Vírus vs Liberdade

Um vírus que nos está a obrigar a refletir sobre o conceito de Liberdade.

Esta pandemia de covid-19 desencadeou um conjunto de ações de saúde pública que nos obrigou a ‘confinar’ (encerrar ou encerrar-se dentro de certos limites) o atual conceito Liberdade.

O confinamento em casa provocou alterações significativas na vida das Pessoas. Acabaram (temporariamente): os cumprimentos físicos (aperto de mão; beijo; abraço; etc.), os convívios com muitas Pessoas, os espetáculos artísticos e desportivos, as visitas a familiares e muitas outras exaltações sociais, típicas de um são convívio em Sociedade. Obriga-nos a usar mais uma peça de vestuário – a máscara (1). Por outro lado, permitiu que os transportes públicos não transportem Passageiros como ‘sardinhas em lata’, o que evita muito stress. Enfim, um conjunto de situações que limitam a nossa Liberdade diária de ‘movimentos’ de cariz social. Uma nova EVIDÊNCIA SOCIAL.

Muitos questionam se deveríamos ceder em tantas limitações à Liberdade, por uma questão de saúde pública? A resposta parece-me EVIDENTESem Vida saudável não existe a Liberdade que gostamos de ter!

A Liberdade e a Vida estão indissociavelmente ligadas!

Por esse facto aceitamos tranquila, racional e temporariamente as referidas limitações. Mas é neste intervalo temporal que o conceito de Liberdade, tão fundamental para todos Nós, deverá ser objecto de uma boa reflexão.

Vejamos, uma vantagem importante que este fenómeno pandémico tem, está relacionado com um aumento do dever de Consciência Coletiva Global. Compreendemos bem que este esforço nos ajudará a TODOS a sobreviver saudavelmente e a reganhar a nossa Liberdade. Mas existe outra vantagem, o provável aumento de Valores Humanos importantes à Vida em Sociedade: a Empatia, a Solidariedade, a Compaixão, o Altruísmo, etc. Exemplos da prática destes Valores Humanos sobressaem naturalmente desta crise pandémica, por TODO O MUNDO. Estamos a revelar-nos como Seres Humanos de Valor a nível Global.

Este facto pode parecer pouco importante para algumas Pessoas, mas revelar-se-á fundamental no Futuro na Sociedade Global. Infelizmente ainda existem muitas que não querem saber destes ‘pormaiores’  para nada. Pretendem apenas voltar à normalidade anterior e a poderem usufruir da sua Liberdade sem limites.

Mas será que existe Liberdade sem limites? Será que cada um de Nós pode fazer o que quiser sem uma preocupação com o Outro? A Vida saudável em Sociedade diz-nos que NÃO!

É neste momento que o conceito de Liberdade, que se encontra em vigor pelas várias Sociedades isoladamente, deve começar a ser ajustado à realidade do Futuro da Sociedade a nível Global.

Quanta iniquidade entre Países, Pessoas, Instituições, conceitos Educacionais e Vivências! Por quê e para quê? O que nos conduz a ‘produzir’ tanta pobreza, tristeza, escravidão, violência, etc. por esse Mundo afora? Chamamos a isto LIBERDADE?

O que para nós é mais importante? Uma Liberdade para aumentarmos os nossos conhecimentos, as nossas convivências saudáveis, a nossa vida desejada em Sociedade? Ou, possuirmos uma Vida desregrada que nos faz mal à saúde física e mental?

Queremos dominar TUDO e TODOS pelo nosso conceito de Liberdade? Queremos convencer quem? Queremos que o nosso conceito de Liberdade seja tão amplo que possa albergar instantaneamente a iniquidade existente? Nem uma ganância, arrogância e prepotência desmedidas conseguem explicar tanta enormidade. Lembrem-se que a Liberdade e a Vida estão indissociavelmente ligadas.

