O Paradigma da Sociedade atual é um Paradoxo – Pensamentos

  • Paradigma é um modelo ou padrão a seguir. São as normas orientadoras de um grupo que estabelecem limites e que determinam como um indivíduo deve agir dentro desses limites. (https://www.significados.com.br/paradigma/)
  • Paradoxo é o oposto do que alguém pensa ser a verdade ou o contrário a uma opinião admitida como válida. Um paradoxo consiste em uma ideia incrível, contrária do que se espera. Também pode representar a ausência de nexo ou lógica. É portanto uma ideia lógica que transmite uma mensagem que contradiz a sua estrutura. (https://www.significados.com.br/paradoxo/)
Mudar

Quase todos querem mudar, mas ficam na expectativa que algo mude à sua volta sem fazerem um esforço determinante para uma mudança efetiva. Relegam para segundo plano a construção de um caminho coletivo coerente e de maior Felicidade. Um clima de Paz duradoura contribuiria para um significativo aumento da realização de sonhos Pessoais ou Coletivos e, consequentemente, em mudanças efetivas e não efémeras.

Na ausência desse clima, torna-se evidente um sentimento de impotência na transformação para um novo Paradigma. A mente Humana, seja em estado aprisionado ou livre e criativa, tem muita dificuldade em não sentir frustração na mudança. Esta deveria ser um processo pacífico e saudável mas as opiniões contraditórias são jogadas com muita truculência ou agressividade.

A Sociedade atual vive mergulhada num modelo de vida que se tornou um absurdo e que muitos dos seus membros sofrem de depressão pelo ritmo em que se deixaram envolver, por não corresponder ao que desejam para si ou para os seus pares.

Procuram constantemente a Felicidade com uma Liberdade mitigada e deficiente. Aliás, a vivência em ambiente de Valores Humanos seria o condicionalismo mais saudável da Liberdade. A Felicidade, a Liberdade e o Dinheiro possuem uma conjugação de difícil resolução em carência de Valores Humanos.

A interligação formada pelo Homem, a Biosfera e a sustentabilidade da Vida é uma equação de resolução complexa por vontade do Homem.

A carência de Consciência e Inteligência Coletivas é uma das grandes responsáveis pelas orientações erradas no desenvolvimento Humano. O progresso civilizacional está desequilibrado pelas múltiplas opções contraditórias geradas pela desigualdade social e financeira.

O Homem tem dificuldade em admitir os danos irreversíveis que tem causado ao ambiente e à Biosfera, seja por ignorância, vontade descontrolada, ganância ou descoordenação de decisões. O espírito possessivo do Homem transbordou para o universo intangível dos valores.

Humans

O aperfeiçoamento constante do Ser Humano e do seu Valor, as melhorias contínuas da sua qualidade de Vida integrada na Biosfera e os processos inovadores facilitadores de sustentabilidade, correm o risco de se tornarem miragens evolutivas.

O Homem deveria dar prioridade na construção da coerência na sua realidade civilizacional e no relacionamento da Sociedade Global, não se dispersando com ideias megalómanas avulsas de um pseudo desenvolvimento.

O advento da introdução da Inteligência Artificial, sob a forma de robots, na Sociedade de Humanos tem muita probabilidade de se tornar desastrosa pelo acréscimo de contradições e carência de Valores Humanos.

O mesmo se passa com a introdução desenfreada da realidade virtual no mundo conturbado da consciência Humana. A alienação mental é o processo que poderá resultar, degradando ainda mais a convivência em Sociedade.

Uma boa reflexão sobre os pensamentos aqui transmitidos poderá ajudar a uma boa mudança de Paradigma. Este novo Paradigma deveria ser mais coerente que o anterior e, sobretudo, mais consistente com o Valor Humano.

Alfredo Sá Almeida                                                                                      28 de Março de 2017

E se você conseguisse ver o Futuro?

