postulado por Smuts, representa bem a dimensão evolutiva da Vida no nosso Planeta. Não se torna difícil reconhecermo-nos nele, pois o processo evolutivo do Homem possui uma dinâmica própria, resultado das mais variadas práticas e interações culturais.

Uma coisa é certa a dimensão do Homem pode sempre ser maior que a soma de todas as práticas culturais. O seu Valor Humano pode resultar da aplicação do conhecimento holístico na sua Vida.

O que o Ser Humano não compreende na globalidade pode sempre pesquisar na compreensão das partes e chegar a uma soma que se aproximará do TODO comum.

Estudar muito para saber pouco

Este é um paradoxo que o conhecimento formal terá muita dificuldade em explicar apenas por palavras.

Aqui chegados, não se torna difícil compreendermos a importância que uma Educação Holística terá na formação das mentes Humanas. A ‘Luz’ e o esclarecimento acabará por sobressair da aprendizagem bem conduzida por profissionais educativos, professores, mentores, educadores, etc. O Valor Humano poderá ganhar dimensão com a Educação Holística.

Mas o Homem tem muita dificuldade em pôr-se de acordo com os seus pares para estruturar e conduzir uma Educação Holística que se adapte ao mundo global. Senão vejamos o que a Consciência Coletiva sobre o fenómeno da Educação formal nos revela, neste excelente artigo de Laura Silver na página internet do World Economic Forum (1 de Setembro de 2017):

Education Consensus

(https://www.weforum.org/agenda/2017/09/this-is-how-people-around-the-world-view-education?utm_content=buffera6031&utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=buffer)

Neste gráfico poderemos ver que não existe consenso, entre os diversos Países do mundo, para o melhor tipo de Educação, seja entre Competências académicas básicas encorajando as disciplinas ou Ser Criativo e pensar independentemente.Daqui resulta que o Homem tem de melhorar muito a sua Consciência e Inteligência Coletivas para um melhor Futuro.

Vejamos alguns casos para melhor compreensão.

• Caso da Foto versus Filme:
Quando tiramos uma foto de um acontecimento, seja de que natureza for, essa foto representa apenas um momento desse acontecimento. Poderá até ser um momento representativo do acontecimento e esclarecer algo com maior detalhe, se a foto for excelente. No entanto, se fizermos um filme de todo o acontecimento ficaremos com a compreensão global do mesmo, mesmo que possamos perder algum detalhe ou pormenor. A atenção e capacidade de compreensão de quem visiona o filme é muito importante para o esclarecimento total do acontecimento.

• Caso da Contemplação versus Ação:
Alguém com uma predisposição maior para a Contemplação poderá ganhar uma compreensão pormenorizada sobre um determinado tema ou assunto parcelar e adquirir uma dimensão esclarecida sobre um fenómeno. Por outro lado, quem tiver uma atitude predominante para a Ação conseguirá ganhar uma compreensão do conjunto, até mesmo da interação entre as partes, que de outro modo seria mais difícil. As dimensões atingidas por cada um dos referenciais são importantes e têm tendência a completar-se. Dependerá muito da capacidade interpretativa de cada um dos intervenientes.

Se a nossa mente for capaz de abranger ambas as dimensões, focadas nestes casos exemplo, estaremos seguramente mais próximos de um tipo de pensamento Holístico, que terá de se basear num grande conhecimento de uma grande variedade de fenómenos para poder esclarecer adequadamente (e poder fazer ‘Luz’) sobre um tema complexo.

Existem tantos mistérios por explorar e compreender que o desenvolvimento do pensamento e conhecimento holísticos serão de uma enorme utilidade para a Evolução Humana. Sem dúvida que a existência de uma capacidade de visão holística sobre esses mistérios ou fenómenos acrescentará muito à compreensão global.

O Valor Humano possui muitas dimensões, tantas quantas as interações possíveis entre elementos da mesma espécie, e daquelas com elementos doutras espécies. O importante é que o resultado final dessa multitude de interações seja pacífico, esclarecedor e harmónico sob o ponto de vista cultural da nossa espécie.