Continuamos a não desenvolver globalmente uma Educação em Valores Humanos, que nos ajudaria significativamente a integrar o conceito Liberdade nos outros Valores, que tanto necessitamos como espécie inteligente com tendências Globais e a um Futuro Coletivo digno de Seres Humanos.

Vamos querer voltar à NORMALIDADE?

Alfredo Sá Almeida                                                                                4 de Maio de 2020

Nota (1): ‘A máscara’ – Os meus caros Leitores estão seguramente lembrados dos tempos em que na Europa Ocidental e outros Países por esse mundo fora, proibiram o uso de burka e véu Islâmico por questões muito preconceituosas. Pois bem, agora que têm (por obrigação) usar o rosto tapado com uma máscara cirúrgica, espero que não se sintam frustrados por eventualmente terem ‘embarcado’, com a vossa Liberdade, nos argumentos preconceituosos do passado. 

O Valor Humano resiste à morte do Ser

Tetraedro Regular

– A continuidade do Valor –

Esta é uma realidade que TODOS deveríamos interiorizar. Quanto mais Valor adquirirmos maior Valor deixamos para os nossos pares.

Este universo de Valor só pode existir com a aprendizagem constante ao longo da Vida. Não será de admirar o facto de este dar o verdadeiro sentido à Vida. Une as Pessoas e acrescenta-lhes substância vital.

Tanto tempo desperdiçado com frivolidades e guerra, seja de palavras ou violência física, para não acrescentar nada de Valor à Vida. Quantas Pessoas desconhecem o Valor de um bom debate para se perderem numa discussão estéril! A emoção descontrolada, desorientada e vazia acaba perdendo todo o Valor e destrói Vida. Nesses casos parece ter um comportamento de um vírus.

A resistência que vos falo é mais uma resiliência dinâmica capaz de evaporar o desaparecimento do Ser. É algo que só o Ser Humano é capaz de realizar – suplantar a Morte – apesar desta fazer parte da Vida. Não é por acaso que falamos da Alma do Ser. É uma dimensão mais no nosso universo.

Quantas dimensões afinal um Ser Humano é capaz de acrescentar à Vida neste  vasto Universo? Tantas quanto o Valor do seu Ser!

A figura que vos apresento no início deste texto representa um tetraedro regular. É um poliedro perfeito com um mínimo de faces para que o possamos chamar de sólido. É um pretexto para vos falar de Platão (Foi um filósofo e matemático do período clássico da Grécia Antiga, autor de diversos diálogos filosóficos e fundador da Academia em Atenas, a primeira instituição de educação superior do mundo ocidental. Ele é amplamente considerado a figura central na história do grego antigo e da filosofia ocidental, juntamente com seu mentor, Sócrates, e seu pupilo, Aristóteles. Platão ajudou a construir os alicerces da filosofia natural, da ciência e da filosofia ocidental, e também tem sido frequentemente citado como um dos fundadores da religião ocidental, da ciência e da espiritualidade. O assim chamado neoplatonismo de filósofos como Plotino e Porfírio influenciou Santo Agostinho e, portanto, o cristianismo, bem como a filosofia árabe e judaica.) – Wikipédia.

“O filósofo grego Platão estabelecia uma ligação dos poliedros com as forças da natureza. Hoje é possível estudar as formas moleculares existentes na natureza e observar que as ideias que Platão teve por volta do século V e IV a.C. são verificadas e comprovadas. O tetraedro regular é um sólido platónico representante do elemento fogo, figura geométrica espacial formada por quatro triângulos equiláteros (triângulos que possuem lados com medidas iguais); possui 4 vértices , 4 faces e 6 arestas.” (https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/matematica/tetraedro-regular.htm).

Platão é um exemplo do Valor que perdurou de geração em geração, por todos estes séculos, mantendo viva a chama do conhecimento e da interligação das disciplinas do saber.

Pena é que os Líderes Políticos do mundo atual não procurem aproximar-se do Valor de Platão, contribuindo assim para congregar melhor a Vida e o Futuro dos Cidadãos dos seus Países. Consequentemente, do Mundo em que vivemos.