What IfLegenda: New Scientist Live é um festival de ideias e descoberta, que terá lugar no ExCeL London entre 22-25 Setembro de 2016. Enraizada na maior, melhor e mais provocativa ciência, New Scientist ao vivo vai tocar em todas as áreas da vida humana. O evento contará com quatro zonas envolventes cobrindo Cérebro & Corpo, Tecnologia, Terra e Cosmos. Durante quatro dias neste mês de Setembro, New Scientist ao vivo será como nenhum outro lugar na Terra. (https://live.newscientist.com/?cmpid=EMP%257CNSNS%257C2016-0723-NSLive-halfprice%257Cem10)

O tema que lhes trago hoje tem a ver com o nosso Futuro, com o Futuro da Humanidade e do Planeta que habitamos.

E se o meu caro Leitor conseguisse, hoje, ver o Futuro da Humanidade daqui a uma geração (25 anos)?

E se não gostasse nada daquilo que viu? O que faria?

Talvez pudesse convidar outras Pessoas para verem o que você viu! Quanto mais Pessoas pudessem assistir a algo verdadeiro, provavelmente a influência sobre o Futuro mais longínquo pudesse ser melhor.

Pois bem, a verdade é que você pode vislumbrar muita matéria sobre o Futuro, mas ainda não decidiu o que fazer com essa informação e com esse conhecimento. E a sua decisão é importante, para não dizer fundamental para um Futuro melhor ou pior!

Nós temos esse poder, de tornarmos o Futuro melhor ou pior para TODOS, mas a grande maioria das vezes não agimos em consonância com outros que pensam como nós, ou, não influenciamos positivamente os que estão à nossa volta para uma mudança para melhor.

Já reparou que os terroristas conseguem influenciar-se uns aos outros para nos transformar o Futuro num inferno?

Se eles conseguem fazer-nos tanto mal, porque será que nós não conseguiremos fazer tanto bem para melhorar esse Futuro? Já reparou que a nossa indiferença perante a Vida e o Futuro nos prejudica todos os dias?

A nossa falta de foco sobre as questões realmente importantes para o Futuro, conduzem a resultados indefinidos e muitas vezes catastróficos.

“A meu ver esta competência de prever o Futuro de modo plausível e o mais realisticamente possível tem vindo a ser sistematicamente desenvolvida pelo Homem, com maior intensidade nas últimas décadas. O Homem começou a dar-se conta dos ‘maus caminhos’ que tem percorrido para chegarmos a este Presente, que já foi um Futuro no Passado, e verificou que os parâmetros que introduziu para chegarmos aqui não são os corretos. Na realidade, TODOS nós temos de aprender a lidar e a prever o nosso Futuro Individual e Coletivo, mas não apenas como uma competência de trabalho e sim como uma competência de Vida.” – Alfredo Sá Almeida.

Hoje trago-lhe mais perguntas que respostas, para o influenciar a procurar um Futuro melhor.

Amanhã, como sempre tenho feito, escreverei sobre o que considero importante para a Humanidade e como poderemos melhorar continuamente o Valor Humano.

Desejo-lhe, caro Leitor, uma boa reflexão e um compromisso sério com o Futuro de TODOS nós.

Alfredo Sá Almeida                                                                                           23 de Julho de 2016

Mundo fechado versus Mente aberta

WWW-Net

 

Todos nós vivemos num Mundo vasto e diversificado que julgamos ser um sistema aberto, mas na realidade todos os sistemas, sejam naturais ou artificiais, funcionam em ciclos fechados e com tendência a serem finitos.

O fenómeno mais recente e que tem vindo a abrir a Consciência das Pessoas, é o do aquecimento global. Todas as ‘malfeitorias’ ambientais, como a poluição atmosférica e o lixo produzido pelo Homem, acabam por ter os seus efeitos nefastos e refletem-se sobre a vida e equilíbrio do Planeta. Não dá para ignorar. O Homem tem de se tornar sustentável, caso contrário acabamos com a vida na Biosfera.