O método científico é um bom ponto de partida para a compreensão das partes. A compreensão da multitude das disciplinas científicas requer uma mente com capacidade global. Mas existe tanta ‘matéria’ para além do conhecimento científico, que este ainda não consegue explicar, que devemos estar muito atentos para não nos perdermos num caos de conhecimento.

Um dos maiores problemas da Humanidade é a grande falta de Educação, de qualquer tipo, e a multitude de interesses distópicos que acaba conduzindo o Homem para atitudes e comportamentos mais próprios de uma distopia do que de Valor Humano.

Alfredo Sá Almeida                                                                               3 de Setembro de 2017

Anúncios

O Positivismo Otimista tem Valor Humano?

Educação Humana

Ser um Positivista Otimista convicto, nos dias de hoje, é um empreendimento árduo em constante sobressalto que requer uma boa preparação mental, uma inteligência holística estruturada, conhecimentos científicos sólidos, uma Consciência Coletiva e uma resiliência dignas de nota. Para defender e fazer valer o seu ponto de vista, uma Pessoa com estas características, necessita ainda de uma capacidade de argumentação notável, para não deixar dúvidas sobre os ‘caminhos’ traçados com importância para o Homem.

Vamos primeiro esclarecer (de modo simples) o que se entende por Positivismo, e, por Otimismo, para depois focarmos a dimensão do Positivista Otimista. Assim:

– “Positivismo é uma corrente de pensamento filosófico, sociológico e político que surgiu em meados do século XIX na França. A principal ideia do positivismo era a de que o conhecimento científico devia ser reconhecido como o único conhecimento verdadeiro.

O principal idealizador do movimento positivista foi o pensador francês Auguste Comte (1798-1857), ganhando destaque internacional entre metade do século XIX e começo do XX. Segundo o positivismo, as superstições, religiões e demais ensinos teológicos devem ser ignorados, pois não colaboram para o desenvolvimento da humanidade.” – (http://www.significados.com.br/positivismo/)

“Assim, o positivismo associa uma interpretação das ciências e uma classificação do conhecimento a uma ética humana radical, desenvolvida na segunda fase da carreira de Comte. O positivismo defende a ideia de que o conhecimento científico é a única forma de conhecimento verdadeiro. De acordo com os positivistas somente pode-se afirmar que uma teoria é correta se ela foi comprovada através de métodos científicos válidos. Os positivistas não consideram os conhecimentos ligados as crenças, superstição ou qualquer outro que não possa ser comprovado cientificamente. Para eles, o progresso da humanidade depende exclusivamente dos avanços científicos.” – (https://pt.wikipedia.org/wiki/Positivismo)

“A ideia do pensamento positivista foi centralizada em sete termos e significados, de acordo com Comte: real, útil, certo, preciso, relativo, orgânico e simpático.” – (http://www.significados.com.br/positivismo/)

Já o Otimismo é uma atitude e um comportamento positivo perante a vida. Assim:

– “Pessoa que se revela confiante, esperançosa e positiva. É o indivíduo que é partidário do otimismo, e otimismo é a disposição que as pessoas desenvolvem para apreciar todas as coisas pelo lado bom.

Otimista é aquela pessoa que acredita que tudo vai dar certo, que nada é considerado impossível. Ser otimista é ter atitudes seguras, em face aos problemas humanos e sociais, e considerá-los passíveis de uma solução positiva.

O indivíduo otimista se mostra sempre esperançoso, vê sempre as dificuldades pelo lado mais favorável.” – (http://www.significados.com.br/otimista/)

Uma curiosidade importante sobre o comportamento Otimista: “A Universidade de Yale realizou um estudo de 29 anos sobre a atividade otimista e concluiu que o fator mais importante para a saúde era a felicidade. Mais até que níveis de colesterol, pressão sanguínea, fumar ou obesidade. Diminuindo o risco de morrer por derrame ou desenvolver doenças do coração. O estudo também descobriu que com atitudes OTIMISTAS vive-se em média 7 anos e meio a mais.” – André Aguiar (http://www.andreaguiarpersonal.com.br/index.php/2015/09/07/otimismo/)

