A distorção de Valores Humanos

Valores errados

Muitos de nós nos admiramos do atual estado de relacionamento em sociedade. Sobretudo aqueles, como eu, que possuem Valores Humanos e os praticam com a naturalidade de um Ser Humano.

Não é só a ausência de Valores, ou a adesão a antivalores que conduzem a sociedade a uma desumanização. A Humanidade está doente porque são poucos a transmitir estruturadamente os Valores Humanos aos demais. Sobretudo na fase inicial da vida das crianças e dos jovens e na sua integração em sociedade.

A desumanização também é consequência de uma distorção dos Valores Humanos por ignorância, indiferença, negligência ou propósito desviante, daqueles que tudo fazem para atingir determinados objetivos sem olhar a meios.

O preconceito, a inveja, a arrogância, a ignorância e outras tantas características negativas da personalidade e do caráter das Pessoas conduzem normalmente a distorções nefastas para o bem-estar da sociedade.

Por outro lado, muitos detêm um poder que não se coaduna com o baixo Valor que possuem. Quando esse poder desproporcionado lhes ‘sobe à cabeça’ acaba distorcendo o sentido da vida da Humanidade, com atitudes e comportamentos típicos de uma falta de educação e de Valores Humanos.

Outros consideram que distorcer os Valores da Humanidade é uma atitude criativa, como se essa criatividade estivesse imbuída de Valor Coletivo.

Enfim, a permissividade excessiva também é resultado de uma tolerância elevada. Na vida do Homem não vale tudo. A Humanidade tem Valores que devem ser compreendidos, considerados e respeitados sob pena de nos perdermos como Seres Humanos.

Alfredo Sá Almeida 17 de Maio de 2018

Anúncios

O Homem está a perder a razão em relação ao Ser Humano

Homem absurdo

Sob o ponto de vista filosófico Homem e Ser Humano não possuem a mesma identidade. Normalmente o termo Homem está mais associado à antropologia filosófica. “O que temos claro, todavia, é que nem sempre as concepções de ordem antropológico filosóficas estão em consonância com os próprios princípios bioéticos, bem como com as normas vigentes na ordem jurídica.” – Emerson Silva Barbosa.

Ainda, recorrendo ao excelente artigo de Emerson Silva Barbosa, intitulado “O conceito de homem, pessoa e ser humano sob as perspetivas da Antropologia Filosófica e do Direito” (http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=9837) publicado no Portal “Âmbito Jurídico” sob o tema Biodireito, podemos encontrar matéria muito interessante referente a Ser Humano.

“Conforme Singer (2000), Fletcher compilou uma lista daquilo a que chamou indicadores de humanidade, em que incluiu o seguinte:

a) Autoconsciência
b) Autodomínio
c) Sentido do futuro
d) Sentido do passado
e) Capacidade de se relacionar com outros
f) Preocupação pelos outros
g) Comunicação
h) Curiosidade

Dos indicadores apontados, destaca Singer que os elementos mais importantes seriam a racionalidade e a autoconsciência, conforme se extrai do conceito de Locke (Singer, 2000). E é nesta acepção que afirma deva ser compreendido o conceito de pessoa.”

Ainda de acordo com Singer (2000):

É este o sentido do termo que temos em mente quando elogiamos alguém dizendo que ‘é muito humano’ ou que tem ‘qualidades verdadeiramente humanas’. Quando dizemos tal coisa não estamos, é claro, a referir-nos ao facto de a pessoa pertencer à espécie Homo sapiens que, como facto biológico, raramente é posto em dúvida; estamos a querer dizer que os seres humanos possuem tipicamente certas qualidades e que a pessoa em causa as possui em elevado grau.” (http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=9837)

A meu ver – assumo o risco de atribuição de identidade – Homem é um Ser Humano sem Alma e sem os Valores que caracterizam a Humanidade.

É neste contexto que surge o tema deste texto. Considero que o Homem se está a tornar um absurdo (‘que é contrário ao bom senso e racionalidade’) relativamente ao Ser Humano. A ausência crescente de Valores Humanos são a causa desse absurdo.
Assistimos com demasiada frequência a muitas irracionalidades do Homem por falta de uma Educação em Valores Humanos e de princípios orientadores que lhe dariam a dimensão de Ser Humano.