Sejam os Ciclos da Água, do Oxigénio ou dos Alimentos, elementos sem os quais não conseguimos viver, encontram-se em funcionamento em circuito fechado.

O mesmo se passa com as atitudes e comportamentos Humanos. Durante muitas centenas de anos contribuímos para o desequilíbrio da Humanidade com Guerras e armas de destruição maciça.

Agora, estamos a dar os primeiros passos no Mundo Globalizado: Conhecimento, Informação e Comunicação, Investigação, Sistema Financeiro, etc.

Começamos, então, a verificar e a aumentar a nossa Consciência e Inteligência Coletivas para esta nova realidade, e nas repercussões que os bons ou maus resultados que produzimos diariamente acabam por se refletir na nossa vida futura.

Para comprovar aquilo que afirmei, relembro o que se está a passar com o Sistema Financeiro Mundial. Todas as malfeitorias que este sistema realiza repercutem-se sobre TODOS nós indevidamente, apesar de apenas alguns tirarem o proveito e manipularem o sistema.

Estamos a aprender o Mundo Global e a ganhar Consciência, e consequentemente a aguçar a nossa Inteligência, que vivemos num Mundo fechado sobre si mesmo. Tudo o que aqui se passa acaba por ter reflexos mais ou menos sérios sobre as nossas vida e a nossa Felicidade.

Pois bem, o único sistema que não se encontra fechado é o da Mente Humana. Sobre este, temos o poder de o expandir ou manter na obscuridade. Só uma Mente Aberta ao Mundo Global, ao Conhecimento, à Informação e Comunicação, nos permitirá (ou não) expandir e libertarmo-nos destes ciclos fechados, que pensamos que nos aprisionam.

Mas, para que constituam uma expansão da Mente, e consequentemente uma expansão da Consciência e Inteligência Coletivas, sem os efeitos nefastos dos outros Ciclos que adulterámos, devemos refletir positivamente e aplicar novas soluções de Vida em Sociedade que contribuam para uma sustentabilidade funcional a longo prazo. Sem esta, andaremos de ciclo em ciclo até à derrocada final.

Pena é, que sendo um raciocínio tão lógico e aceitável, tão poucos de Nós queiram praticá-lo e adotá-lo na sua vida.

Aos poucos (de forma mais lenta que desejado) vamos ganhando Consciência e as mudanças vão chegando, com algum receio, e consolidam-se positivamente.

Quero dar-vos conta de uma nova realidade que está tomando forma paulatinamente, e que devemos manter uma Mente Aberta e saudável para expandirmos todos os dias estas novas atitudes e comportamentos, que nos poderão conduzir a um Futuro sustentável. Aproveito para transcrever uma parte de um texto de Gustavo Tanaka no site Colletively Conscious (http://collectivelyconscious.net/articles/something-extraordinary-is-happening-in-the-world-and-most-people-havent-noticed/) que nos relata matérias para as quais não estamos atentos:

“A maioria de nós ainda não percebeu que algo extraordinário está a acontecer.

Há alguns meses, eu me libertei da sociedade tipo padrão. Eu quebrei as correntes do medo que me manteve trancado no sistema. Desde então, eu vejo o mundo de uma perspetiva diferente: a de que tudo está passando por mudanças e que a maioria de nós não têm conhecimento disso.

Por que o mundo está mudando? Neste post, vou apontar as oito razões que me levam a acreditar.” – Gustavo Tanaka:

  • Ninguém pode resistir ao atual modelo de emprego por mais tempo.
  • O modelo de empreendedorismo também está mudando.
  • O aumento da colaboração.
  • Estamos finalmente a descobrir o que é a Internet.
  • A queda do consumismo exagerado.
  • Uma alimentação saudável e orgânica.
  • O despertar da espiritualidade.
  • Tendências da Não-escolaridade vigente.”