Penso que já nos encontramos minimamente preparados para falar sobre uma personalidade Positivista Otimista. Mas primeiro vou recorrer às palavras de César Romão, um Escritor-Palestrante especialista em Gestão de Pessoas, que em 2013 escreveu no seu blog um texto muito interessante, intitulado “Pessoa positiva ou otimista” (http://escritorcesarromao.blogspot.pt/2013/06/pessoa-positiva-ou-otimista.html)

Afirma este Autor: “Otimismo não é somente uma emoção que retrata positivismo. A maioria das pessoas é positivista e não otimista. Pessoas otimistas são aquelas que possuem e pesquisam o maior número de informações possíveis sobre um determinado assunto que requer decisão para ser colocado em prática ou vivenciado. Positivistas só acreditam que dará certo, otimistas fazem dar certo.

Otimismo é uma escolha. Você pode decidir entre sofrer por algo que poderia ter vencido ou viver por algo que acredita que vale o sacrifício. Otimismo é uma competência que pode ser desenvolvida com uma metodologia de crescer nas avaliações que faz sobre a vida e seus desafios.

Pessoas otimistas transformam esforço em resultado, não ficam esperando a vida decidir por elas, elas decidem por si. Todo problema é grande pela razão de ainda sermos pequenos para resolvê-lo. As pessoas precisam acreditar que é importante saber mais sobre as coisas que devemos enfrentar na vida, só assim podemos superá-las.

Positivismo atrapalha muito, cria falsas esperanças, faz parecer que tudo vai se resolver num passe de mágica e quando não acontece à pessoa procura um culpado. Devemos estudar mais sobre nossos desafios, sobre as competências que precisam ser desenvolvidas para superá-los, assim como quais os tipos de pessoas que podem realmente nos ajudar.”

Este texto leva-nos a reconhecer que devemos estruturar-nos para uma integração destes dois ‘pilares’ na mesma Pessoa (Positivismo Otimista) para estarmos melhor preparados para enfrentar tanto pessimismo e derrotismo do mundo atual. Sobretudo, no que diz respeito ao Futuro do Homem e à nossa capacidade para ultrapassar e vencer desafios, que nos permitam a construção de um novo Paradigma.

Aqui chegados, resta-me desafiar o meu caro Leitor a fazer um exercício mental que corresponde à questão que coloquei em título: “O Positivismo Otimista tem Valor Humano?”

A meu ver, existe uma forte probabilidade de uma Pessoa Positivista Otimista contribuir decisivamente para um maior Valor Humano. Mas não considero que seja assim tão linear esta resposta.

Sem me tornar pessimista, vou explicar o que quero dizer, com um grau significativo de realismo.

A realidade atual e o estado de degradação de Vida a que o Homem conseguiu arrastar os outros Homens, assim como TODA a Biosfera, leva-me a pensar que é necessário bem mais do que uma multitude de espíritos Positivistas Otimistas para se construir um novo Paradigma de Valor Humano Global, tal como o venho defendendo (*).

Torna-se imperiosa a necessidade de coordenação e conjugação de esforços, imbuídos de uma Consciência Coletiva e um foco claro no Futuro do Homem, com respeito pela Liberdade, Dignidade e Justiça Social, num ambiente sustentável e Humanamente sustentado. Deste modo, a construção do Valor Humano será baseada numa Educação de excelência para TODOS, e, na ausência da interferência ‘maligna’ do dinheiro.

O Positivismo Otimista não se deve apropriar da criatividade Humana para distorcer o foco dos objetivos primordiais do Valor Humano. Infelizmente, temos assistido a uma criatividade financeira, recheada de Positivistas Otimistas, com uns requintes maquiavélicos tais, que me levam a colocar em causa os seus ‘bons’ desígnios desta atividade Global.

A intervenção do Leitor nestas questões e o ‘despertar’ de consciências é fundamental para ações bem-sucedidas na construção deste novo Paradigma.

confianza-y-optimismo-piezas-clave-del-adn-emprendedor

(*) Recomendo ao meu caro Leitor consultar outros textos meus (neste Blog) que dizem diretamente respeito ao Valor Humano e à mudança de Paradigma que venho defendendo. Assim:

Alfredo Sá Almeida                                                                                                      23 de Abril de 2016