Vivemos num momento da História do Homem onde TUDO pode dar certo na construção do nosso Futuro, assim os Políticos que influenciam a nossa Vida saibam ignizar o entendimento que nos transporte para uma dimensão de Valor Humano.

Alfredo Sá Almeida                                                                   22 de Abril de 2020

O Problema sempre fomos NÓS!

Saberemos corrigir o rumo?

Covid-19 multidão sem rumo

O Homem ao longo da sua História cometeu muitos erros de desenvolvimento coletivo. No entanto, também tem bons exemplos desse desenvolvimento que não deram os frutos devidos a nível Global.

Na realidade, faltam-nos uma integração e consolidação de Valores Humanos no nosso Ser, que apesar de sabermos quais são e como deveríamos integrá-los, falta-nos a coragem e a suficiente Inteligência e Consciência Coletivas que nos permitam catapultar para uma nova dimensão Social em Felicidade Coletiva.

Utópico? Talvez! Mas não tanto como possam pensar! Considero que é mais a cobardia da mudança e de um desconhecido universo Social Global que nos faz arrepiar caminho e diminuir em dimensão Humana.

Preferimos acomodar-nos, conformar-nos ou refugiar-nos no vazio das soluções atuais, na dimensão virtual da vida e na dependência económica da dinâmica criada à nossa volta, que descobrirmos a sequência de prioridades que a Vida deve Ter para Ser, a dimensão de Valores e o caráter dos relacionamentos, para evoluirmos na dimensão de Seres Humanos.

Temos muitas certezas, quase matemáticas, da Vida mas não como a devemos ajustar ao nosso desejado Ser Coletivo. Estamos confortáveis individualmente para darmos Valor á dignidade coletiva.

Existem até pessoas que consideram que o erro é sempre dos outros, eles fazem sempre TUDO bem. E, têm o poder para aplicar discricionariamente sanções àqueles que erraram(?).

Assistimos até, perante carências sociais marcantes, a soluções economicistas de uma frieza desumana. Vemos Economistas arvorarem-se desmedidamente em Sociólogos, Antropólogos e Psicólogos da Sociedade como se considerassem que não cometeram já tantos e tantos erros de julgamento e de aplicação das suas teorias ‘balofas’ e vazias de Humanismo, apenas ara satisfazer um Ego Financeiro insuflado de vaidade, orgulho, arrogância, ganância, ‘justiça financeira’, indiferença, etc.

Enfim, NÓS sabemos isso, sabemos que temos algum poder mas nunca nos demos ao trabalho de conjugar esforços coletivos inteligentes, concertados e em sincronismo que nos permitam solucionar de vez esta matéria cancerosa que está em desenvolvimento metastático faz muitos anos. A consciência e o paradigma que ‘construíram’ na nossa mente, pela Educação que nos deram, é tão viciante que tudo fazemos para não os abandonar por força de uma razão sem sentido nosso.

Estamos mergulhados num PROBLEMA de dimensão Global mas vamos fazer TUDO individualmente, como se não vivêssemos TODOS no mesmo Planeta e ele não nos pertencesse por nascimento.

Vamos aplicar fórmulas economicistas e financeiras, de resultado muito duvidoso e avulsas, para satisfação de um PODER dissociado do Humanismo e da Vida sã em Sociedade.

Será que não temos emenda? Que somos assim tão masoquistas? Que o nosso Coletivo não é capaz de discernir e reinventar a Sociedade Global com outros Valores? Com outras prioridades? Com uma Esperança num Futuro melhor para o Ser Humano em equilíbrio na nossa Biosfera?

Se não o fizermos agora, perderemos uma boa oportunidade de sermos a verdadeira SOLUÇÃO dos problemas que nos criaram, para nos dominar e ‘domesticar’ como seres inferiores de mente vazia. Pobres de dinheiro e de espírito sempre.

misture-raca-povos-multidao-em-mascaras-protetoras-epidemia-conceito-de-coronavirus-wuhan-pandemic-medico-risco-retrato-saude-horizontal_48369-23140

Alfredo Sá Almeida                                                                          16 de Abril de 2020

Os vírus e a Vida – A aprendizagem constante ao longo da Vida.