 

A meu ver, devemos estar mais atentos ao que de positivo se passa no Mundo Globalizado de hoje, pois nós poderemos dar um contributo importante para as boas mudanças que resultarão no nosso Futuro Coletivo.

Como sabem, eu tenho vindo a defender um aumento significativo do Valor Humano e um sistema Educacional que integre conscientemente os Valores Humanos na Educação formal para TODOS. Em simultâneo defendo o afastamento, definitivo e efetivo, do Sistema Financeiro Internacional da vida económica e da nossa Vida Futura.

Estas mudanças, se efetuadas com uma Mente Aberta para um Futuro Sustentável, contribuirão significativamente para uma Humanidade de Valor.

Mente aberta1

Alfredo Sá Almeida                                                                                        14 de Julho de 2016

 

 

A Dinâmica do Valor Humano na Continuidade e/ou Mudança

A VIDA é a melhor representação de que a Continuidade e a Mudança são indissociáveis e existem em perfeito equilíbrio dinâmico. A evolução Humana é o resultado dessa dinâmica, onde os genes representam um papel importante. Na outra face desta ‘medalha’ evolutiva encontra-se o ambiente circundante e as influências positivas e/ou negativas que elas acrescentam à evolução.

A Vida pode ser representada por uma sucessão de fenómenos (nascimento, crescimento, declínio e morte) que possuem uma continuidade coerente sujeita às mudanças de percurso.

Continuidade e mudança

Esta citação de C. S. Lewis transmite brilhantemente a interligação destas duas realidades (Continuidade e Mudança).

O Homem tem a capacidade de manter esta dinâmica unida ou desmembrada. É nele que reside o poder supremo de nos transportar para o Futuro ou de nos fazer regredir evolutivamente.

Esta Mudança na continuidade, ou, Continuidade da mudança pode conduzir-nos muito longe no tempo.

As mudanças radicais ou saltos quânticos de mudança devem estar reservados para os fenómenos naturais e catastróficos, para os quais o Homem se deve preparar Social e tecnologicamente numa gestão exemplar de crises Humanas.

Nos últimos 150 anos da vida do Homem temos assistido a muito de TUDO, a excessos de toda a natureza praticados pela Inteligência e pela mais cruel animalidade Humana.

Mudança SH

A evolução tecnológica exponencial destes últimos anos tem produzido boas e más mudanças no Ser Humano, numa continuidade que nos poderá conduzir a um Futuro melhor para TODOS, ou só para alguns de Nós.

Na análise que faço dos últimos 70 anos da vida do Homem, verifico que se tem vindo a perder proporcional e sistematicamente Valores Humanos (tendo em linha de conta o aumento exponencial da população mundial). Houve barreiras que foram transpostas por impulso, em nome de uma Liberdade pouco Inteligente, que acabaram por se revelar desastrosas para o Valor Humano. Exemplo disso é a Qualidade de Vida das Pessoas que a meu ver se tem vindo a degradar, mercê de muitos aspetos de deficiente integração tecnológica na vida dos Seres Humanos e a uma gestão desastrada de marketing. Estamos a perder qualidades no contacto Humano e da vida em Sociedade, pela vida profissional acelerada, pelo stress diário continuo, pela falta de empatia, por uma deturpação do sentimento primordial do Amor e por uma miríade de pequenas/grandes mudanças operadas, que nos estão a conduzir a um Futuro pouco digno de Seres Humanos.

Como pretendemos melhorar significativamente o relacionamento Humano em Sociedade com estes ‘alfinetes’ espetados no nosso corpo?

Por outro lado, assistimos a uma concentração desmesurada de Valor não Humano, em Pessoas sem escrúpulos e sem ética, impelidos pela ganância do Poder ou do Dinheiro, com resultados catastróficos na Vida de muitas outras Pessoas, numa espiral de desigualdades inimaginável.

