Como Você encara o Futuro?

Copo meio

O meu caro Leitor conhece seguramente a história do copo, utilizada pelos psicólogos para inferir se as Pessoas são otimistas ou pessimistas. “O copo está meio cheio ou meio vazio?”

Mas esta é uma pergunta tendenciosa porque introduz as palavras cheio e vazio. Ou seja, para um copo meio de água o Leitor tem de inferir se está a encher ou a esvaziar.

Na realidade o copo está sempre cheio, metade de água e a outra metade de ar.

Só tem uma maneira de saber se está meio cheio ou meio vazio, que é perguntar a quem deixou o copo nesta condição se:

  1. Estava a encher o copo com água? Ou,
  2. Estava a beber água do copo?

Só a resposta afirmativa a uma destas perguntas lhe dará a tendência de quem o deixou assim.

Com o Planeta que habitamos passa-se o mesmo problema. Vamos saber porquê!

Recentemente, veio uma notícia a público que afirma o seguinte:

“A partir de amanhã, começamos a viver acima das possibilidades da Terra”Diário de Notícias 13/08/2015.

(http://www.dn.pt/inicio/ciencia/interior.aspx?content_id=4728112)

Nesta notícia preocupante ficamos a saber que “Em oito meses, a humanidade consumiu os recursos renováveis que o planeta consegue produzir durante um ano. Depois do dia 13 de agosto, estamos a delapidar as reservas da Terra.”

É preocupante porque, A data é cada vez mais precoce: em 2005, o homem começava a explorar as reservas do planeta só a partir de setembro. Em 1975, os recursos renovados a cada ano terminavam apenas em novembro. A vertigem do consumo é cada vez maior e a humanidade, conforme indica a organização, vive cada vez mais tempo “a crédito”, com a dívida ecológica a crescer e a tomar proporções preocupantes.”

Ou seja, atualmente necessitamos de 1,6 Planetas iguais ao nosso para satisfazer os nossos desejos. Se não fizermos nada, em 2030 vamos necessitar do equivalente a dois Planetas Terra. Nem Marte nos salva.(http://climatologiageografica.com/recursos-naturais-da-terra/)

Quantas Terras para suportar Humanidade

http://climatologiageografica.com/recursos-naturais-da-terra/

Significa que não estamos a atuar de modo sustentável. Somos mais predadores que os predadores. “Humanos matam 14 vezes mais animais que outros predadores” (http://www.brasilpost.com.br/2015/08/21/humanos-predadores_n_8022968.html)

Conclusão“Se continuarmos com este ritmo de consumo, nós provavelmente iremos provocar uma crise global na Sociedade até 28 de Junho de 2030 com a produção de alimentos e a falta de água potável, com carência de abastecimento das populações.”

Se esta é a realidade, então devemos colocar algumas questões para respondermos de modo a solucionar este problema GLOBAL.

Vamos responder a estas questões, conscientes de que vamos ter de tomar decisões de acordo com as tendências atuais ou mudando significativamente o rumo da Sociedade atual de modo a tornarmo-nos Seres Humanos com maior sustentabilidade nesta Biosfera.

Muitos Cientistas acreditam que o nosso Planeta tem uma capacidade populacional máxima de cerca de 9 a 10 biliões de Seres Humanos. Mas temos de nos lembrar que se otimizarmos os recursos alimentares para satisfazer os nossos hábitos atuais, poderemos provocar uma sobrepopulação, acabar com os recursos e morrer em massa.

“Além da limitada disponibilidade de água doce, há de facto restrições sobre a quantidade de comida que a Terra pode produzir. Mesmo no caso de máximo de eficiência, em que todos os grãos cultivados fossem dedicados aos seres humanos para alimentação (em vez de gado, que é uma maneira ineficiente de converter a energia vegetal em energia alimentar), ainda há um limite.

Se todo mundo concordar em se tornar vegetariano, deixando pouco ou nada para o gado, os 1,4 bilhões de hectares de terras aráveis (3,5 bilhões de acres) suportariam cerca de 10 bilhões de pessoas”, escreveu o sociobiologista Edward O. Wilson.

“Segundo dados de 2010 da Global Footprint Network, a pegada ecológica da humanidade atingiu a marca de 2,7 hectares globais (gha) por pessoa, em 2007, para uma população mundial de 6,7 bilhões de habitantes na mesma data (segundo a ONU). Isso significa que para sustentar essa população seriam necessários 18,1 bilhões de gha. Ou seja, já ultrapassamos a capacidade de regeneração do planeta. No nível médio de consumo mundial atual, com pegada ecológica de 2,7 gha, a população mundial sustentável seria de no máximo 5 bilhões de habitantes (veja a tabela abaixo).”  (http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/ambiente/terra-limite-humanidade-recursos-naturais-planeta-situacao-sustentavel-637804.shtml)

Pegada ecológica

Fonte: José Eustáquio Diniz Alves, com base nos dados da Global Footprint Network 2010

“Qual é a perspectiva para as próximas décadas? De acordo com dados da Divisão de População da ONU, em 2050 a população mundial deve atingir 8 bilhões de pessoas, na projeção baixa, 9 bilhões, na projeção média, e 10 bilhões, na projeção alta. Nas previsões do FMI, a economia mundial deve crescer acima de 3,5% ao ano de 2010 a 2050. Isso significa que o PIB mundial vai dobrar a cada vinte anos ou se multiplicar por quatro até 2050. Portanto, o mais provável é que a Terra tenha mais 2 bilhões de habitantes nos próximos quarenta anos e uma economia quatro vezes maior. O planeta suporta?. Resposta: NÃO.

Assim, torna-se urgente discutir a(s) alternativa(s) do modelo para “decrescimento sustentável”, especialmente uma redução das atividades mais poluidoras, com uma mudança significativa no padrão de consumo e o avanço da Sociedade no conhecimento e na produção de bens imateriais e intangíveis.

Estaremos nós Ocidentais, dispostos a mudar os nossos hábitos de consumo e alimentação?

Esta é a questão fulcral para uma evolução da Humanidade em condições de sustentabilidade. Se pretendermos continuar como uma espécie superior, com Valor Humano, Inteligência e capacidade de desenvolvimento, TEMOS DE MUDAR JÁ OS NOSSOS HÁBITOS em todos os domínios da Vida.

Caso contrário, arriscamo-nos a criar uma situação global de tal modo insustentável que corremos o risco de desaparecer como espécie, colocando em risco grande parte da biodiversidade do nosso Planeta.

É motivo para perguntar se queremos continuar a comportar-nos como novos-ricos e a esbanjar recursos vitais, apenas para um prazer ilícito do Homem?

Por mim, considero-me um novo-pobre, mas rico em Valores Humanos, capaz de me adaptar a novas situações, onde predominem uma Inteligência e Consciência Coletivas, que nos forneçam indicações claras que estamos a caminhar sustentadamente para um Futuro melhor para TODOS.

E o meu caro Leitor quer continuar a comportar-se como novo-rico (pobre de espírito) ou como novo-pobre (rico em Valor Humano)?

Afinal, considera que o Planeta Terra está meio cheio ou meio vazio?

Alfredo Sá Almeida                                                                                                      28 de Agosto de 2015