Infelizmente os exemplos são tantos e tão tristes nos campos da Educação, da Política, da Justiça, da Economia, das Finanças e de muitas outras áreas do saber, que estou seguro que os meus Leitores se lembrarão de casos concretos sobre o que estou a escrever. Temo que, na sua evolução, o Homem se transforme numa aberração da Natureza, tal é a descaracterização Humana que vem demonstrando.

A questão que me preocupa bastante é que não se está a fazer o suficiente para valorizar o Ser Humano e inibir o crescendo de atitudes e comportamentos irracionais e emocionalmente deploráveis, que o Homem provoca à Sociedade.

Todos nós sabemos que o equilíbrio dinâmico entre as Inteligências Racional e Emocional são um fator importante de harmonia em Sociedade. No entanto, temos assistido passivamente a fenómenos de corrupção, agressão, terrorismo, injustiça, ofensa, mentira descarada, etc.. Esta passividade está a minar os caminhos pacíficos da construção de um novo Paradigma Global, que se desdobrará em novos Paradigmas interdependentes e coerentes com o desenvolvimento Humano na nossa Biosfera.

A recente manifestação nos Estados Unidos a favor do controlo eficaz das armas e contra o livre acesso a armas de guerra, é um exemplo do absurdo que a política norte americana está a produzir na sociedade.

Outro exemplo aberrante é o caso da Justiça Brasileira, que julgou e condenou, em primeira e segunda instância o ex-presidente, e que corre o risco do Supremo Tribunal Federal, politizando o assunto, ‘produzir’ a libertação de um condenado.

Estes são dois casos entre muitos, por esse mundo fora, que acabam ‘destruindo’ o Ser Humano e o Futuro da Humanidade.

Problema dos Valores

Alfredo Sá Almeida                                                                                     25 de Março de 2018

Voltando à dimensão da Liberdade – Pensamentos.

Ser Livre

Dar corpo à Liberdade.

  • As consequências da sua utilização só poderão ser positivas, caso contrário não é Liberdade.
  • A Liberdade que cada Ser Humano dá corpo contribui para definir a Pessoa.
  • A Liberdade de cada UM não tem uma dimensão infinita mas o seu pensamento e consciência podem ultrapassar várias dimensões, quando se transformam em criatividade e inovação.
  • Qual é a dimensão da sua Liberdade? Se ela não pode ser infinita, em que dimensão você está envolvido?
  • Se a Liberdade é um Valor Humano como justifica a sua utilização para dar corpo a Antivalores?
  • A Liberdade como o Amor são Valores primordiais do Ser Humano. Como é possível o Homem permitir que esses Valores sejam utilizados para fazer o MAL?
  • Nenhum Valor Humano é um Valor absoluto. É sempre relativo a um Ser da nossa comunidade.
  • Se até a Vida Humana tem limites, como é possível não compreender que um determinado Valor Humano não os tenha? A dimensão pode ser enorme se o Coletivo os alargar. No entanto, o Homem não poderá esquecer o equilíbrio dinâmico da Vida da Comunidade.

Alfredo Sá Almeida                                                                        20 de Maio de 2017

Futurismo sem Valor Humano

futuristic-giant-robot-720P-wallpaper

Nos dias de hoje, assistimos com muita frequência a uma proliferação de ‘Futuristas’ que são capazes de vislumbrar um futuro para os Seres Humanos, dependendo da evolução da tecnologia que se encontra em fase de investigação e desenvolvimento. Interessante esta postura de pessoas inteligentes capazes de traçar uma ‘linha reta’ na evolução do Homem com o desenvolvimento da tecnologia. Esquecem-se continuamente do que sentem a maioria das Pessoas acerca da utilização da tecnologia e do que gostariam de SER.

O mais grave é o facto de esses Futuristas terem uma influência junto de empreendedores da indústria tecnológica, orientando-os e conduzindo-os no negócio e na introdução desses gadgets no mercado.