A meu ver, esta perda sistemática de Valores Humanos, com a consequente perda de Valor Humano, deveria dar origem a uma nova dinâmica de Valorização Humana com uma integração cuidada das melhores soluções das novas tecnologias que nos ajudem a ganhar inclusão social e consciência coletiva.

A degradação de Valor Humano pode e deve ser parada, com um incremento significativo da transmissão coerente de Valores Humanos no ensino regular, onde os Professores deverão receber formação especial para este efeito. Isto implicará um aumento do número de Professores bem preparados para uma mudança efetiva do funcionamento da nossa Sociedade Global.

Mudança Dalai Lama

A inovação, a criatividade e a tecnologia do Futuro têm de possuir Valor Humano para nos podermos identificar de forma coerente com esses desenvolvimentos, e, não cairmos em experimentalismos eticamente desequilibrados.

A grande maioria das carências emocionais, afetivas e até espirituais da atualidade devem ser erradicadas pela Educação (na Família e no Ensino regular). Os Valores que nos forem bem transmitidos pelos bons exemplos do funcionamento da Sociedade permanecerão na nossa mente, numa continuidade saudável suscetível de produzir mudanças sistemáticas de Valor Humano.

Alfredo Sá Almeida                                                                                             30 de Abril de 2016

O Efémero, a Mudança e o Futuro

MorenoSculpture

Escultura do artista Espanhol Manuel Martí Moreno (http://www.ideafixa.com/o-enferrujado-efemero-de-manuel-marti/)

Durante a nossa vida habituamo-nos a realidades distintas, umas construídas por nós, outras pelos nossos pares. Nem sempre essa construção de realidades tem o sucesso esperado e muitas vezes, quer umas quer outras, causam complicações irreversíveis e infelicidades desnecessárias na nossa e na vida dos outros.

O Amor, a dedicação e empenho que colocamos nessa construção faz toda a diferença para melhor.

Assumimos riscos normais e naturais que constituem aprendizagens várias, que resultam em crescimento, conhecimento e sabedoria. É disso que a vida se ‘alimenta’. O bom seria que todas essas experiências fossem positivas e construtivas, mas infelizmente uma boa maioria das vezes, para muitas Pessoas, resulta em tragédia.

O Efémero e a Mudança são constantes desta dinâmica que nem sempre constroem um Futuro coerente.

O caminho que percorremos para chegar onde queremos é, por vezes, tortuoso e difícil, mas torna-se reconfortante quando conseguimos uma boa parcela dos nossos objetivos.

É neste encadeado de acontecimentos efémeros, sujeitos a mudanças de percurso que o nosso Futuro se vai construindo.

Muitos de nós focam-se apenas nos resultados finais, mas os pontos críticos do caminho, ultrapassados ou não, são elementos essenciais da nossa construção.

Vem este tema a propósito daquilo que a grande maioria de nós vive em tempos de crise e de guerra e que se vê forçado a alterar para manter a dignidade, o valor e a coerência de uma vida a caminho de um Futuro sonhado.

Todos nós sabemos que as crises e as guerras são efémeras, provocam mudanças muito vincadas e nem sempre conduzem a um Futuro desejado e digno.

Estamos num momento crucial da vida do Homem, que em vez de criar Valor Humano, este se deixou enredar nas teias da corrupção, hipocrisia, agressividade, arrogância, ganância, e outras características pobres e indignas.

Seria esperado que soubéssemos corrigir os erros e recompor-nos nos caminhos, da Paz, da Fraternidade, da Igualdade e da Liberdade, desejadas pela grande maioria das Pessoas. Mas infelizmente não. Dá a sensação que quem detém o Poder não consegue (ou não deseja) esse caminho, mas aquele em que atualmente vivemos de sequências de efemérides de triste lembrança, sem Valor Humano, que nos conduzem a um Futuro declaradamente incerto e indigno de Seres Humanos.

Estamos perante governanças de oportunidades irremediavelmente perdidas, onde as mudanças desejadas de paradigma acabam por se transformar em continuidade de mediocridades.