E. Coli. (bactéria) nm = nanômetro.

O Mundo está perante um desafio enorme devido a uma ‘coisa’, que chamam vírus, e que se tornou em pandemia.

Vou explicar a razão porque chamo ‘coisa’ a um vírus. Primeiro que tudo, entre a comunidade científica os vírus não são unanimemente considerados ou classificados como Seres Vivos. A razão para esta divergência prende-se com o seguinte:

(https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/biologia/os-virus-sao-seres-vivos.htm)

1) Alguns pesquisadores afirmam que os vírus são organismos que não devem ser considerados seres vivos. Para sustentar essa ideia, as principais afirmações feitas são:

  • Os vírus não possuem células (acelulares), a unidade estrutural e funcional dos seres vivos. Essa característica contraria a Teoria Celular, que diz que todos os seres vivos são formados por células. Assim sendo, por não possuírem células, muitos afirmam que vírus não são seres vivos;
  • Os vírus não apresentam potencial bioquímico que possibilita a produção de energia metabólica. Assim sendo, os vírus não são capazes de respirar e alimentar-se, por exemplo;
  • Os vírus só são capazes de se reproduzir no interior de outra célula. Por essa razão, dizemos que eles são parasitas intracelulares obrigatórios.”

No entanto, para alguns pesquisadores são considerados como seres vivos:

      2) Os vírus realizam algumas atividades consideravelmente complexas. Eles são capazes, por exemplo, de “enganar” nosso sistema imunológico e causar doenças, atividade complexa para um ser sem vida, não é mesmo?

Muitos pesquisadores afirmam que os vírus devem ser, sim, considerados seres vivos. Para isso, eles utilizam algumas características desses seres para sustentar essa afirmação. Essas características são:

    • Presença de material genético: RNA e/ou DNA. A presença desse material indica que esses organismos são capazes de transmitir suas características aos seus descendentes;
    • Os vírus apresentam capacidade de evolução, ou seja, sofrem alterações ao longo do tempo, uma característica importante, uma vez que admitimos que os seres vivos mais bem adaptados sobrevivem no meio.”

Eu, como bioquímico, não dou crédito a uma ‘coisa’ que não se relaciona entre si, não é uma célula, não respira, não possui sistema metabólico energético, apenas é capaz de se ‘copiar’ (nem posso chamar de reproduzir) como parasita intracelular obrigatório (“Fora do ambiente intracelular, os vírus são inertes.” – Wikipédia) e matar o hospedeiro.

Pois bem, o Homem também se tornou numa pandemia da nossa Biosfera, ao longo dos milénios, mas é um Ser Vivo superior. O que o torna superior aos outros Seres Vivos é o facto de ter um cérebro evoluído e uma mente consciente, conhecedora e capaz de dominar os vírus (e não só).

É a nossa mente que faz TODA a diferença nesta ‘mega equação’ a que chamamos Vida e a que nem sempre damos o devido Valor.

A nossa mente tem uma capacidade enorme de aprendizagem, de correlacionar o conhecimento, de o integrar e de lhe dar um Valor. Por outro lado, os Valores Humanos foram acrescentados ao longo da nossa evolução dando um sentido superior à nossa vida. Temos de ter em consideração que Metafisicamente, a vida é um processo contínuo de relacionamentos” – Wikipédia. Nesta matéria de relacionamentos o Homem ainda não se tornou um mestre.

Ora um vírus só tem um sentido ‘vazio’ – MATAR. Esta é a característica essencial dos vírus: – copiam-se dentro das células, aos milhares, até rebentarem com as células onde se copiaram e continuam o seu caminho do mesmo modo, até serem travados pelo sistema imunológico, por um medicamento anti-viral, ou pela morte do hospedeiro. Ou seja, um vírus é uma ‘coisa’ anti-vida.