O Ser Humano possui uma multidimensionalidade tal, na sua vivência em sociedade, nas suas necessidades várias e simultâneas e na sua vontade de viver e sentir que considero abusivo imporem toda e qualquer tecnologia, que irá modificar a sua vida, para seu ‘consumo’ de utilizador quando a grande maioria não tem as condições de satisfazer as suas necessidades básicas, mas é capaz de se ‘viciar’ nessa nova tecnologia de consumo (que vai ficar obsoleta num ano). Esse estado viciante irá provocar nessas Pessoas alterações comportamentais capazes de permitir um bypass ao essencial para se focarem nos novos gadgets.

A meu ver, isso representa mais um acto de violentar a vontade das Pessoas, apelando ao seu lado alienante, frustrante e dependente de ‘qualquer coisa’.

Gostava de ver esses Futuristas a preocuparem-se mais com as vontades legítimas e carências de Pessoas com sentimentos nobres, e saberem cativá-las para um Futuro mais humano e de igualdade de oportunidades. Muitos fazem-me lembrar vendedores de ‘banha da cobra’, capazes de encontrar os melhores argumentos para afirmar que aquelas tecnologias, que vão modificar o futuro das Pessoas, são o melhor que lhes podia acontecer. Afinal qual é a tecnologia que não dá um melhor futuro às Pessoas? Pois, pois! Quando se derem conta e tomarem a devida consciência do que permitiram que modificasse a sua vida, sem que possam voltar atrás, já será tarde de mais e requererá um esforço hercúleo para desfazer o que foi construído, com a indiferença da maioria.

As tecnologias e a investigação científica na área da saúde têm sido das que mais servem os desígnios do Futuro do Ser Humano.

Pergunto-me constantemente, que Valor Humano possuem esses Futuristas e essas outras tecnologias? Gostaria de salientar que eu sou um aficionado da utilização de algumas tecnologias e que já as consegui ‘incorporar’ rotineiramente na minha vida sem alterar a minha maneira de ser.

Vejo muita gente a vender de TUDO, desde armas sofisticadas, a gadgets tecnológicos, a comprimidos para emagrecer, a pílulas para rejuvenescer, ou, mesmo cápsulas para não envelhecer nem morrer, a bonecas sexuais realistas, a realidade virtual com jogos de violência extrema, etc. TUDO é permitido neste ‘mundo cão’ até perder o total respeito pelo Ser Humano e permitir que ele se aliene da realidade de SER o que gostaria de ser, sem nunca ter a oportunidade de uma Educação adequada à sua Pessoa.

Que Pessoas seremos no ano 2100 se não tomarmos consciência do nosso Futuro hoje?

Alfredo Sá Almeida                                                                     6 de Abril de 2017

Dar Valor a …

Dar Valor2

Uma grande vantagem de uma Sociedade baseada no Valor Humano é que você não o poderá dar em numerário.

A única maneira de poder dar Valor a alguém que necessita, só poderá ser através de comportamentos e atitudes que ‘alberguem’ Valores Humanos. Esta é a forma correta de se ganhar Valor Humano dando algo de você.

Considero que o Homem teria muito a ganhar pela não existência de dinheiro e pela prática de um imperativo de Valor Humano. A meu ver, esta seria uma forma excelente de se poder transformar em Ser Humano. A Humanidade seria a primeira beneficiária deste novo modo de aplicar o universo dos Valores.

A facilidade com que, nos dias de hoje, se dá dinheiro a alguém, muitas das vezes sem saber verdadeiramente se estamos a contribuir para uma valorização dessa Pessoa, pode até fazer corresponder a uma perda de Liberdade de quem recebe.

Em contraste, a dificuldade em ajudar a valorizar, verdadeira e intrinsecamente, alguém necessitado é enorme e encontra muito poucos adeptos sinceros. O esforço requerido para este processo não se coaduna com a vida atribulada e stressante atual. A falta de tempo e/ou dinheiro são argumentos comuns que justificam o ‘aprisionamento’ indevido em que se está envolvido.