Que bom seria que soubéssemos encontrar-nos nos pontos de convergência, suscetíveis de construção coletiva de um caminho global.

Assistimos indiferentes e incapazes de alterar o rumo dos caminhos traçados por Países (cada um por si), sem uma coerência global, num vislumbre de simples sobrevivência ou subserviência de Políticas dos detentores do Poder. Uns dirão que se trata do exercício da Liberdade de expressão, de execução e de decisão de Povos soberanos. Eu direi que tudo aquilo que prejudique a Liberdade da maioria dos Cidadãos (sejam eles de que País forem), não se trata de uma Liberdade de decisão adequada e correta para o Ser Humano.

A Vida do Homem nós sabemos que ainda é efémera, mas que as ideias e os ideais podem ser perenes. E são estas ideias e ideais que nos vão conduzindo ao Futuro.

O Homem ainda não conseguiu encontrar a harmonia na sua atuação, capaz de transformar a vida das Pessoas numa sequência dinâmica de realidades coerentes, onde a mudança seja natural e o Futuro digno.

Efémero

Alfredo Sá Almeida                                                                                     7 de Abril de 2016

 

Não há progresso sem Valor Humano!

Progresso Barack Obama

O Progresso é o resultado da dinâmica do Homem em relação a tudo o que o rodeia. No entanto, para que se efetive tem de resultar de uma concertação coletiva. Este é um exemplo prático de Consciência e Inteligência Coletivas que resulta em Desenvolvimento.

Nas últimas décadas o Homem assistiu, muitas vezes estupefacto, a um progresso tecnológico sem paralelo na sua história. A capacidade criativa, a imaginação, o desenvolvimento do conhecimento e a inteligência tecnológica do Homem entraram num crescendo de tal modo encadeado, que chegámos à segunda década do século XXI com um nível de Progresso ‘inimaginável’ para muitas Pessoas que se mantêm alheadas da ciência e da tecnologia.

Sem dúvida louvável esta capacidade progressista. Se pensarmos na quantidade de investimento financeiro efetuado, para que esta realidade tomasse forma, ficamos seguramente pensativos porque não se produziu Progresso semelhante no Desenvolvimento Humano.

Chegámos a um ponto tal que se tornou necessário, indispensável e inviável viver sem esta Tecnologia, seja nos domínios da informática, das comunicações, das metodologias organizacionais, da medicina, da energia, do aeroespacial, e em tantos outros ‘mundos’ do conhecimento.

Este Progresso Tecnológico representa, sem sombra de dúvida, Valor Humano de muitos Seres que nos rodeiam. Construíram-no com tal precisão, motivação e empenho que quase se esqueceram do Ser Humano e do seu Desenvolvimento.

A desigualdade tecnológica que se criou só tem paralelo na desigualdade económica e financeira a que as Pessoas ficaram expostas, sem possibilidade de um Desenvolvimento Humano equilibrado.

Aliás, recordo-me das palavras de Alvin Toffler na sua afirmação verdadeira “Os analfabetos do século XXI não são aqueles que não sabem ler ou escrever, mas aqueles que se recusam a aprender, reaprender e voltar a aprender”in “The Third Wave” (A Terceira Onda) – 1980. Lembro-me igualmente de alguns esforços, a nível de formação realizados nas Empresas para que, sobretudo, muitos trabalhadores se adaptassem às novas tecnologias informáticas que despontaram na década de 1980.

Esta adaptação, infelizmente, só resultou em maior escala com a informática de grande consumo.

Será que com as outras vertentes de progresso tecnológico se terá de passar pela fase de ‘consumo’ para que o Homem se adapte?

Bom, estou a verificar que a resposta a esta pergunta é SIM. Senão, vejamos o que se está a passar com a chamada Realidade Virtual (RV). Estão a desenvolver-se vários sistemas de RV para o grande consumo que vão conduzir o Homem a uma grande imersão existencial virtual, e, provavelmente (dada a impreparação de muitos) a um maior alheamento da Realidade Real do Homem.