Quantas vezes o Homem na sua caminhada pela vida foi capaz de se comportar como um vírus!

Ainda hoje, fui confrontado com a notícia de um teste experimental de um míssil hipersónico capaz de atingir cinco vezes a velocidade do som e chegar mais rápido ao ‘objetivo’ para matar o inimigo humano.

Enfim, o Homem ainda não aprendeu o suficiente para dar o devido respeito pela VIDA. Nem mesmo com aquilo que esta pandemia nos está a provocar. Estamos confinados a ficar em casa, limitados ou condicionados e devemos reduzir os nossos relacionamentos pessoais, por causa de uma ‘coisa’, um vírus.

No entanto, se soubermos ser inteligentes, aproveitarmos a sabedoria adquirida, valorizarmos a Vida e soubermos tirar partido daquilo que o vírus destruiu (Pessoas, relacionamentos, economia, empresas, postos de trabalho, etc.), talvez nos ajude a construir uma Consciência Coletiva e a mudarmos, transformarmos ou reformarmos a convivência em sociedade, corrigindo, construindo ou criando os elos de ligação entre Humanos que nos atrevemos a destruir ao longo dos tempos.

Nesta crise pandémica, os Líderes e os Homens do Poder souberam injectar dinheiro em toda a estrutura da Sociedade, como se o dinheiro fosse um elemento vital para o futuro do Ser Humano. Dando o exemplo de que o dinheiro não é problema.

Saberemos nós injectar Valores Humanos em TODAS as estruturas da Sociedade e revitalizar a construção de um Futuro digno de Seres Vivos e Humanos de Valor?

Por favor, meu caro Leitor não se torne num vírus!

Alfredo Sá Almeida.                                                        21 de Março de 2020

Como o dinheiro se apoderou do Valor Humano

Tempo é dinheiro

Desde o século VII a.C., na Grécia antiga, o dinheiro moeda passou a fazer parte da realidade do Homem. “Foi uma invenção revolucionária. Ela facilitou o acesso das camadas mais pobres às riquezas, o acúmulo de dinheiro e a coleta de impostos – coisas muito difíceis de fazer quando os valores eram contados em bois ou imóveis”, afirma a arqueóloga Maria Beatriz Florenzano, da Universidade de São Paulo (USP) (https://super.abril.com.br/cultura/como-surgiu-o-dinheiro/).

Com o passar do tempo o dinheiro tomou conta de tudo, até da vida das Pessoas.

Vem isto a propósito da frase que faz tic-tac em muitas ‘cabeças’, por esse mundo fora: “Tempo é dinheiro”.

“A frase é geralmente creditada a Benjamin Franklin, que a usou em um ensaio (Advice to a Young Tradesman, 1748). A frase real foi gravada em 1719 na revista The Free-Thinker.
No entanto, a ideia de que tempo é dinheiro tem uma longa história.
O Oxford Dictionary of Proverbs cita duas referências anteriores. Antífona da Grécia antiga (ca. 430 aC) usava “o desembolso mais custoso é o tempo”. O discurso sobre a Usura (1572) usava “Eles dizem que o tempo é precioso”.” – Robert Charles Lee.

Esta é talvez a realidade mais cruel que o Homem criou e que poucos dominam, culminando nos dias de hoje com: “1% da população ficou com 80% da riqueza mundial” (https://observador.pt/2018/01/22/relatorio-1-da-populacao-ficou-com-80-da-riqueza-mundial/). “Oxfam diz que em 2017 houve aumento “histórico” do número de multimilionários. Relatório da organização não-governamental revela que 80% da riqueza ficou com 1% da população.”

O Homem esqueceu-se, ao longo da História, que tempo é Vida. E que durante a Vida, o Homem pode desenvolver o seu Valor em Sociedade. Mas interpretou tudo mal, e, preferiu afirmar que “Tempo é dinheiro”.