Penso que o meu Leitor estará de acordo comigo quando afirmo que o dinheiro tem contribuído significativamente para uma perda sistemática de Valores Humanos. A facilidade com que atualmente se ‘compra’ algo intangível, contrasta com a forte perda desses Valores.

Muitas Pessoas acabam deturpando o sentido do pragmatismo com a atitude leviana de dar em numerário. Acabam desvalorizando ao dar.

Dar Valor1

Alfredo Sá Almeida                                                                                    31 de Agosto de 2016

Se…

Rudyard Kipling

Quando se está em fase de planear o Futuro é comum estabelecermos vários cenários. Estes são uma condição para diminuir a incerteza.

A Sociedade atual vive com muitos Ses porque está demasiado condicionada a referenciais que ‘aprisionam’ o interveniente. Por outro lado, com a perda constante de Valores Humanos o condicional tende a aumentar substancialmente.

Lembram-se do brilhante poema If (Se) de Rudyard Kipling (1895) [Prémio Nobel da Literatura em 1907]?

As condições para se SER um Homem eram tantas que o poema só poderia terminar, dizendo (Tradução Féliz Bermudes):

“…

Pairando numa esfera acima deste plano,

Sem receares jamais que os erros te retomem,

Quando já nada houver em ti que seja humano,

Alegra-te, meu filho, então serás um homem!”

A verdade é que as condições colocadas (caso as consiga cumprir) são excelentes conselhos para a formação de um caráter.

Mas quero transmitir-vos que a causa que tenho vindo a defender, uma Sociedade de Valor Humano, situa-se numa ‘esfera’ bem diferente da dimensão desse poema.

Os Valores Humanos quando bem interiorizados permitem-nos graus de liberdade nunca experimentados pelo Ser Humano. A razão está relacionada com a incondicionalidade como devem ser vividos esses Valores.

Lembremos alguns deles: Amor, Altruísmo, Amizade, Bem Comum, Cidadania, Civilização, Civismo, Comunidade, Consciência, Cultura, Dignidade, Educação, Esperança, Ética, Felicidade, Humanização, Idealismo, Igualdade, Justiça, Liberdade, Solidariedade.

Sugiro ao meu caro Leitor que experimente viver cada um deles INCONDICIONALMENTE. Se o fizer verificará que passará a viver numa ‘esfera’ bem acima daquela que atualmente vive. Com uma diferença substancial da mencionada no poema – estará na dimensão do Ser Humano.

Caso a Sociedade, no seu todo consiga esta proeza de viver INCONDICIONALMENTE os seus Valores Humanos, com confiança, genuinidade e entrega, então cada um destes VALORES terá a dimensão que corresponderá àquilo que o Homem sempre desejou para uma Sociedade de Valor.

Alfredo Sá Almeida                                                                                    21 de Agosto de 2016

Mundo fechado versus Mente aberta

WWW-Net

 

Todos nós vivemos num Mundo vasto e diversificado que julgamos ser um sistema aberto, mas na realidade todos os sistemas, sejam naturais ou artificiais, funcionam em ciclos fechados e com tendência a serem finitos.

O fenómeno mais recente e que tem vindo a abrir a Consciência das Pessoas, é o do aquecimento global. Todas as ‘malfeitorias’ ambientais, como a poluição atmosférica e o lixo produzido pelo Homem, acabam por ter os seus efeitos nefastos e refletem-se sobre a vida e equilíbrio do Planeta. Não dá para ignorar. O Homem tem de se tornar sustentável, caso contrário acabamos com a vida na Biosfera.

Sejam os Ciclos da Água, do Oxigénio ou dos Alimentos, elementos sem os quais não conseguimos viver, encontram-se em funcionamento em circuito fechado.

O mesmo se passa com as atitudes e comportamentos Humanos. Durante muitas centenas de anos contribuímos para o desequilíbrio da Humanidade com Guerras e armas de destruição maciça.

Agora, estamos a dar os primeiros passos no Mundo Globalizado: Conhecimento, Informação e Comunicação, Investigação, Sistema Financeiro, etc.