Este, para mim é um ponto crucial do Desenvolvimento do Ser Humano, que tudo indica está a ser desvirtuado propositadamente para tornar as Pessoas ainda mais dependentes da tecnologia, do consumo, do dinheiro, e menos do Desenvolvimento do Valor Humano principal, aquele que nos conduz à aceitação natural de uma aprendizagem, reaprendizagem para voltar a aprender.

O que foi feito, nos últimos 40 anos, em matéria educativa e escolar para que tenhamos esta capacidade fulcral (aceitar aprender, reaprender para tornar a aprender)?

A meu ver não estamos a caminhar no sentido de um Valor Humano natural e voluntário, mas sim para um valor humano dependente de muitas outras ‘coisas’ que não Seres Humanos. Se é que não estamos a considerar as Pessoas como ‘coisas’!

O Valor Humano que defendo não transforma Seres Humanos em dependentes, mas dá-lhes a liberdade e a dignidade para se desenvolverem naturalmente e com o seu próprio ritmo, para o melhor resultado.

Quero terminar este texto com uma palavra de ESPERANÇA. Recordo aqui as palavras de Mia Couto, que nos devem levar a refletir muito sobre qual o Futuro que o Homem quer trilhar.

Progresso Mia Couto

Alfredo Sá Almeida                                                                                        15 de Janeiro de 2016

Cultura de Crise

Medo que o País pense

Legenda: Intelectuais e cientistas apresentaram um manifesto contra a crise, na Fundação Gulbenkian, pela afirmação da cultura, das artes e da ciência. (29/Jan./2014) – (http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/contra-a-cultura-da-crise-a-cultura-da-resistencia-1621643).


Esta crise que se iniciou em 2008, como uma crise financeira global (à escala mundial), colocou a nu todas as outras crises que o mundo alimenta.

É triste verificarmos como a falta de dinheiro, que comanda a vida de muitas pessoas, tem uma capacidade de desestabilizar toda a estrutura psicológica de um Ser Humano em maior grau que muitas outras crises não monetárias.

Mas esta crise financeira global não é mais do que uma ENORME CRISE DE VALORES. E não são quaisquer Valores, são VALORES HUMANOS.

A meu ver os Valores Humanos são o núcleo interno e profundo, sem o qual todas as crises podem acontecer.

Sem a preocupação de ser exaustivo vou mencionar algumas:

  1. Crise na Educação;
  2. Crise Ambiental;
  3. Crise Cultural;
  4. Crise Política;
  5. Crise Civilizacional; etc.

Todas estas crises têm uma marcada causa Humana, pois nós somos os únicos que consumimos desenfreadamente os recursos do Planeta, para nosso proveito, e somos os únicos seres pensantes com capacidade de destruir mais que qualquer outra espécie. Somos mais especialistas em desequilibrar do que em equilíbrio dinâmico. Ao ponto de nos faltar inteligência para construir equilíbrios de desenvolvimento Humano duradouros, essenciais a uma evolução sustentada da nossa espécie com um sentido de Futuro Inteligente e longínquo.

Todos nós sabemos que caminhar para o Futuro tem um grau de incerteza natural, de quem constrói o desconhecido. Mas há algo que o Homem inteligente pode fazer, que é orientar-se para diminuir o grau de incerteza.

A grande maioria destas crises possui variadíssimas causas:

  1. Corrupção;
  2. Interesses Corporativos;
  3. Interesses Financeiros;
  4. Interesses Militares;
  5. Influências Políticas;
  6. Incompetência;
  7. Falta de regulamentação;
  8. Fraude; etc.