Só o Valor Humano poderá desfazer toda esta trama que foi criada ao longo dos séculos, e restituir ao Ser Humano o seu devido Valor. Não será tarefa fácil mas não será impossível. Esta é a proposta que faço nos textos deste Blogue. Caberá a TODOS nós mudar esta realidade aprisionadora de vida. Boa leitura.

Alfredo Sá Almeida                                                                                        1 de Abril de 2018

Voltando à dimensão da Liberdade – Pensamentos.

Ser Livre

Dar corpo à Liberdade.

  • As consequências da sua utilização só poderão ser positivas, caso contrário não é Liberdade.
  • A Liberdade que cada Ser Humano dá corpo contribui para definir a Pessoa.
  • A Liberdade de cada UM não tem uma dimensão infinita mas o seu pensamento e consciência podem ultrapassar várias dimensões, quando se transformam em criatividade e inovação.
  • Qual é a dimensão da sua Liberdade? Se ela não pode ser infinita, em que dimensão você está envolvido?
  • Se a Liberdade é um Valor Humano como justifica a sua utilização para dar corpo a Antivalores?
  • A Liberdade como o Amor são Valores primordiais do Ser Humano. Como é possível o Homem permitir que esses Valores sejam utilizados para fazer o MAL?
  • Nenhum Valor Humano é um Valor absoluto. É sempre relativo a um Ser da nossa comunidade.
  • Se até a Vida Humana tem limites, como é possível não compreender que um determinado Valor Humano não os tenha? A dimensão pode ser enorme se o Coletivo os alargar. No entanto, o Homem não poderá esquecer o equilíbrio dinâmico da Vida da Comunidade.

Alfredo Sá Almeida                                                                        20 de Maio de 2017

O Dinheiro ou a Vida.

carater-perdido

Esta é uma frase típica de um assalto. Infelizmente muitas Pessoas são assaltadas todos os dias, do qual resulta algum dano ou perda para o assaltado. Normalmente causa revolta e raiva porque a vida ficou em risco e o dinheiro custa muito a ganhar.

Mas se a interrogativa indireta colocada passar a ser uma interrogativa direta?

O Dinheiro ou a Vida? A Pessoa não deixa de ter de tomar uma decisão importante. Só que nesta situação poderá existir mais tempo para ponderar as alternativas, refletir e escolher o caminho de vida que quer seguir.

Pode até acontecer que num futuro, não muito longínquo, a questão colocada seja ainda mais grave: A Água ou a Vida? Neste caso estamos perante uma situação extrema porque não existe Vida sem Água. E, a resposta só pode ser uma.

No dia-a-dia desta nossa vida, pessoal ou profissional, quantas vezes somos colocados perante questões que não têm alternativa. Somos conduzidos por Pessoas (?) a tomar decisões, mais ou menos rápidas, que nos afetam a vida e, muitas vezes, o futuro e os sonhos de uma vida.

Os meus Leitores dirão: mas isso não deveria ser permitido! Pois é, mas acontece com mais frequência que o desejado. A liberdade passa a estar condicionada e com ela a Vida e a sua condução para o futuro.

Quando e como é que nos deixámos envolver, ludibriar, enganar, etc. até ao ponto de perdermos a Liberdade, a Dignidade e a Autoestima? Vou arriscar uma resposta polémica! A partir do momento em que nos deixámos dominar pelo Dinheiro!

Tantas vezes fomos roubados e enganados, que deixámos de acreditar no caráter das Pessoas.

Por maior Valor Humano que alguém possua, estas situações não deixarão de o afetar. Então é chegado o momento de tomarmos opções de Vida que nos permitam manter o Valor sem afetar o caráter.

Esta é a reflexão que deixo aos meus caros Leitores: O Dinheiro ou a Vida? Qual a sua escolha para o Futuro?

Atenção, tem de optar por uma das vias (e só por uma). Pois a via que hoje vivemos é uma mistura destas duas vertentes com um claro desequilíbrio a favor do dinheiro e em detrimento da Vida.

Alfredo Sá Almeida                                                                              1 de Fevereiro de 2017