Começamos, então, a verificar e a aumentar a nossa Consciência e Inteligência Coletivas para esta nova realidade, e nas repercussões que os bons ou maus resultados que produzimos diariamente acabam por se refletir na nossa vida futura.

Para comprovar aquilo que afirmei, relembro o que se está a passar com o Sistema Financeiro Mundial. Todas as malfeitorias que este sistema realiza repercutem-se sobre TODOS nós indevidamente, apesar de apenas alguns tirarem o proveito e manipularem o sistema.

Estamos a aprender o Mundo Global e a ganhar Consciência, e consequentemente a aguçar a nossa Inteligência, que vivemos num Mundo fechado sobre si mesmo. Tudo o que aqui se passa acaba por ter reflexos mais ou menos sérios sobre as nossas vida e a nossa Felicidade.

Pois bem, o único sistema que não se encontra fechado é o da Mente Humana. Sobre este, temos o poder de o expandir ou manter na obscuridade. Só uma Mente Aberta ao Mundo Global, ao Conhecimento, à Informação e Comunicação, nos permitirá (ou não) expandir e libertarmo-nos destes ciclos fechados, que pensamos que nos aprisionam.

Mas, para que constituam uma expansão da Mente, e consequentemente uma expansão da Consciência e Inteligência Coletivas, sem os efeitos nefastos dos outros Ciclos que adulterámos, devemos refletir positivamente e aplicar novas soluções de Vida em Sociedade que contribuam para uma sustentabilidade funcional a longo prazo. Sem esta, andaremos de ciclo em ciclo até à derrocada final.

Pena é, que sendo um raciocínio tão lógico e aceitável, tão poucos de Nós queiram praticá-lo e adotá-lo na sua vida.

Aos poucos (de forma mais lenta que desejado) vamos ganhando Consciência e as mudanças vão chegando, com algum receio, e consolidam-se positivamente.

Quero dar-vos conta de uma nova realidade que está tomando forma paulatinamente, e que devemos manter uma Mente Aberta e saudável para expandirmos todos os dias estas novas atitudes e comportamentos, que nos poderão conduzir a um Futuro sustentável. Aproveito para transcrever uma parte de um texto de Gustavo Tanaka no site Colletively Conscious (http://collectivelyconscious.net/articles/something-extraordinary-is-happening-in-the-world-and-most-people-havent-noticed/) que nos relata matérias para as quais não estamos atentos:

“A maioria de nós ainda não percebeu que algo extraordinário está a acontecer.

Há alguns meses, eu me libertei da sociedade tipo padrão. Eu quebrei as correntes do medo que me manteve trancado no sistema. Desde então, eu vejo o mundo de uma perspetiva diferente: a de que tudo está passando por mudanças e que a maioria de nós não têm conhecimento disso.

Por que o mundo está mudando? Neste post, vou apontar as oito razões que me levam a acreditar.” – Gustavo Tanaka:

  • Ninguém pode resistir ao atual modelo de emprego por mais tempo.
  • O modelo de empreendedorismo também está mudando.
  • O aumento da colaboração.
  • Estamos finalmente a descobrir o que é a Internet.
  • A queda do consumismo exagerado.
  • Uma alimentação saudável e orgânica.
  • O despertar da espiritualidade.
  • Tendências da Não-escolaridade vigente.”

 

A meu ver, devemos estar mais atentos ao que de positivo se passa no Mundo Globalizado de hoje, pois nós poderemos dar um contributo importante para as boas mudanças que resultarão no nosso Futuro Coletivo.

Como sabem, eu tenho vindo a defender um aumento significativo do Valor Humano e um sistema Educacional que integre conscientemente os Valores Humanos na Educação formal para TODOS. Em simultâneo defendo o afastamento, definitivo e efetivo, do Sistema Financeiro Internacional da vida económica e da nossa Vida Futura.

Estas mudanças, se efetuadas com uma Mente Aberta para um Futuro Sustentável, contribuirão significativamente para uma Humanidade de Valor.

Mente aberta1

Alfredo Sá Almeida                                                                                        14 de Julho de 2016