O Homem tornou-se especialista na Cultura do Imediatismo (http://informacaoemcena.blogspot.pt/2013/07/cultura-do-imediatismo.html) que possui uma capacidade ‘corrosiva’ em todos os domínios da Vida. Somos Seres com grande potencial inovador e de criatividade, mas não sabemos lidar com as consequências dos nossos actos. Ao ponto de nos deixarmos enredar numa sequência de acontecimentos em cascata pelo facto de aceitarmos tomar meias decisões, ou, encurtar o caminho que conduz a uma verdadeira decisão.

O Homem possui a capacidade de desenvolver procedimentos elaboradíssimos para resolver problemas, sejam de natureza social, financeira, económica, educacional, cultural, etc. mas a grande maioria das vezes os problemas ficam por resolver convenientemente. Devido a:

  1. Os procedimentos não são universais;
  2. As soluções são parcelares;
  3. Os procedimentos estão desfocados do problema;
  4. A Justiça que complementaria a boa aplicação dos procedimentos não acompanhou o processo;
  5. Uma boa parte dos intervenientes no processo estão desatentos na aplicação dos procedimentos;
  6. Os procedimentos são incompreensíveis para a maioria das Pessoas;
  7. Os interesses dos intervenientes no processo não coincidem;
  8. Existe manifesta má-fé na aplicação dos procedimentos;
  9. Quem elaborou os procedimentos tem interesses considerados privilegiados a preservar;
  10. A participação das Pessoas é diminuta;
  11. Esta lista seria interminável dada a diversidade de casos.

Deste modo, não é de estranhar que o Homem ande de crise em crise até à derrocada final, que será uma crise de proporções catastróficas. Nessa CRISE a Humanidade sofrerá um enorme revés e tenho algumas dúvidas que possamos apelidar-nos de Seres Humanos, pela total ausência de Valores.

Desenvolvemos uma Cultura de Crise de tal forma que se tornou um bom negócio, rentável para poucos.

As Sociedades atuais possuem uma agravante nestes processos – as Democracias deixaram de representar o Povo e tornaram-se Oligárquicas. O Sistema Financeiro sobrepôs-se ao Sistema Político e os Políticos passaram a ser mais representantes do sistema financeiro do que do Povo que os elegeu.

Por outro lado, não existe vontade Política para enveredar por Democracias Participativas onde se valoriza a intervenção consciente dos Cidadãos. Nem existe uma Cultura Educativa significativa que desenvolva convenientemente as capacidades das Pessoas.

Assim, tornou-se um lugar-comum falar de MUDANÇA. Mas o que verificamos é que a referida Mudança não é efetiva, dada a miríade de interesses em jogo. Então, essas mudanças são apenas parcelares, são mais pequenas crises num contexto de uma crise maior. A ‘verdadeira mudança’ tornou-se num sistema de tal modo complexo que se fica por saber:

  1. Que Futuro estamos a construir?
  2. Quem e quantas Pessoas estão envolvidas no processo?
  3. Terão TODOS as mesmas oportunidades?
  4. Existirá uma participação livre das Pessoas?
  5. Passaremos a TER maior dignidade como Seres Humanos?
  6. A Educação será finalmente elevada à posição de PRIORIDADE?
  7. Os Valores Humanos passarão a governar o relacionamento em Sociedade?

Chagámos a um ponto onde não se debatem mais as questões principais e essenciais, que afetarão a maioria das Pessoas, mas apenas e taticamente as questões acessórias, devidamente enquadradas por uma Comunicação Social, sem Responsabilidade Social, mas focada nos interesses Corporativos vigentes.

Como exemplo do que estou a falar, menciono apenas o futuro Tratado Transatlântico (The Transatlantic Trade Investment Partnership – TTIP) http://ec.europa.eu/trade/policy/in-focus/ttip/.

Estamos a perder o verdadeiro sentido do Futuro como espécie Humana e a perder Consciência Coletiva. Tornámo-nos Seres da Cultura Imediatista, potencialmente deprimidos e com falta de Inteligência para debater questões importantes e essenciais aos Seres Humanos do Futuro.

Alfredo Sá Almeida                                                                                                      25 de Agosto de 2015